Notícia

Valongo vence de mão cheia na Linha

Dec 11, 2016

Paço de Arcos e Valongo entraram este sábado em rinque em momentos diametralmente opostos.

Se os pupilos de Miguel Viterbo vinham de três vitórias consecutivas e o correspondente salto na tabela classificativa (até ao sexto lugar), o Paço de Arcos vinha de três derrotas consecutivas que seriam esperadas - Porto, Oliveirense e Benfica - mas que deixaram marcas pelos 12 golos sofridos no Dragão e os nove na Luz. E, mais do que isso, o Paço de Arcos somava apenas duas vitórias em rinque em nove jornadas, "mascaradas" pela vitória na secretaria frente ao Sporting.

Antes do início da partida, Diogo Alves e Guilherme Silva foram homenageados pelo Paço de Arcos pela conquista - em Março - da Taça Latina. Xavier Cardoso e João Almeida também estiveram nessa conquista.

E, se a moral de uma e outra já devia estar a kms de distância, mais longe ficou com o golo, logo no primeiro minuto, de João Ramalho, a surgir sozinho sobre a direita. O Paço de Arcos teve oportunidade de igualar de grande penalidade aos sete minutos, mas o remate do capitão Rui Pereira foi ao ferro. E, de qualquer maneira, o lance já tinha sido anulado por uma saída extemporânea dos seus colegas. Nada corria bem.

João Ramalho assinou um hat-trick

A jovem equipa do Valongo controlava todos os momentos da partida frente ao quarteto mais experiente do plantel do Paço de Arcos, que neste jogo não contou com Nelson Ribeiro (doente).

Acabou por ser sem surpresa que, aos 15 minutos, João Ramalho fez o segundo e, dois minutos volvidos, Rúben Pereira ampliou para três golos de vantagem.

Na segunda parte, o Valongo fez uma gestão inteligente do jogo. Sem Miguel Dantas, Tiago Losna e Rui Pereira (que foram para o banco e não voltaram), o Paço de Arcos tentava surpreender uma equipa que explorava ao máximo o tempo de ataque e que jogava com Xavier Cardoso longe, a estender a campo inteiro a acção da sua equipa.

Leonardo Pais não consentiu qualquer golo

O Paço de Arcos teve nova oportunidade soberana da marca de grande penalidade, desta feita por Diogo Silva, mas nem assim Leonardo Pais - com 26 anos, o mais "velho" do Valongo a par de Rúben Pereira - seria batido.

No jogo de paciência do Valongo, que só ganharia mais acutilância com a entrada de Luís Melo, "Xavi" protagonizou aos 12 minutos da segunda parte um dos momentos altos da partida. Sempre vindo da sua meia pista, de onde parecia controlar toda a partida, entrou pela direita e, em picadinha, bateu o seu colega de Selecção, Diogo Alves, para o 0-4 que destruiu qualquer esperança que sobrasse aos visitados.

Golo de Xavi decidiu definitivamente o jogo

No Paço de Arcos havia vontade, mas faltavam ideias. E, com o passar dos minutos, faltavam pernas.

O apito soou quase como um alívio, mas nem assim a angústia dos adeptos da equipa da casa teve fim. João Ramalho estava isolado perante Diogo Alves e, apesar da buzina já ter soado, rematou... para o fundo das redes. Como só acaba quando o árbitro apita, o golo valeu. E valeu um hat-trick a João Ramalho e a mão cheia na vitória do Valongo.

No final da partida, Miguel Viterbo estava satisfeito com mais uma vitória, a quarta consecutiva. O técnico do Valongo lamentou o condicionamento do campeonato - que o obrigou a "partir de trás" - e as necessárias dores de crescimento de uma equipa que tem a média de idade mais baixa da I Divisão. Mas um potencial e uma qualidade muito acima de qualquer média...

O Valongo segurou o sexto lugar isolado, a quatro pontos do Óquei de Barcelos (que venceu em Valença por 2-4), e no regresso do campeonato, a 7 de Janeiro recebe a Sanjoanense. Depois, o calendário condicionado que Viterbo - e não só - tanto critica, volta a atacar. O Valongo jogará consecutivamente com Porto, Oliveirense, Benfica e Sporting.

Mau momento na Linha

Do lado do Paço de Arcos, Paulo Garrido não quis falar. Logo após o apito final, Marco Afonso, presidente do histórico clube da Linha, dirigiu-se à zona de balneários e esteve largos minutos reunido com o treinador. A histórica equipa da Linha foi nesta jornada ultrapassada por Riba d'Ave (venceram no Pico por 2-4) e viu o Tomar destacar-se (vitória na recepção à Juventude de Viana por 5-2), saltando os nabantinos para o sétimo lugar.

Paulo Garrido

O Paço de Arcos ocupa a 11ª posição com os mesmos 9 pontos do Candelária, apenas dois pontos acima da linha de água. No primeiro jogo de 2017, o Paço de Arcos desloca-se ao Parque das Tílias, em Riba d'Ave.

Benfica termina o ano isolado

Entretanto, na luta pelo título, o Benfica beneficiou da vitória do FC Porto sobre a Oliveirense por 6-4 para ficar isolado no topo da classificação. Os encarnados venceram em São João por 1-12 e fecham as 10 primeiras jornadas do Nacional e o ano civil só com vitórias e o melhor ataque do campeonato (87 golos). Em 2017, nas três jornadas que ficam a faltar para fechar a primeira volta, defrontam Porto, Oliveirense e Sporting...

Benfica fecha 2016 na frente

Com a vitória conseguida este sábado, o Porto passa a Oliveirense e fecha 2016 invicto, mas com o empate frente ao Sporting a custar-lhe os dois pontos a que se situa do Benfica. A Oliveirense iniciará 2017 em terceiro, a três pontos das águias, e o Sporting - que venceu nesta jornada por 3-7 em Turquel - a oito.

Jogos relacionados

CD Paço de Arcos
0 : 5
10 Dez 18h00
AD Valongo

Provas relacionadas

Campeonato Nacional da I Divisão - Campeonato
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade