Notícia

Vila-Sana faz Poker de Damas argentinas

Jan 17, 2022

O Vila-Sana juntou Julieta Fernandez a Luchi, Vale e Flor para um invejável quarteto de argentinas. A equipa das portuguesas Sandra Coelho e Maria Inês Gaivéu reforça a candidatura à conquista da competitiva OK Liga. #Mercado #OkLigaFem

O Vila-Sana terminou a última edição da OK Liga em 9º, mas tal não impede que "el poble més petit a la màxima categoria d’OK Lliga" ("a localidade mais pequena na categoria máxima da OK LIga"), com menos de 800 habitantes aspire a títulos. Será certamente "el poble" com mais estrelas do Hóquei em Patins feminino "por habitante" e, na semana passada, anunciou mais uma para o plantel dirigido por Lluis Rodero.

Julieta Fernandez é a nova estrela da constelação, regressando à OK Liga depois de ter representado o Gijón, sendo fulcral na conquista da europeia Taça da Liga Feminina na Final Four de Lisboa, em 2018.

Aos 24 anos, Julieta junta-se à irmã Valentina (são também irmãs da ex-Benfica Agustina), de 26, que chegou no defeso do Andes Talleres, e a "Luchi" Agudo, que aos 31 está de regresso à Europa e é uma das figuras maiores da história da modalidade. Todas vice-campeãs do Mundo pela Argentina em 2019.

De fora dessa convocatória, com muita polémica na decisão de Jorge Otiñano, ficaria a emergente Flor Felamini, de 23 anos, chamada por "Luchi" para este Vila-Sana depois de ter sido decisiva nos títulos do Benfica na pretérita temporada, percebendo-se rapidamente que tinha talento a mais para um campeonato português sem competitividade ou reconhecimento.

O potencial do Vila-Sana não se esgota nas suas argentinas e a melhor marcadora da equipa até é uma espanhola, Victoria Porta, uma das (poucas) sobreviventes do projecto anterior. No novo plantel de Rodero há inclusivamente espaço para duas portuguesas. A jovem Maria Inês Gaivéu, apesar dos seus 16 anos, já foi chamada a oito partidas e até já se estreou a marcar na OK Liga, com um golo frente ao Mataró, e a guarda-redes Sandra Coelho, de 22, sempre chamada, vai dividindo a baliza com a também reforço Laia Navarrete. Mas a portuguesa foi titular nas duas partidas (e vitórias) de 2022, uma delas com "clean sheet" (sem golos sofridos) frente ao sempre competitivo Gijón.

Ainda que com outro argumentos, Luchi, Vale, Flor e Julieta serão de facto um "poker de damas" com potencial para bater qualquer "mão" na melhor liga feminina do Mundo, mas, para já, ainda sem Julieta, o Vila-Sana segue em segundo, com 27 pontos em 10 jogos. Vai impressionando pelos golos marcados, com 58, mais 17 que o Telecable (que tem menos um jogo) e mais 18 que o líder Manlleu, na casa de quem registou a única derrota (4-1).

De resto, o Manlleu lidera com 10 vitórias em outros tantos jogos, apostando as vice-campeãs e vencedoras da Taça da Rainha num grupo consolidado às ordens de Jordi Boada. Em terceiro, com um jogo a menos, seguem as campeãs (consagradas sem qualquer derrota) do Palau, que este ano já conquistaram a Supertaça, mas que escorregaram logo na ronda inaugural da OK Liga, perdendo na recepção ao Gijón.

Nas próximas duas semanas, o Palau joga em Vila-Sana (22 de Janeiro) e em Manlleu (1 de Fevereiro) num teste sério - ainda que a decisão seja num sempre imprevisível play-off - à defesa do título.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade