Notícia

Uma volta na Série A italiana

Jan 09, 2016

Fotos: Gabriele Baldi

Em Itália, 2015 viu serem cumpridas 13 jornadas das 26 da primeira fase, que precede o decisivo play-off.

Ao fim da primeira volta, o campeão Forte dei Marmi e o detentor da Coppa, Breganze, lideram a par com 28 pontos, seguidos a apenas um ponto pelo Matera, do treinador português Nuno Resende.

O Forte dos espanhóis Cancela, Torner e Gil, que defende o título, é um dos líderes

A oito pontos está o Follonica, que tem o Monza no seu encalço, a apenas três de distância. Mas os escassos oito pontos de diferença para a liderança significam para a equipa de Marinho “apenas” o oitavo lugar… “O campeonato italiano é, como eu esperava, um dos mais competitivos do mundo”, constata o internacional moçambicano. “Este ano tem demonstrado isso, não só pelos jogos equilibrados mas também pela própria classificação, com os oito primeiros separados por apenas oito pontos”, reflecte.

O Matera de Nuno Resende está apenas um ponto dos líderes

As surpresas têm sido recorrentes. Por exemplo, o Forte tem o melhor ataque (72 golos) mas já somou três derrotas. Já o Breganze, ainda com a herança táctica de Cabestany, tem a segunda melhor defesa, com 30 sofridos. Melhor, só o Matera de Nuno Resende, que consentiu só 27 golos.

O equilíbrio promete continuar a ser nota dominante e para Marinho o factor casa é determinante. “Todas as equipas em casa, perante os seus ‘tiffosi’, são difíceis de vencer. Não existem vitórias certas neste campeonato”, reforça.

Lucas Martinez, abono de família do Monza, está destacado na lista dos melhores marcadores

Marinho é o terceiro melhor marcador do Campeonato Italiano com 21 golos, “prejudicados” por um golo (mal) atribuído a um colega logo na primeira jornada. À sua frente, outros dois estrangeiros: o argentino Lucas Martinez (31) e o espanhol Jepi Selva (22). “A nível pessoal tem estado a correr muito bem”, conta-nos. “Adaptei-me bem ao estilo de jogo e ao país”, diz satisfeito.

A recta final de 2015 fica marcada pela descoberta de um problema cardíaco do histórico Mirko Bertolucci. O jogador que passou pelo Óquei de Barcelos vai ser operado e, para já, perde o resto da época.

O cinco ideal

Desafiado a escolher um cinco ideal do que já foi jogado até agora – e “proibido” pelo HóqueiPT de escolher qualquer jogador do Follonica, incluindo o próprio – Marinho, destaca o guarda-redes Leo Barozzi, os defesas Jepi Selva e Gerard Teixido e os avançados Pedro Gil e Lucas Martinez. E justifica as suas escolhas.

Leonardo Barozzi (CGC Viareggio) - “O Barozzi é um dos melhores guarda-redes italianos, e esquerdino, que é mais dificil para nós atacantes. Defende muito e ajuda o Viareggio a conquistar pontos preciosos”;

Jepi Selva (CGC Viareggio) – “Chegou este ano e conseguiu enquadrar-se bem no hóquei italiano. É um dos motores da equipa do Viareggio”;

Jepi Selva, tal como Marinho, é um caso de sucesso na adaptação ao hóquei italiano

Gerard Teixido (H Breganze) – “Defende muito bem e, para além disso, tem decidido muitos jogos com os seus golos de livres directo”;

Pedro Gil (Forte dei Marmi) - “É um dos melhores jogadores do mundo e quando está em campo transforma a equipa do Forte, que não consegue jogar sem ele”;

Lucas Martinez (HRC Monza) - “Avançado argentino do Monza, está a minha frente nos melhores marcadores. O Monza resume-se a ele”.

Aspirações

Decorrida praticamente meia temporada, o Follonica ainda está na corrida a todos os objectivos propostos. “Queremos alcançar todos os objectivos traçados no inicio da temporada”, refere, detalhando. “O apuramento para a Coppa Itália já foi conseguido e, agora que lá estamos, vamos tentar chegar a final”, aponta.

A “Coppa” é disputada em Final-8 entre 25 e 28 de Fevereiro e têm presença garantida os oito primeiros da classificação no fim da primeira volta do campeonato. Nos quartos-de-final, o Follonica irá defrontar o Breganze.

Marinho tem brilhado no Follonica

“Na série A, terminar a primeira fase nos oito primeiros para conseguir o playoff é um dos objectivos da equipa”, afirma, sendo ainda mais ambicioso a nível pessoal. “Coloquei como objectivo chegar terminar o campeonato nos quatro quatro primeiros”, confidencia-nos.

A terceira “frente” em que o Follonica está envolvido é a Taça CERS. Aí o objectivo é claro. “Passa claramente por atingir a Final-4 e faltam-nos ainda três finais para conseguirmos isso”, assinala o jogador que quer ser uma mais-valia para o colectivo. “Quero continuar o meu bom trabalho e ajudar a minha equipa com os meus golos”, conclui.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade