Notícia

Parar nas nove e garantir três pontos

Nov 07, 2016

O Benfica começou com uma vitória tangencial a defesa do título de campeão europeu.

No arranque da nova edição da Liga Europeia, o Benfica recebeu no palco da última final o Vic.

No primeiro minuto, ainda com muitos adeptos a procurarem o melhor lugar, Nicolía adiantou os encarnados - que jogaram de preto - no marcador. Mas, no segundo minuto, estariam os mesmos adeptos já com lugar escolhido mas ainda tirar os casacos, Mia Ordeig restabeleceu a igualdade.

Valter Neves fez o 3-1 no arranque da segunda parte

A partida da Luz entre Benfica e Vic foi equilibrada, com as águias mais autoritárias na primeira metade, necessariamente comedidas na segunda.

O Benfica chegaria ao intervalo a vencer por 2-1, com um golo de João Rodrigues a três minutos do intervalo a desequilibrar. A vantagem era escassa para o ascendente encarnado e, no reatamento, Valter Neves deu mais justiça ao marcador com o 3-1 aos seis minutos.

Numa equipa com muita juventude, destaque para Sergi Llorca, finalista no Europeu de Sub-20 há uma semana.

Mas a resposta do Vic não tardaria. Um minuto volvido, e a mais de 18 minutos do final, Cristian Rodriguez repunha a diferença mínima, relançando o jogo. E, com tanto tempo para jogar e o Benfica com nove faltas (que já vinham da primeira parte), o jogo foi de sacrifício para o habitual jogo encarnado.

Guillem Trabal segurou a vantagem numa grande segunda parte

Ainda que quase sempre a controlar bem a bola, as águias eram "macias" a defender e não foram raras as vezes que Guillem Trabal teve pela frente um "vigatan" isolado. O guarda-redes catalão, nascido em Voltregà, localidade rival da região de Osona, defendeu tudo o que havia para defender, mesmo uma grande penalidade de Romà Bancells já nos quatro minutos finais, segurando três pontos preciosos num grupo onde a corrida é a três.

Pujalte incrédulo com o não assinalar da 10ª falta

No final da partida, na pista junto da piscina por força da preparação do jogo de andebol entre Portugal e Eslovénia, Pedro Nunes sublinhou o valor do adversário e do próprio grupo, que conta ainda com os italianos do Lodi onde o técnico português destaca vários vice (2016) e campeões (2014) da Europa.

Em jeito de antevisão, lançou a partida de quarta-feira com o Turquel.

Ferran Pujalte não se conformava com toda uma segunda parte sem faltas para os encarnados, referindo mesmo que este será um bom caso de estudo para as entidades europeias. No entanto, o treinador catalão não perde a esperança do apuramento num grupo que prevê equilibrado e em que será muito difícil para os adversários jogarem na Luz, Vic ou Lodi.

A olhar para os quartos

Também para o grupo A, o Lodi recebeu e venceu o Diessbach por 8-3, assumindo o comando do grupo. Na próxima jornada, a equipa italiana orientada por Nuno Resende desloca-se a Vic, enquanto os suíços - cuja baliza é guardada por Carlos Silva - recebem o Benfica.

As contas finais do grupo A vão cruzar com as do grupo D, onde Liceo e Oliveirense assumem claro favoritismo. Os galegos venceram o Breganze por 5-2, enquanto a Oliveirense, pese até ter estado a perder já na segunda parte, derrotou o La Vendéenne por 4-2.

Provas relacionadas

Liga Europeia - Fase de grupos
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade