Europeu '14

Sénica e Jorge Silva destacaram coesão

Jul 18, 2014

No final do jogo que opôs Portugal à Espanha, Luís Sénica era naturalmente um seleccionador satisfeito. “Portugal cresceu mais um pouco neste trajecto e continua o seu percurso rumo ao objectivo que é vencer”, afirmou, mantendo o discurso cauteloso e de passo-a-passo. “O importante é que Portugal ganhe os seus jogos nem que ganhe por 1-0”, reforçou.

A desvantagem de dois golos no marcador mostrou uma equipa pronta para todas as eventualidades. “A equipa reagiu no momento em que sofremos o segundo e, depois, o terceiro golo. Foi emocionalmente forte e a equipa uniu-se e transformou-se”, congratulou-se.

Sobre o adversário que já na véspera esteve quase a surpreender a Itália, Luís Sénica reconhece-lhe valor. “Esta Alemanha tem mais condições do que a Suíça. E hoje tivemos uma Alemanha que, por força dos dois golos que marcou, acreditou que podia ganhar a Portugal”, analisou. E a atitude dos germânicos, sempre em busca da vitória e a não se fechar em demasia, agradou ao seleccionador nacional. “Obrigado à Alemanha por isso”, disse, concluindo a sua análise.

A coesão do grupo foi destaque na conferência de imprensa.

Jogando praticamente toda a primeira parte com os três jogadores do Benfica e Luís Viana e toda a segunda com os três jogadores do Porto e Gonçalo Alves, Luís Sénica refutou a teoria de ter duas equipas. “Não tenho duas equipas. Tenho um grupo unido e coeso, com muita vontade e disponibilidade e que tem feito um trabalho muito interessante”, sublinhou, elogiando os seus jogadores. “Estes jogadores estão muito desgastados. Eu sei que os outros também mas estes disputam um campeonato nacional muito exigente, e têm estado aqui muito frescos”, enalteceu.

Jorge Silva, que esteve em destaque ao apontar quatro golos, relativizou os golos em prol da vitória. “Não entrámos preocupados com a goleada”, referiu. “Depois de levarmos o safanão do segundo e do terceiro golo a equipa uniu-se rumo ao nosso grande objectivo”, exaltou.

Também para o atacante português, os dois golos germânicos que marcaram o início da partida só serviram para mostrar a coesão do grupo. “Sofrer dois golos pode acontecer com qualquer equipa e mostrámos que isso não nos afectou”, destacou. Sobre o seu pecúlio, Jorge Silva deixou um desejo. “Se hoje foi bom que amanhã seja ainda melhor”, ambicionou.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade