Notícia

Experiência fala mais alto

Mar 20, 2017

Quando Valongo e Oliveirense se encontraram para o Campeonato, a equipa de Miguel Viterbo disparou para uma vantagem de quatro golos que obrigou a Oliveirense a uma recuperação épica, ainda que pontuada de algumas decisões da equipa de arbitragem que mereceram críticas veementes dos da casa.

Para os 16-avos-de-final da Taça a história foi diferente.

João Souto inaugurou o marcador numa "casa" onde já foi muito feliz: foi um dos campeões nacionais pelo Valongo em 2014

A Oliveirense não permitiu veleidades e aos oito minutos vencia por três golos. João Souto inaugurou o marcador aos cinco minutos, Pedro Moreira ampliou aos seis e Jordi Bargalló fez o terceiro. A equipa de Valongo falhava defensivamente e o guarda-redes Pedro Freitas - no lugar do habitual titular Leonardo Pais - era vítima dos adversários, determinados em não passar pelo "sofrimento" do jogo do campeonato.

Com o passar dos minutos - e a vantagem adquirida - a Oliveirense perdeu algum do fulgor inicial e permitiu que a jovem equipa do Valongo acertasse marcações e crescesse. A meio da primeira parte, João Almeida saiu em contra-ataque e o pavilhão levantou-se e antecipação do que seria o primeiro dos anfitriões em busca da reviravolta.

Pedro Freitas foi o dono da baliza do Valongo na Taça

O golo de Almeida e os entusiastas adeptos deram ainda mais ânimo a um Valongo que nunca baixou os braços e, a dois minutos do descanso, Luís Melo reduziu para a diferença mínima.

Estava definitivamente relançada a partida, mas a experiência da Oliveirense voltaria a dar cartas na segunda parte. Apesar de permitir que os jogadores de Miguel Viterbo voassem nas asas do seu inconformismo, os pupilos de Tó Neves nunca pareceram perder o controlo do jogo. Aos sete minutos, Pedro Moreira repunha dois golos de vantagem e, um minuto volvido, João Souto esteve perto de matar a eliminatória, mas Pedro Freitas - a protagonizar uma excelente exibição depois dos seus colegas acertarem defensivamente a meio da primeira parte - negou-lhe o golo de livre directo.

Ricardo Barreiros, um dos expoentes da experiência e qualidade da Oliveirense, apontou o 3-5 gerido até final

O Valongo sobreviveria ao "underplay" (o livre directo fora na sequência de azul ao capitão Ruben Pereira) com distinção. Com menos um, forçou a 10ª falta adversária e João Almeida voltou a colocar o marcador na diferença mínima. Mas não durou...

Já com a igualdade numérica em pista reposta, os mais experientes da Oliveirense voltaram a cavar a distância de dois golos que lhes é suficiente como tranquilidade. Ricardo Barreiros fez o 3-5 a largos 14 minutos do final e só nos derradeiros segundos do jogo é que o Valongo voltaria a conseguir marcar, com João Almeida a fazer - novamente de livre directo - o 4-5 final.

Hat-trick de João Almeida foi inglório

No final da partida, Miguel Viterbo apontou os primeiros minutos como determinantes, com uma entrada com demasiado receio a obrigar o Valongo a perseguir o resultado. Enaltecendo a garra da sua equipa, o técnico pensa já na deslocação a Viana, com o objectivo que frisa ter de estar sempre presente: vencer.

Tó Neves frisou a importância da Oliveirense estar sempre na frente do marcador, controlando os acontecimentos ao longo de quase toda a partida. A equipa de Oliveira de Azeméis está na discussão de todas as provas - Liga Europeia, Campeonato Nacional e Taça de Portugal - e o treinador atribui o mérito aos seus jogadores.

"Chicotada" sem efeito

Entre os outros encontros dos 16-avos-de-final da Taça de Portugal, os holofotes apontavam naturalmente ao Dragão Caixa, onde Paulo Freitas fazia a sua estreia no comando técnico leonino escassos quatro dias depois de ter ministrado o primeiro treino.

O Porto adiantou-se cedo no marcador, chegou a uma vantagem de três golos e, com as ilações da partida frente ao Reus ainda bem frescas na memória, segurou a vantagem.

O resultado final de 8-3 dita o afastamento do Sporting da prova e fica como a derrota mais pesada da temporada, superando o adverso 7-3 do jogo frente ao Óquei de Barcelos, na altura liderado pelo agora técnico leonino, Paulo Freitas.

Juventude Salesiana foi protagonista maior na festa da Taça

Ao Porto, detentor do troféu, junta-se também nos "oitavos" o finalista da última edição da prova. O Benfica sofreu para vencer em Turquel, garantindo a vitória apenas no "golo de ouro", depois de um empate a três no fim do tempo regulamentar.

Na prova que é de festa, destaque maior para a proeza da Juventude Salesiana, única equipa dos escalões ditos "menores" a bater o pé a um primodivisionário. A equipa da Linha venceu o Valença por 5-3 e marca presença no sorteio que esta tarde se realiza para definir oitavos, quartos, meias e final da prova.

A sorteio estarão Benfica, Candelária, Juventude de Viana, Oliveirense, Óquei de Barcelos, Paço de Arcos, Porto, Riba d'Ave, Sanjoanense e Sporting de Tomar (I Divisão) e Espinho, Física, Juventude Salesiana, Marítimo, Oeiras e Parede (II Divisão).

Jogos relacionados

AD Valongo
4 : 5
18 Mar 18h30
UD Oliveirense

Provas relacionadas

Taça de Portugal - 16-avos-de-final
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade