Notícia

Oliveirense vira jogo, mas empata... e perde liderança

May 28, 2017

A segunda das cinco derradeiras e decisivas jornadas do Nacional da I Divisão terminou com mudança de líder.

Em Oliveira de Azeméis, o líder Oliveirense recebeu, com uma vantagem de dois pontos, o terceiro classificado, Porto.

Perante uma casa cheia, as coisas não começaram nada bem para o (bi)vice-campeão europeu. Logo no primeiro lance do encontro, Ricardo Barreiros não evitou desviar um remate de Hélder Nunes para o fundo das redes de Puigbi. E, estava cumprido pouco mais de um minuto, quando foi a vez de Bargalló trair o seu guarda-redes. Ainda Nelson Filipe não tinha intervido, já os dragões venciam por 0-2.

Oliveirense virou de 1-4 para 5-4, mas não conseguiu segurar a vantagem

A vantagem do Porto obrigou a Oliveirense a correr atrás do resultado. Ainda que João Souto tenha rapidamente reduzido, a equipa de Tó Neves não encontrava forma de bater o seguro internacional português que defende as redes dos azuis-e-brancos.

Rigoroso a defender, evitando que as sucessivas iniciativas de Bargalló fossem consequentes, o Porto era também eficaz no ataque. Aos 11 minutos, Reinaldo Garcia aproveitou a sobra de um lance de Hélder Nunes para fazer o 1-3 para, três minutos volvidos, ser o próprio Hélder a marcar, elevando para 1-4. Tal como no arranque da partida, a Oliveirense reagiu aos dois golos do Porto. Nuno Araújo acertou com estrondo na barra de livre directo (depois de azul a Baliu), mas - de bola corrida - reduziria mesmo, capitalizando um grande passe de Pedro Moreira.

Faltavam nove minutos para o intervalo, mas - sobrando emoção - não surgiriam mais golos, persistindo o 2-4.

Porto passa a depender de terceiros para chegar ao título

A segunda parte manteve o pendor da primeira. Uma Oliveirense mais atacante, com um Porto expectante, mas muito seguro a defender e perigoso no ataque, valendo Xevi Puigbi para manter os pupilos de Tó Neves na disputa do resultado, depois de, aos cinco minutos, Jordi Bargalló ter reduzido para a diferença mínima.

O ascendente territorial da Oliveirense haveria de dar frutos já nos nove minutos finais, quando a intensa partida ganhou ainda mais intensidade.

Pedro Moreira fez o 4-4, no que era uma assistência para o coração da área, mas acabou por surpreender Nélson Filipe. Pouco depois, Pablo Cancela, de livre directo (10ª falta dos dragões) deu a primeira vantagem à Oliveirense, consumando uma reviravolta de 1-4 para 5-4, no que poderia ser um duro e fatal golpe no ânimo dos pupilos de Cabestany.

Mas o Porto reagiu. Reinaldo Garcia, o mais experiente, disparou para o 5-5. E de bola parada, com Jordi Bargalló de grande penalidade e Hélder Nunes de livre directo, o resultado passou para 6-6, faltavam jogar cerca de seis minutos.

Oliveirense e Porto perdem Jorge Silva e João Souto (pelo menos) para os compromissos do próximo fim-de-semana com, respectivamente, Sporting e Benfica.

De repetente, as equipas ficaram mais cautelosas e começaram a jogar mais pela certa, sem se precipitarem. Até que, a dois minutos do fim, o "caldo" se entornou... Jorge Silva e João Souto viram o vermelho directo, e Reinaldo Garcia e Jordi Bargalló, que jogaram juntos no Liceo, saíram juntos com um azul para cada. A confusão instalou-se fora de pista com a ida para o balneário dos portugueses que receberam ordem de expulsão, sobrando poucos jogadores em rinque... De regresso ao jogo, com tudo mais calmo, faltaram forças - de um e outro lado - para voltar a alterar o marcador.

Benfica na liderança

Na Luz, o Benfica aproveitou o empate entre os seus adversários directos em Oliveira de Azeméis e, com os três pontos somados, regressou à liderança do Campeonato, depois de a ter perdido no fecho da 17ª jornada quando empatou a sete com a Juventude de Viana.

Os encarnados receberam o lanterna-vermelha Sanjoanense e adiantaram-se no marcador aos sete minutos. Paulatinamente foram dilatando o marcador e ao intervalo já venciam por 6-1, utilizando todos os jogadores de pista disponíveis. Sete, dadas as lesões de Tiago Rafael e João Sardo, sendo chamado Gonçalo Pinto.

O Benfica conta agora 62 pontos. Segue-se a Oliveirense com 61 e o Porto com 59.

No reatamento, a Sanjoanense marcou primeiro, mas o Benfica teve sempre o jogo controlado, fechando a partida no 9-4 final. Destaque - numa partida que teve sete azuis -, para os quatro golos de Jordi Adroher e três de Diogo Rafael nas águias e para o bis de Hugo Santos, que ainda tem idade de Sub-17, pela Sanjoanense.

Candelária sobe à tona

Na outra "grande guerra" do Nacional, no fundo da classificação, o Candelária foi o grande vencedor da jornada. Os picarotos deslocaram-se a Riba d'Ave e foram os único a vencer entre as equipas da segunda metade da tabela, passando a somar 17 pontos, tantos como o seu adversário desta 23ª jornada. O Candelária tinha perdido por 2-4 na recepção ao Riba d'Ave e "retribuiu" agora no Minho, com um 3-5. A vantagem é na diferença de golos, com um saldo entre marcados e sofridos de -40 para o Candelária e -63 para a equipa minhota.

Abaixo das duas equipas continuam Valença (15 pontos) e Sanjoanense (11), enquanto acima estão Paço de Arcos (19) e Turquel (20). O Tomar, com 26 pontos, está virtualmente fora de perigo.

Provas relacionadas

Campeonato Nacional da I Divisão - Campeonato
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade