Notícia

A terceira dinastia

Jun 02, 2017

Foto de capa: Sport Lisboa e Benfica

Terminou no passado domingo o Campeonato Nacional de Seniores Femininos. O desfecho foi, como a maioria prognosticava, o mesmo das últimas quatro edições...

O Benfica já tinha garantido o título na 12ª das 14 jornadas da fase final do Campeonato, ao vencer o Turquel por 7-2, mas não "levantou o pé". As águias venceram os dois jogos que restavam e terminaram a prova com 23 vitórias em 24 jogos.

Este fim-de-semana, o Benfica procura o quarto triplete (Supertaça, Campeonato e Taça) consecutivo.

Depois de um percurso imaculado em 2015/16, a primeira "nódoa" apareceu logo à segunda jornada da primeira fase desta época, com as encarnadas a empatarem em casa, a duas bolas, com a Stuart. Mas foi a primeira e única. As pupilas de Paulo Almeida, treinador de todo o "penta", venceriam os vinte e dois jogos seguintes, oito ainda na Zona Sul e todos os 14 na fase final. Marlene Sousa sagrou-se melhor marcadora com 63 golos, bem secundada por Rita Lopes, com 42. As mais próximas das duas "matadoras" encarnadas foram Maria Sofia Silva e Catarina Costa, ambas do Carvalhos, com 32 tentos cada.

História de sucesso

A caminhada das águias nestas cinco épocas de existência é pouco menos do que impressionante. Entre acusações de açambarcar todos os principais talentos do panorama feminino, o Benfica soma 128 jogos de Campeonato Nacional, vencendo 114 (89.1% do total), empatando 10 e perdendo apenas quatro.

As quatro derrotas aconteceram todas na época de estreia (2012/13), duas na primeira fase - com Turquel (3-4) e Académica (0-5), ambos na Luz - e outras duas na fase final - com Turquel (2-1) e Lobinhos (7-2), ambos fora. Mas tal não impediu que as encarnadas celebrassem logo na estreia o primeiro de uma mão cheia de campeonatos. Um percurso pautado por vitórias e pautado por golos. Em cinco temporadas, a equipa feminina do Benfica tem um média de mais de sete golos marcados por jogo, e terminou 2016/17 a três de alcançar os 900 golos para o Campeonato...

O Benfica não perde para o Campeonato Nacional desde 23 de Junho de 2013.

O domínio encarnado estende-se para além da principal competição nacional. As encarnadas não podiam marcar presença na Supertaça que marcou o arranque da competição em 2012/13, mas depois disso só deixaram escapar uma Taça de Portugal. São 12 conquistas em 13 possíveis entre Supertaça, Campeonato e Taça de Portugal, podendo ser estendida já este fim-de-semana. O Benfica marcará presença na Final Four da Taça de Portugal feminina - que se irá realizar em Almeirim -, defrontando a Sanjoanense nas meias-finais.

A terceira dinastia

As águias tentam este fim-de-semana, depois do penta no Campeonato, o tetra na Taça. Algo que nas 26 edições do Campeonato e 24 da Taça já aconteceu em duas ocasiões, pelas duas primeiras dinastias dominadoras do Hóquei em Patins feminino nacional, que conseguiram ainda melhor do que as águias.

Entre 2000 e 2005, mandou o Centro Desportivo Nortecoope. Depois de cinco temporadas a fazer a dobradinha, a equipa maiata desmembrou-se. Aproveitou a "vizinha" Fundação Nortecoope, que repetiu o quintúplo feito da sua antecessora.

Para além das conquistas nacionais, o Benfica venceu também a Liga Europeia, em 2015. Este ano chegou à Final Four, mas caiu nas meias-finais.

Antes dos 10 títulos maiatos, Carvalhos, Amadora e Alfena (todos por duas vezes) e Vila Boa do Bispo, Oeiras e Sintra também já se tinham sagrado campeões nacionais de seniores femininos, numa prova que era marcada pelo equilíbrio. Depois das duas equipas da Nortecoope darem cartas, Lobinhos e Turquel foram os últimos a levantar o título até à chegada do Benfica.

A Supertaça, em Outubro último, foi o 11º troféu nacional das encarnadas

Os nomes do penta

Ao longo das cinco temporadas do penta, a equipa feminina do Benfica esteve sempre às ordens de Paulo Almeida. Já em pista, existiram várias alterações no grupo de trabalho.

Paulo Almeida utilizou 26 jogadoras, sendo que destas apenas Ana Arsénio e a guarda-redes Maria Celeste Vieira estiveram em todos os campeonatos conquistados pelas águias. Em quatro conquistas, registaram o seu nome as gémeas Rita e Rute Lopes, Raquel Abreu (que esteve na época de estreia, mas "falhou" 2015/16) e Inês Vieira.

Maria Celeste Vieira e Ana Arsénio são as totalistas

Marta Vieira, Andreia Dâmaso e Sofia Cabrita - todas presentes no primeiro ano do projecto - e Marlene Sousa contam três títulos, enquanto Rita Luz, Sandra Bento e a chilena Macarena Ramos - todas chegadas em 2015 - somam dois.

Ana Coelho, Ana Santos, Andreia Leal, Bárbara Andrade, Filipa Alcaide, Liliana Martinha, Margarida Alves, Margarida Caldeirinha, Margarida Florêncio, Raquel Rodrigues, Sandra Silva, Sofia Vicente e Sónia Silva, todas com um título conquistado, completam a lista de jogadores que contribuíram para o penta encarnado.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade