Notícia

A dois passos da Final Four

Feb 17, 2018

A Final Four da Taça CERS está a duas mãos de distância e há quatro equipas portuguesas para três lugares. Entre Viana e Barcelos decide-se um dos apurados, enquanto Tomar e Turquel têm missões complicadas para chegarem à fase decisiva da prova.

A primeira mão é este sábado, estando a segunda agendada para 10 de Março. A Final Four joga-se a 28 e 29 de Abril.

Juventude de Viana ou Óquei de Barcelos?

Do Minho sairá um representante português para a Final Four da Taça CERS. Quis o sorteio que Juventude de Viana e Óquei de Barcelos não tivessem de fazer muitos quilómetros nesta eliminatória, mas os dois duelos prometem.

A Juventude de Viana continua a contas com as lesões de Emanuel Garcia e Francisco Silva e André Azevedo é carta fora do baralho para o resto da temporada. Nos "galos", ausência certa é a do asturiano Juan José Lopez, castigado com duas partidas pelo Comité Europeu. No entanto, não faltam trunfos a Renato Garrido e Paulo Pereira.

Das equipas em prova, só o Óquei de Barcelos (três vezes) e o Voltregà (uma) ergueram o troféu. Para além destes, só o Breganze chegou à final.

O Óquei de Barcelos tem um percurso épico nas últimas temporadas e ambiciona chegar a uma quarta Final Four consecutiva, tendo saído vencedor nas duas últimas. Contrasta este percurso com a ambição da Juventude de Viana, que nas duas últimas temporadas ficou pelos "oitavos", vítima dos catalães do Vilafranca.

No Campeonato Nacional, as duas equipas minhotas seguem praticamente a par, com o Barcelos em sexto e o Viana em sétimo, separados por apenas dois pontos, e já se defrontaram em Monserrate. Há menos de um mês, a Juventude de Viana levou a melhor, mas pela diferença mínima. Os pupilos de Garrido venceram por 3-2.

A partida da primeira mão contará com transmissão do Canal TIVC.

Canal TIVC

Correggio ou Voltregà?

O único embate dos quartos-de-final que não conta com equipas portuguesas é italo-catalão.

Correggio e Voltregà medirão forças numa eliminatória em que os catalães, oitavo da OK Liga, partem com favoritismo frente ao actual penúltimo classificado da Legahockey que, internamente, vem de 10 derrotas consecutivas...

O Voltregà tem outros argumentos, outra história e, salvo uma enorme surpresa, marcará presença na Final Four, defrontando a equipa minhota que sair vencedora da eliminatória entre Juventude de Viana e Óquei de Barcelos.

A confirmar o seu favoritismo, o Voltregà defrontará na Final Four o vencedor do dérbi minhoto a duas mãos, entre Viana e Barcelos.

Lleida ou Tomar?

O Tomar regressou em 2016 à I Divisão e, contrariando a sina do "sobe-e-desce", protagonizou uma temporada que o levou cedo a um lugar confortável no Campeonato e à final da Taça de Portugal. Esta temporada, o regresso é Europeu, 20 anos depois.

Na última vez que o Tomar jogara a Taça CERS, em 1998, chegou às meias-finais, e ambiciona repetir o feito, havendo já rumores de que, garantido o apuramento, poderá avançar com uma candidatura à organização da fase decisiva da prova. Mas o actual oitavo classificado do Campeonato Nacional não terá tarefa nada fácil...

Entre as três grandes potencias, a Taça CERS é a prova europeia com a galeria de vencedores mais equilibrada. As equipas espanholas vencerem por 15 vezes, as portuguesas 12 e as italianas 10.

Nesta primeira mão, na Catalunha, espera os nabantinos um Lleida que tem protagonizado uma OK Liga impressionante, seguindo em sexto, a apenas três pontos do quarto lugar, que vale uma vaga na Liga Europeia. A equipa catalã conta, entre outros, com os "outros" Di Benedetto (Roberto e Bruno, irmãos do mais mediático Carlo, do Liceo), o experiente "Xixi" Creus ou o fantasista argentino Dario Gimenez... E, em Lleida, depois de se ter organizado a Final Four da Liga Europeia em Maio último (numa organização conjunta com o FC Barcelona), já se fala do regresso de uma Final Four à cidade.

Turquel ou Breganze?

Turquel tem um sonho de estar presente numa Final Four que tem falhado concretização por muito pouco nos últimos anos. Em 2014, quando ia receber a fase decisiva da Taça de Portugal na Aldeia do Hóquei foi surpreendido em Alenquer. O ano passado, para a CERS, caiu, também nos quartos-de-final, no "golo de ouro" depois de dois empates a duas bolas com os italianos do Sarzana.

Em 2014, o Breganze esteve na final da Taça CERS e, em 2015, sob o comando de Guillem Cabestany, na Final Four da Liga Europeia.

Esta temporada, o último adversário antes da Final Four volta a ser italiano, e ainda mais temível. O Breganze segue em terceiro na Legahockey, apenas atrás de Lodi e Forte dei Marmi, tendo galgado duas posições desde que Diego Mir chegou ao comando técnico de uma equipa que conta, por exemplo, com Mattia Cocco, Franco Platero, a estrela italo-argentina Federico Ambrosio ou o bem conhecido Cacau.

O técnico argentino chegou aos "rossoneri" no início de Janeiro, tendo já prolongado o seu contrato - com pouco mais de um mês de trabalho - até 2020. E não será caso para menos. Sob o comando de Mir, o Breganze ainda só venceu, somando sete triunfos consecutivos no principal campeonato italiano, algo que nem Lodi, nem Forte lograram esta temporada.

Vencedor da eliminatória entre Turquel e Breganze defrontará nas meias-finais o vencedor do embate entre Lleida e Tomar.

O efeito da mudança de treinador foi positivo em Breganze, e em Turquel espera-se o mesmo. Esta semana foi anunciada a decisão de Jorge Godinho abandonar o comando técnico, sendo "chamado" Nelson Lourenço para orientar um Turquel que é 10º no Campeonato Nacional, quatro pontos acima da linha de água, e que há uma semana sofreu uma derrota pesada em Riba d'Ave, que ditaria o afastamento da Taça de Portugal. Com pouco tempo de trabalho do novo técnico, conseguirá o Turquel surpreender a valorosa equipa italiana, uma das principais candidatas à vitória na prova?

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade