Notícia

O 'poker' de Poka, num jogo frenético

Feb 27, 2018

A 17ª jornada colocou frente-a-frente duas equipas em ciclos vitoriosos no Campeonato. O Paço de Arcos vinha de duas vitórias que lhe tinham permitido respirar longe da linha de água, enquanto o Valongo somava já cinco triunfos consecutivos, ficando a morder os "calcanhares" dos quatro primeiros, a dois pontos da Oliveirense.

Diogo Rodrigues protagonizou uma excelente exibição

Estava prometido um grande espectáculo e os adeptos que se deslocaram ao pavilhão do Paço de Arcos não saíram desiludidos, testemunhando um jogo aberto, emotivo, de ataque e contra-ataque constante, com os guarda-redes Diogo Rodrigues e Leonardo Pais a não poderem baixar a guarda em momento algum. Tão emotivo para os adeptos, como desesperante para os treinadores...

Poka inaugura, em queda, o marcador

Aos sete minutos, Daniel Oliveira ("Poka") inaugurou na recarga a uma grande penalidade o marcador, num jogo em que a eficácia do falado reforço do Porto foi determinante. O Paço de Arcos empatou dois minutos depois, com uma mão "marota" de Nelson Ribeiro, que se mostra agora enfim recuperado de uma arreliadora lesão, sendo claro reforço da equipa de Luís Duarte, que esta época tem sofrido com sucessivos impedimentos. E a equipa da Linha passaria mesmo para a frente, com o 26º golo de Gonçalo Nunes no campeonato.

Diogo Fernandes virou o resultado no arranque da etapa complementar

Os ataques rápidos de parte-a-parte estão longe de ser habitat privilegiado para o goleador do Paço de Arcos armar a sua temível meia distância e o protagonismo era de Diogo Rodrigues, que conseguiu segurar a vantagem até perto do intervalo. Mas, novamente de grande penalidade, Poka fez o 2-2 a um minuto do descanso.

O Valongo recolheu aos balneários a marcar e regressou à pista a marcar. Logo no primeiro minuto da segunda parte, Diogo Fernandes colocou a equipa de Miguel Viterbo novamente na frente do marcador. E, quando, aos 15 minutos, Poka fez o 2-4 em superioridade numérica por azul a Nelson Ribeiro, tudo parecia definido.

Regresso de Nelson Ribeiro alarga o leque de opções de Luís Duarte

No entanto, apesar dos problemas físicos com que se tem debatido e do ritmo a que o jogo prosseguia, o Paço de Arcos mostrou uma disponibilidade surpreendente. Sob a batuta de Rui Pereira - num bom momento - e do inevitável André Centeno, a equipa de Luís Duarte relançou o jogo. Com dois golos em minuto e meio - Tiago Losna, de grande penalidade, e André Centeno, em acção individual - a igualdade era restabelecida, e a seis minutos do fim ficava tudo em aberto.

André Centeno fez o 4-4, mas o Paço de Arcos sentiu a sua ausência depois de um azul por protestos

Bola cá, bola lá, o jogo podia cair para qualquer um dos lados, e, quiçá motivado pela recuperação no marcador, o Paço de Arcos até era a equipa mais perigosa, mas esbarrava na imensa tranquilidade e segurança de Leonardo Pais.

O jogo seria decidido em três actos a três minutos do fim. Décima falta do Paço de Arcos, azul a André Centeno por protestos e golo de livre directo de Poka. Poka fazia o 4-5 com o seu quarto golo na partida, um poker de Poka que o leva para o top 3 dos melhores marcadores da prova. Sem André Centeno, a gazua do jogo , o Paço de Arcos bem tentou, mas não conseguiria voltar a marcar.

Tremendamente eficaz, Poka assinou três golos - num total de quatro - em lances de bola parada

No final do jogo, Luís Duarte reconheceu um Paço de Arcos num momento "muito melhor" do que já viveu esta temporada, mas - apontando um empate como o resultado que seria mais justo - mostrou-se esperançoso num futuro em que ainda se possa ver a sua equipa mais efectiva.

Apesar da vitória, Miguel Viterbo não estava nada satisfeito com a exibição da sua equipa. O jogo nunca esteve controlado (por qualquer das equipas) e o técnico frisou que a sua equipa "não esteve nada bem", naquele que terá sido possivelmente o "pior jogo da época", em particular depois de alguma falta de eficácia na primeira parte que poderia ter dado outra tranquilidade.

Em linha com o seu treinador, Poka reconheceu uma exibição menos conseguida da equipa, mas congratulou-se com os três pontos conquistados na antecâmara de um jogo difícil - com o Benfica - que marca o início de um ciclo em que o Valongo defronta os três primeiros em jornadas consecutivas.

O Valongo é quinto, a dois pontos do quarto lugar (Oliveirense) e cinco pontos à frente do sexto, o Óquei de Barcelos. O Paço de Arcos é nono, a distantes sete pontos do oitavo - o Tomar, que venceu nesta ronda - e com Valença (menos um ponto) e Turquel (menos dois) à perna. Na próxima jornada, a equipa da Linha tem uma deslocação a Braga, num jogo muito importante na luta pela manutenção. Até porque depois seguem-se os embates contra os cinco primeiros da pretérita temporada.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade