Notícia

Penálti de 'Xixi' vale CERS ao Lleida

Apr 29, 2018

O Lleida conquistou a primeira Taça CERS da sua história. O clube catalão, que completou 67 anos no início do mês, destronou na final o Óquei de Barcelos, com uma vitória por 2-3, garantida apenas nas grandes penalidades com um golo de "Xixi" Creus.

A partida, arbitrada pelos gauleses Bleuzen (que já apitara o Barcelos na véspera) e Thibaud, começou de forma muito intensa, com o Lleida a tentar assumir o jogo. Mas o Barcelos, a defender dois títulos consecutivos, não se remeteu à defensiva e um remate ao ferro por João Almeida, em contra-ataque, pôs a equipa de Albert Folguera em sentido.

Joca fez o segundo e o Barcelos teve a CERS na mão

A equipa da casa, do "Onze de Setembre" que recorda o Dia Nacional da Catalunha, criava as melhores oportunidades num jogo dividido, mas seria mesmo o Óquei de Barcelos a adiantar-se aos 17 minutos. João Guimarães ("Joca"), num remate praticamente do meio campo, surpreendeu Lluis Tomás. E abalou o ânimo catalão.

A equipa portuguesa galvanizou-se, com o Lleida a acusar a desvantagem. A tal não seriam alheias as horas extra a que a equipa organizadora fora obrigada na véspera, eliminando o Breganze apenas no prolongamento.

Ainda que o Lleida tivesse uma oportunidade de grande penalidade quatro minutos após o reatamento, as operações pareciam controladas - mesmo sem criar grandes oportunidades de golo - pelo Barcelos. E, aos sete minutos, João Almeida num remate cruzado após diagonal, ampliou para 2-0.

Esta terá sido a primeira vez que dois franceses - Bruno e Roberto, nas pontas - terão conquistado uma prova europeia

A resposta veio dois minutos e meio depois, de grande penalidade. Foi talvez a última oportunidade de reacender a chama antes que fosse tarde de mais e o capitão Andreu Tomás não falhou. Reduziu e "soprou vida" nos seus já um pouco cabisbaixos companheiros.

O Lleida tomou conta do jogo e, a nove minutos e meio do fim do tempo regulamentar, Dario Gimenez foi chamado à sua especialidade e não desperdiçou de livre directo, para o 2-2, com dedicatória aos pais. Um minuto volvido depois do livre directo por azul a Hugo Costa, Dario foi chamado a novo livre directo, desta feita pela 10ª falta barcelense, mas não conseguiu voltar a "enganar" Ricardo Silva.

Jordi Creus decidiu nas grandes penalidades aos 36 anos, e conquistou a sua segunda Taça CERS

Sem mais golos, o jogo seguiu para um prolongamento sem qualquer golo, adiando a decisão para as grandes penalidades. Por ordem de "chamada", Marinho, Candanedo, Rúben Sousa, Dario Gimenez, Joca, Andreu Tomás, Juanjo, Roberto Di Benedetto e Zé Pedro não conseguiram bater nem Lluis Tomás, nem Ricardo Silva.

À 10ª grande penalidade, a quinta do Lleida, foi chamado Jordi Creus ("Xixi"), o único jogador da equipa catalã que sabia o que era ganhar uma CERS, depois de ter vencido a prova em 2008, pelo Tenerife. Naquela que foi a primeira edição decidida em Final Four, também houve decisão em grandes penalidades (então frente ao Valdagno, que contava com Carlos Nicolía), e Xixi selou uma vitória inédita e histórica para o Lleida.

A afirmação, 15 anos após a final perdida

O Lleida, orientado por Albert Folguera, venceu a Taça CERS na segunda presença na final. Para chegar à final perdida de 2003, com Guillem Trabal na baliza [ndr: representou o Lleida entre 2002 e 2004], ainda a duas mãos, com o Reus, o Lleida eliminara Walsum, La Vendeenne, Follonica (quartos-de-final) e Bassano ("meias"). Esta época, voltou a "abrir" com os alemães do Walsum, seguindo-se Igualada, Tomar e Breganze.

Pelo meio, o Lleida caiu na Primera Nacional e regressou à OK Liga em 2012. Mais forte e com um projecto consolidado. E está neste momento a seis pontos de uma vaga na Liga Europeia, com um jogo em atraso.

Andreu Tomás recebeu a Taça CERS de "estellada" - símbolo da independência catalã - nas costas

Com este triunfo, o Lleida gorou a ambição do Óquei de Barcelos de se destacar como a equipa mais titulada nesta prova, mantendo-se - com três conquistas - a par de Liceo e Novara. Nesta que foi a 11ª Final Four da prova - que se decide neste formato desde 2008 - houve a quarta festa "em casa". O organizador tinha também vencido em 2012 (Bassano), 2013 (Vendrell) e 2016 (Barcelos).

A Espanha parece querer repor o seu domínio nas competições e, depois da conquista do Reus na Liga Europeia e da Selecção no Mundial, arrecada também a Taça CERS, que fugia desde 2014. Mas, nas 18 edições realizadas neste século, esta conquista do Lleida é a 12ª espanhola, sendo que apenas o Reus logrou "bisar" entre 11 vencedores distintos.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade