Notícia

Quatro duelos ibéricos na CERS

Sep 07, 2014

Só o Candelária "estragou" um duelo ibérico em toda a sua plenitude.

Com cinco equipas portuguesas e outras tantas espanholas entre 32 a sorteio na Taça CERS este sábado, o Candelária foi bafejado pela sorte e irá defrontar na 1ª eliminatória os alemães do Bison Calenberg.

A sorte dos picarotos não se ficou pela 1ª eliminatória. Em caso de (previsível) apuramento, a equipa agora orientada por Hugo Gaidão terá pela frente o vencedor da eliminatória entre os austríacos do Wolfurt e os alemães do Diessbach.

Menos sorte tiveram as restantes equipas lusas a sorteio, todas com viagens curtas até ao país vizinho mas onde o hóquei tem outro nível.

O Sporting, de regresso às lides europeias, defronta o Calafell, estreante nestas andanças. O presidente da secção leonina, Gilberto Borges, estava satisfeito. "O sorteio agradou-me", confessou. "É um regresso às competições europeias, 20 anos depois, e numa competição que vencemos há 30 anos com António Livramento", recordou. "Gostaríamos de oferecer ao nosso ícone este título este ano, embora o começo não vá ser fácil, com uma equipa da Catalunha, mas queremos vencer", afirmou.

Gilberto Borges, presente no sorteio.

No Calafell está, desde 2012, David Arellano. O guarda-redes aponta o Sporting como favorito. "Temos pela frente uma equipa que é uma das favoritas a ganhar o troféu", reconheceu. "Este ano o Sporting fez uma aposta muito forte na modalidade e contratou grandes jogadores além de manter outros de inegável qualidade", analisou mostrando estar bem informado.

"O favorito é a formação leonina, por tradição, orçamento e história", reiterou. "Mas nós temos uma ambição tão grande que ninguém sabe onde podemos chegar. O Calafell respeita o adversário mas não tem medo", alertou. "Esta eliminatória é um prémio pela boa época do ano passado e é a primeira vez na história do clube que participa numa Taça CERS", contou. "E para muitos dos meus colegas também é a sua estreia na Europa", acrescentou.

O vencedor da eliminatória defrontará o Darmstadt do português Micael Barreto ou o Basel de Carlos Silva, Rui Ribeiro, Carlos Guimarães e Tiago Sousa.

David Arellano representou, em Portugal, o Porto Santo, Os Limianos e Valongo. Em 2007 ganhou a Taça CERS ao serviço do Vilanova.

O Óquei de Barcelos terá pela frente o vencedor da última edição da Taça CERS, o Noia, que já este mês disputa a Taça Continental com o Barcelona. Pese a saída de Pau Bargalló e Marc Julià, a equipa de Sant Sadurní não entregará o seu título sem oferecer resistência. O mais forte entre Barcelos e Noia terá uma tarefa bem mais simples nos oitavos de final, defrontando Uttingen ou Cronenberg.

Se ao Barcelos calhou o campeão em título, o Turquel ficou perto, defrontando um dos semifinalistas da edição do ano passado. O Igualada, com o internacional Ton Baliu como capitão, promete ser um difícil obstáculo no caminho dos alvinegros, que o ano passado alcançaram os quartos-de-final. Quem ganhar o duelo terá depois pela frente os italianos do Trissino ou os franceses do Noisy.

A Oliveirense, a par do Réus, é uma das equipas mais fortes e com mais experiência ao mais alto nível (Liga Europeia) em prova, assumindo-se como candidato claro ao título. Na 1ª eliminatória, a equipa agora comandada por Vítor Fortunato, tem pela frente o Cerceda, possivelmente a equipa espanhola mais acessível a sorteio. Os galegos vão disputar nos dias 12 e 13 deste mês o torneio de Valença, no que poderá ser um teste ao valor da equipa onde pontifica Martin Payero. Na ronda seguinte, Oliveirense ou Cerceda terão certamente pela frente os italianos do Viareggio, que nesta eliminatória têm como adversário os austríacos do Dornbirn.

Provas relacionadas

Taça CERS - Pré-Eliminatória
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade