Notícia

Benfica vence Turquel

Oct 23, 2014

Em dia de acerto de calendário – com cinco partidas – o Benfica recebeu e venceu na Luz o Turquel por 5-2. A diferença de três golos no final não espelha a incerteza que houve no resultado. A dois minutos do final, os encarnados venciam apenas pela margem mínima.

O Turquel está habituado a causar calafrios ao Benfica não só em casa mas também na Luz e este jogo da terceira jornada do Nacional da I Divisão não foi excepção. Pese assumir uma postura marcadamente defensiva, a equipa da Aldeia do Hóquei abriria o marcador aos sete minutos, com Paulo Passos a responder da melhor maneira ao segundo poste a um contra-ataque conduzido por Daniel Matias.

Paulo Passos inaugurou o marcador a passe de Daniel Matias

O Benfica atacou muito, rematou muito, mas Marco Barros fez uma grande primeira parte – com um punhado de grandes intervenções, em particular após a entrada de Miguel Rocha – e só foi batido da marca de grande penalidade, por João Rodrigues. No entanto, Xavier Lourenço, também da marca de castigo máximo, respondeu na mesma moeda e marcou o tento que dava vantagem para os alvinegros ao intervalo.

O marcador não sofreu alterações até ao descanso mas espaço também para o guarda-redes campeão da Europa de Sub-20, Edu Leitão, brilhar. Pedro Nunes trocara – sem resultado – Trabal por Pedro Henriques na grande penalidade que deu o 1-2 e João Simões arriscou o mesmo noutras duas que surgiriam. E, nem João Rodrigues, nem Tiago Rafael, lograram bater Edu.

Marco Barros, sempre atento, adiou a vitória encarnada até aos instantes finais

A segunda parte trouxe um Benfica atacante e a colher frutos, virando o resultado em sete minutos. Nicolía e João Rodrigues colocaram os encarnados na frente numa segunda parte em que o Turquel até teve mais oportunidades de golo do que na primeira. E o prémio para os turquelenses até poderia ter chegado a três minutos e meio do final. Depois de largos minutos com nove faltas, a décima dos encarnados levou Xavier Lourenço para a marca de livre directo mas o remate saiu ao ferro.

O livre directo na sequência do azul a João Simões motivou protesto do Turquel. Para os turquelenses, a bola estaria parada, não havendo lugar à marcação de livre directo.

A tranquilidade para os encarnados chegaria pouco depois. Com apenas dois minutos para jogar, João Simões viu o azul por palavras. Se essa decisão de Miguel Guilherme – que reduzia o Turquel a três jogadores de pista – causou polémica, a história ainda não estava toda escrita. Luís Peixoto apontou para a marca de livre directo, alegando que a bola já estava em jogo (se estivesse parada não havia lugar à marcação de livre directo), e levou o desespero ao banco visitante.

Luís Peixoto apontou para a marca de livre directo

Carlos Nicolía é que não foi complacente e fez o 4-2,para pouco depois coroar um jogo muito bem conseguido com uma assistência para o 5-2 por Diogo Rafael.

No final, os treinadores concordavam na superioridade encarnada mas João Simões não continha a sua revolta, pedindo mais comunicação aos árbitros.

O Benfica entrou forte no jogo mas a boa exibição do Marco Barros acabou por adiar a construção da vitória, que só foi conseguida na segunda parte. Tivemos bons períodos de hóquei, tanto na primeira parte como na segunda, mas fomos mais eficazes na segunda do que na primeira no momento de finalizar. O importante é a vitória e estou satisfeito com a prestação de todos os jogadores

Pedro Nunes, treinador do SL Benfica, sobre o jogo

O Nicolía é um criador mas também vive de golos, também gosta de os fazer. De certeza que esta parte final do jogo vem de encontro àquilo que são as expectativas naturais do Nicolía, que são jogar e sentir-se importante para a equipa. Ele sabe que é importante para a equipa mas ainda não tinha dado sinais de que em alguns momentos pode e faz a diferença. Ele está motivado. O jogo com o Barcelona também já lhe correu bem em alguns períodos. E é sempre importante sentir que o seu contributo foi importante na construção e conquista da vitória do Benfica.

Pedro Nunes, treinador do SL Benfica, sobre a boa partida de Nicolía

Diogo Rafael selou a vitória encarnada com assistência de Nicolía

Foi um bom jogo. Na primeira parte, o resultado é injusto para o Benfica. Tiveram mais situações de golo do que propriamente na segunda mas tivemos um grande Marco Barros que tirou quatro ou cinco golos certos e o Benfica acaba por ser um pouco penalizado porque o resultado não é justo.

Na segunda parte, o jogo até foi mais partido. Tivemos algumas situações de golo, que se temos conseguido concretizar o resultado até podia ser outro. Quando chegamos a três minutos do fim com a nona falta, se aquela bola entra, o jogo podia ter tido outra história. Não digo que fosse justo, porque o Benfica assumiu claramente o jogo e foi - e é - a melhor equipa dentro da pista.

João Simões, treinador do HC Turquel, na análise ao jogo

Acho que o jogo está parado. E por isso protestámos o jogo. Se a bola está parada, não há lugar a livre directo. Mas até podemos falar de antes disso. No lance em que sou advertido com cartão azul, tenho a plena consciência de que não ofendi ninguém, não maltratei ninguém e a única frase que disse foi "não passaram cinco segundos". É uma bola que vem do meio campo para o canto e o meu jogador vai tentar bater a bola para lá e o árbitro apita cinco segundos. E a única coisa que disse para o Miguel Guilherme foi "não passaram cinco segundos". E ele virou-se para mim e deu-me azul. Acho que os árbitros portugueses têm de aprender a falar com os agentes do jogo. E eu sou um agente do jogo. Não o maltratei, não o critiquei, dei a minha opinião em relação ao lance e ele podia ter-me respondido "eu acho que passaram" e, pronto, ficava o assunto arrumado. E isto não é uma crítica que eu faça em particular ao Miguel Guilherme ou ao Luís Peixoto - porque são dos melhores árbitros do país, não ponho isso em causa – mas aos árbitros portugueses em geral. Venho agora de uma Taça CERS com árbitros italianos em que nós falamos como falamos aqui. E, desde que haja respeito, isso é bom para o jogo. Aqui em Portugal, parece que os árbitros têm medo de falar com as pessoas. Mas não falam porquê? Se eu faço parte do jogo tal e qual como eles? Acho que a arbitragem portuguesa precisa de evoluir nesse sentido. Eu tenho o direito de falar com eles. Penso eu! Prejudiquei a minha equipa, sei que prejudiquei, mas também tenho a consciência de que não fiz nada para merecer aquilo.

João Simões, treinador do HC Turquel, sobre o discutido lance do azul e livre directo

Com esta vitória, o Benfica integra agora um trio de líderes que contam por vitórias os três jogos disputados e que conta também com Porto e Barcelos. O Porto venceu a Oliveirense por esclarecedores 5-1, enquanto o Barcelos bateu num derby minhoto a Juventude de Viana por 3-4.

No outro extremo da classificação estão Sanjoanense, Tigres e Póvoa. As três equipas que subiram este ano à I Divisão ainda não pontuaram.

Jogos relacionados

SL Benfica
5 : 2
22 Out 21h30
HC Turquel
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade