Notícia

Lopes 'trama' novamente Dominguez e atrasa Benfica

Feb 03, 2019

Foi o segundo embate entre os técnicos Nuno Lopes e Alejandro Dominguez e o português voltou a terminar com mais razões para sorrir.

Em Abril de 2015, Nuno Lopes, então pelo Sporting, e Alejandro Dominguez, então pelo Reus, defrontaram-se na final da Taça CERS, em Igualada. O português venceria no desempate por grandes penalidades, no ponto alto da sua carreira como treinador, enquanto o argentino perdia a oportunidade de deixar a equipa catalã com um título importante.

Desta feita, na 15ª jornada do Campeonato Nacional, Nuno Lopes “estreava-se” pelo Tomar (que orientara antes de rumar ao Sporting) e Alejandro Dominguez procurava recuperar o Benfica de uma derrota caseira com o Sporting que deixou marcas. Para além dos três pontos, os encarnados perderam também Diogo Rafael e Carlos Nicolía por lesão, por tempo indeterminado.

O Benfica adiantou-se aos seis minutos por Valter Neves, mas, perante uma das melhores defensivas do Campeonato (apesar da modesta posição que ocupa), faltaram ideias aos encarnados no ataque, e, mesmo sem João Paulo Candeias, melhor marcador dos nabantinos na prova, a equipa da Cidade dos Templários foi ganhando confiança.

A cerca de dois minutos do intervalo, Miguel Vieira viu o cartão azul. João Sardo tentou o “número de magia” de Font na semana antes, mas não conseguiu bater Pedro Henriques. No entanto, na superioridade numérica, Hernâni Diniz faria mesmo o empate.

A igualdade a um que se registava ao intervalo, perduraria até final. Na segunda parte, as melhores oportunidades foram mesmo para a equipa orientada por Nuno Lopes, mas o Benfica ainda dispôs de um livre directo [10ª falta dos nabantinos] a poucos segundos do fim. Ordoñez desperdiçou e os encarnados ficaram (ainda) mais longe do título.

Oliveirense e Porto vencem

A jornada só fecha este domingo, com o Sporting a receber o Riba d’Ave, mas o Benfica já ficou para trás na corrida ao título. Oliveirense e Porto venceram e deixaram os encarnados a, respectivamente, sete e seis pontos.

A Oliveirense venceu tranquilamente um Paço de Arcos longe do “estado de graça” das últimas partidas, sem que Luís Duarte conseguisse, desta vez, disfarçar as ausências. A equipa de Renato Garrido já vencia por 3-0 ao intervalo, com dois golos de Jorge Silva, que viria a selar o hat-trick com o derradeiro tento na partida.

A segunda parte foi de pesadelo para o Paço de Arcos. Até começou com um golo de Rafa Lourenço, mas depois “descambou” na goleada oliveirense por 9-1, num jogo em que, entre uma dezena de golos, há a relevar que nenhum foi de bola parada. De facto, até só houve uma oportunidade, na 10ª falta da equipa da casa, mas o habitualmente eficaz Tomás Moreira desperdiçou.

O triunfo portista não foi tão simples. Gustavo Lima inaugurou o marcador e, apesar do Porto virar o resultado, Luís Viana faria o 2-2 com que se chegou ao intervalo no Dragão Caixa. Na segunda parte, o Porto destacou-se, mas, confirmando as boas indicações da Luz, a Juventude de Viana reduziu para 4-3 e, depois dos dragões voltarem a “fugir”, voltaria a reduzir para um tangencial 6-5 a quatro minutos do fim, com novo golo de Gustavo Lima.

A minuto e meio do fim, de livre directo depois de azul a Tó Silva, Hélder Nunes “matou” o jogo com o 7-5 final. O capitão azul-e-branco foi o mais certeiro no jogo, com três golos.

Barcelos vence sem sofrer golos

Em Barcelos, o Óquei respira confiança e aproximou-se ainda mais do quarto lugar, ficando agora a quatro pontos do Benfica.

Na recepção ao Valongo, Ruben Sousa inaugurou o marcador de livre directo, numa excepção ao baixo aproveitamento daquela marca – cada equipa desperdiçaria três oportunidades - na partida. Ruben bisou e Hugo Costa fez o 3-0 antes do intervalo. Gonçalo Nunes fez o quarto, já na segunda parte, de grande penalidade.

Braga e Turquel fogem da zona de despromoção

Na luta pela manutenção, Braga e Turquel foram os vencedores da jornada. E vencendo adversários directos nessa mesma luta.

O Braga venceu o Oeiras por 5-1. Ao intervalo, a equipa de Rui Neto vencia com um golo solitário de António Trabulo. O marcador voltaria a funcionar depois de 10 minutos sem golos na segunda parte. Ângelo Fernandes e Pedro Delgado (este a bisar) deram expressão ao resultado e, no último minuto, depois de Ferruccio reduzir, Afonso Lima fixou o resultado final na 10ª falta do Oeiras.

Na Marinha Grande, com Nuno Domingues a estrear-se ao leme da equipa da casa, o filho Gonçalo Domingues deu-lhe uma prenda de boas-vindas, ainda não estava decorridos dois minutos. Mas Vasco Luís e João Souto viraram o resultado ainda na primeira parte.

O Marinhense voltou a marcar muito cedo após o intervalo, pelo chileno Nico Carmona, mas João Souto, na 15ª falta como já acontecera na 10ª, não tremeu da marca de livre directo e fez o 2-3. O “Doutor” desperdiçaria a oportunidade de decidir desde logo o jogo no terceiro livre directo de que dispôs, mas Gonçalo Domingues também não faria melhor e a vantagem tangencial da equipa da Aldeia do Hóquei persistiu até final.

15ª jornada

• Porto 7-5 Juventude de Viana

• Toma 1-1 Benfica

• Braga 5-1 Oeiras

• Marinhense 2-3 Turquel

• Oliveirense 9-1 Paço de Arcos

• Óquei de Barcelos 4-0 Valongo

• Sporting vs Riba d’Ave, 3.Fev, 15h

Classificação

1º Oliveirense (38 pontos), 2º Porto (37), 3º Sporting* (33), 4º Benfica (31), 5º Óquei de Barcelos (27), 6º Riba d’Ave* (20), 7º Juventude de Viana (17), 8º Braga (18), 9º Valongo (15), 10º Turquel (15), 11º Paço de Arcos (14), 12º Tomar (11), 12º Oeiras (10), 14º Marinhense (7)

* com menos um jogo

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade