Notícia

Líderes empatam no outro Clássico

Oct 26, 2014

Se o Clássico entre Sporting e Porto é o destaque da jornada, o clássico deste sábado em Barcelos nada lhe fica a dever. E o encontro entre Óquei de Barcelos e Benfica teve de tudo.

Dois dos líderes do campeonato – a par do Porto – apresentaram-se no Municipal de Barcelos perante uma boa casa e uma Kaos Barcelense de regresso aos bons velhos tempo de apoio à sua equipa. Entrou melhor o Benfica, com Nicolía a inaugurar o marcador com escassos 12 segundos decorridos, bisando a meio da primeira parte.

Carlos Nicolía apontou quatro golos

O Benfica foi quase sempre melhor na primeira parte mas o Barcelos conseguiu levar o jogo para o intervalo com a diferença mínima no marcador, fruto de um golo de João Paulo Candeias com seis minutos e meio para jogar e de uma grande penalidade desperdiçada por Nicolía já nos segundos finais.

A etapa complementar trouxe mais. Mais oportunidades perdidas, mais golos, mais emoção. Mas também momentos desnecessários…

Dentro do rinque, Luís Querido restabeleceu a igualdade para, pouco depois, perder a oportunidade – uma grande penalidade - de colocar o Barcelos pela primeira vez na frente. Adiantou-se mais uma vez o Benfica, num lance confuso junto da baliza barcelense em que, entre Miguel Rocha e Ricardo Silva, terá sido mesmo o guardião a introduzir a bola na baliza. E, depois de mais uma grande penalidade perdida (por Abalos), os encarnados voltaram a ter uma vantagem de dois golos, na conversão do livre directo a castigar a décima falta do Barcelos. Nicolía fazia o terceiro da sua conta pessoal.

A perder por 2-4, Miguel Vieira assinou dois golos que incendiaram o pavilhão

O Óquei, a perder por dois com alguma injustiça, não baixou os braços. O único reforço desta época, o regressado Miguel Vieira, bisou com dois golos que incendiaram o pavilhão. O primeiro levantou algumas escaramuças, com um adepto encarnado que se aventurou contra um mundo barcelense a ter mesmo de receber assistência, mas o segundo obrigou mesmo à interrupção da partida, com os elementos do banco encarnado a entrarem em pista para se afastarem dos adeptos mais exaltados na bancada.

Criado um perímetro de segurança junto do banco encarnado, a partida foi retomada com pouco menos de 10 minutos para jogar. E, empurrado pelo público, o Barcelos passou para a frente a cinco minutos do final, numa grande penalidade concretizada por João Paulo Candeias. A vencerem pela margem mínima, os barcelenses poderiam pouco depois ter decidido o destino do jogo, mas Miguel Vieira não conseguiu bater Trabal da marca de livre directo.

O Benfica acelerou e criou oportunidades sucessivas, sempre com Ricardo Silva a brilhar. Já com Guillém Trabal a jogar sobre os patins, como se de um defesa se tratasse, Diogo Rafael arrancou e ofereceu o empate a Nicolía, que não desperdiçou. Faltavam seis segundos para o apito final…

Guillem Trabal acabou a jogar... como defesa

Este empate permite que o Porto – atento à partida com Tó Neves, Pedro Lopes, Jorge Silva e Hélder Nunes na bancada – se possa isolar à quarta jornada na liderança, caso vença o jogo com o Sporting este domingo.

No final da partida, Paulo Freitas afirmou que o empate seria um bom resultado à partida. Mas estando a ganhar a seis segundos do fim, acabou por saber a pouco. Para o técnico encarnado Pedro Nunes, o ponto ganho foi um mal menor, numa partida condicionada pelos acontecimentos fora do rinque. Á conversa com o HóqueiPT esteve ainda Ricardo Silva, ex-guarda-redes do Benfica e protagonista de uma excelente exibição.

Jogos relacionados

OC Barcelos, SAD
5 : 5
25 Out 18h00
SL Benfica
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade