Notícia

«Custou-nos muito sair da pressão»

Feb 12, 2019

No rescaldo do jogo grande da 16ª jornada, que opôs o Benfica à Oliveirense, Alejandro Dominguez não estava contente com o desfecho, mas, com duas partes bem distintas, recusou apontar justiça à divisão de pontos, deixando a ideia que o triunfo oliveirense não assentaria mal.

“Eu quero sempre ganhar”, começou. “Não era o resultado que queríamos, mas não sei dizer se é o justo, porque acredito que jogámos uma primeira parte fantástica, tal como tínhamos treinado, e uma segunda parte em que nos custou muitíssimo sair da pressão”, confessou, apontando as dificuldades encarnadas na etapa complementar.

“Há uma parte de mérito do adversário, que nos encostou quase a 40 metros, e outra parte de demérito nosso, que não conseguimos sair da pressão”, referiu. “E não é uma questão estritamente táctica. Acredito que é mais individual. Jogar o jogo pelo jogo faz com que a pressão se desvaneça, desapareça, e quando defendes com a bola favoreces a pressão. Custou-nos muito sair da pressão. Portanto, não sei até que ponto o resultado é justo”, reflectiu.

Preparar a formação

Condicionado pelas ausências de Carlos Nicolía e Diogo Rafael, Alejandro justificou a não utilização dos jogadores Sub-20 chamados. “Fizemos uma rotação de seis jogadores, porque creio que tanto o [Miguel] Fortunato como o [João] Maló ainda não estão preparados para jogar uma partida desta envergadura”,

“É uma questão também que, como clube, estamos muito comprometidos. Há que trabalhar a nossa formação para que os jogadores que vêm de Sub-20 e Sub-17 possam estar preparados para jogar jogos destes... há que trabalhar com a nossa formação cada vez mais e cada vez melhor”, frisou, desvendando um projecto para que tal suceda.

“Está a trabalhar-se bem, mas, quando acontecem coisas como estas, em que perdemos dois jogadores importantes, temos de ter recursos como clube para que os jovens possam jogar. E que estejam preparados para jogar”, constatou o técnico argentino. “É um trabalho que demora. A primeira medida que temos de tomar para que isso suceda é que os jogadores estejam todos os dias connosco, com a primeira equipa. E, para isso, há que articular muitas coisas no clube. Desde o dia 2 que os temos a trabalhar com a primeira equipa. Estamos imersos num projecto que é muito bonito e muito esperançoso para a nossa gente, para o nosso hóquei de formação. Não estou a dizer por dizer. Será uma realidade e em breve vereis”, prometeu.

O que Alejandro não consegue garantir para já, é quanto tempo mais estará desfalcado de Nicolía e Rafael. “Estão na fase final de recuperação. Tendo em conta que o Nicolía tem uma lesão que não é fácil de curar, mas está na fase final”, resumiu de forma vaga.

Dúvidas

Sem ver as imagens – claras – do lance polémico que marcou o último minuto de jogo, Alejandro Dominguez não se comprometeu. “Tenho dúvidas porque o meu ângulo de visão não era o melhor... havia gente de pé. O meu ângulo de visão não me permite ver a primeira parte da jogada. Na segunda parte, sim vejo que a bola está... mas na primeira parte, não vejo”, disse, referindo-se a outro lance. “Também não tenho a certeza de que o primeiro golo deles não seja bola alta… Também não sei”, afirmou, aludindo ao golo de Marc Torra que na altura valia o 1-1.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade