Notícia

Martinha está nos quartos-de-final do Panamericano

Oct 16, 2019

Foto de capa: Hockey Apasionado

As sete equipas argentinas em prova no Panamericano feminino confirmaram a sua superioridade, carimbando o acesso aos quartos-de-final. O campeão Concepción, com “Luchi” Agudo a apontar sete golos, passou só com vitórias no grupo C, tal como a UVT no grupo A, com a sua capitã Gimena Ortiz a assinar também sete tentos.

Mas entre a Unión Vecinal de Trinidad destaca-se outro nome. Marta Vieira, “Martinha”, é uma portuguesa entre sul-americanas, numa experiência ímpar. “Tinha procurado nos últimos dois anos, porque era uma experiência que queria viver”, confessa ao HóqueiPT. “Tudo resultou desta vez. Apareceu o convite e apareceram as condições”, refere.

Martinha está na Argentina há pouco menos de um mês. “Comecei a trabalhar com este grupo no dia 19”, recorda. “Na primeira vez, treinei às 10 da noite daqui, o que significa, com a diferença horária, eram para mim umas duas da manhã… e acabei às ‘minhas’ quatro da manhã”, sublinha. Satisfeita com o grupo de atletas que encontrou, a internacional portuguesa que completou 23 anos no passado sábado trabalhou afincadamente tendo em vista este Panamericano. “Fizemos um trabalho bi-diário todos os dias, com a intenção de chegar o mais longe possível, de fazer os melhores resultados, os melhores jogos”, aponta.

De facto, para já, dificilmente podia correr melhor.

“Na fase de grupos, defrontámos primeiro a equipa uruguaia”, conta-nos. O jogo redundou num triunfo por 18-1, com Martinha a apontar quatro golos. Mas, mais que o resultado, ficam outros aspectos. “Foi bom para entrar sem tantos nervos e para conhecer o Estádio Aldo Cantoni. A pista é um bocado escorregadia, fica um bocado feio para o bonito que é todo o Estádio em si”, observa, não escondendo o orgulho de jogar num dos palcos míticos do Hóquei em Patins mundial.

Seguiu-se o embate com o Rivadavia. “É também uma equipa de San Juan. Ganhámos 4-2 num jogo bastante equilibrado, bastante discutido”, analisa. No fecho da fase de grupos, esta terça-feira, a UVT venceu o Maipu Giol – na pista do Richet y Zapata – por 6-0, com a jogadora portuguesa a marcar de grande penalidade, a meio da segunda parte.

Esta quarta-feira, nos quartos-de-final, a UVT – vencedora do grupo A – volta a defrontar o Maipu Giol, apurado como um dos melhores terceiros. “Nada está ganho”, garante Martinha. “Hoje jogamos outra vez com o Maipu Giol, mas desta vez no Estádio, por uma questão logística deles”, explica, não esperando facilidades. “É um dia novo. Temos de ir com tudo, porque, caso contrário, podemos acabar com um resultado totalmente distinto do de ontem. O Maipu Giol é uma equipa muito competitiva, muito forte, e, ainda que ontem tenhamos feito as coisas bem, nada significa para hoje”, argumenta com cautelas.

O jogo, a partir das 16h locais (20h em Portugal continental), poderá ser acompanhado na página de Facebook da Federación Sanjuanina de Patín. Em 2018, a UVT cairia precisamente nos “quartos”, frente ao agora ausente Centro Valenciano, derrotada por 1-3.

Mais informações no site oficial.

Campeonato Panamericano Feminino

Quartos-de-final

• UVT (ARG) vs Maipu Giol (ARG)

• Barrio Rivadavia (ARG) vs Andes Talleres (ARG)

• Concepción (ARG) vs San Agustín (CHI)

• Unión (ARG) vs Estudiantil Porteño (ARG)

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade