Notícia

Definidos os oito da Coppa, Veludo 'defenderá' o título do Breganze

Dec 12, 2019

Fotos: Roberta Mirabile (LaRoby)

Cumpriu-se no passado fim-de-semana a 12ª jornada da Série A1 do campeonato italiano e, a uma ronda do fim da primeira volta, ficaram definidas as oito equipas que marcarão presença na Coppa Italia.

À semelhança do que se faz em Espanha, a “Taça” está reservada aos oito primeiros da primeira metade da fase regular do campeonato e, em Itália, o elenco está já definido.

Apesar de duas derrotas nos dois últimos jogos, o Lodi (27 pontos) encabeça o lote de candidatos à conquista da Coppa, sendo acompanhado por Forte (24), Valdagno (21), Trissino, Breganze e Viareggio (20), Scandiano (19) e Sarzana (17). A viver as emoções da Final Eight por fora ficarão Monza (13 pontos), Follonica, Montebello e Bassano (11), Sandrigo (10) e Correggio (9).

O Scandiano ocupará na Coppa a “vaga” do Follonica, o único que não repetirá a presença da época passada

Os treinadores Nuno Resende e Sérgio Silva e os jogadores João Pinto, André Centeno, Reinaldo Ventura, Diogo Neves e Francisco Veludo estarão presentes na Coppa, com responsabilidades acrescidas para o guarda-redes do Breganze. Entre os participantes, os rossoneri que Veludo reforçou no último defeso são o emblema com mais conquistas na prova (quatro) e os detentores do troféu.

Lodi na frente, apesar de derrotas

O principal campeonato italiano é pródigo em surpresas na sua fase regular (não tanto nos decisivos playoffs…) e esta época não tem escapado à regra.

Na liderança vai o Lodi, de Nuno Resende e este ano reforçado com o ex-Sporting João Pinto, num regresso a um clube que já tinha representado. Depois de uma derrota administrativa na primeira jornada, o Lodi somou nove vitórias consecutivas, mas, no espaço de uma semana, perdeu na recepção ao Valdagno por 3-8, com André Centeno a bisar, e na deslocação a Breganze, por 4-2, com Francisco Veludo a brilhar apesar do bis do “compatriota”, o também internacional angolano João Pinto.

Lodi de João Pinto e Nuno Resende é líder

Nas contas das 12 primeiras jornadas, e apesar das três derrotas já somadas, o Lodi é líder sem qualquer empate, sendo que, com mais empates, o campeão Forte (2º) e Viareggio (entre os 4ºs) só têm duas derrotas e o Valdagno (3º) até só perdeu uma vez, com um Sarzana longe do fulgor da temporada passada, à terceira jornada.

O Valdagno “peca” por ser o rei dos empates, com seis, o último dos quais na última jornada, frente ao Trissino, equipa mais portuguesa da Série A1. No empate a três, André Centeno assinou um hat-trick, saltando para a frente dos marcadores… no que a portugueses diz respeito.

Golos

A temporada dos jogadores lusos na Série A1 não tem sido particularmente profícua. André Centeno regista oito golos, João Pinto e Diogo Neves sete e Reinaldo Ventura seis, todos bem longe da liderança de Federico Ambrosio (Forte) numa lista que é dominada pelos estrangeiros, que em Itália estão tão “racionados”, com um máximo de três por equipa.

André Centeno

O sanjuanino – mas já com nacionalidade italiana – “Fede” Ambrosio (Forte, 22 golos) e o mendoncino Lucas Martinez (Lodi, 18) são os mais certeiros, seguindo-se o catalão Gerard Teixidò, capitão no Breganze de Francisco Veludo, com 16. Também 16 golos tem Pablo Cancela (Follonica), somando apenas mais um que o seu ex-companheiro na Oliveirense, Emanuel Garcia (Trissino).

A par de Emanuel segue o primeiro italiano da lista, nada menos que o veterano Massimo Tataranni, que do alto dos seus 41 anos, tem mais três golos que Andrea Malagoli e mais quatro que “Checco” Compagno, que fecha o trio de italianos nos 15 melhores marcadores da prova.

Francisco Veludo

Em termos colectivos, o Trissino de Sérgio Silva é o melhor ataque, com 57 golos conseguidos, ao passo que o Lodi seria a melhor defesa – uma marca de Nuno Resende – com 25 golos sofridos, não fosse a tal derrota administrativa na primeira ronda, que eleva para 34 a marca de sofridos. O Forte reclama assim a liderança em termos defensivos, com tentos 26 consentidos.

A Coppa 2020

Definido o elenco da 51ª edição da Coppa Italia, é altura de receber as candidaturas à organização para a prova que está agendada para os dias 28 e 29 de Fevereiro e 1 de Março.

Mas as exigências da federação italiana não são fáceis de satisfazer. A FISR, que aceita candidaturas até 7 de Janeiro, pede que as propostas contemplem não só a apetecível Final Eight da Coppa Italia da Série A1, mas também nove jogos adicionais com as Final Four das “Coppas” das Série A2, Série B e Feminina.

As propostas devem contemplar também (ou principalmente?) uma licitação mínima de cinco mil euros, determinante para a decisão da atribuição, sendo que a candidatura vencedora tem já uma outra despesa certa de nove mil euros (mais IVA, conforme caderno de encargos), a título de taxa federativa.

Breganze de Diego Mir venceu em Março a 50ª edição da Coppa, realizada em Trissino, batendo na final o Sarzana.

As partidas serão definidas na jornada que fecha a primeira volta, que está condicionada pela participação das equipas transalpinas nas competições europeias. Sábado há apenas uma partida, entre Viareggio e Montebello, e as restantes disputam-se na quarta-feira seguinte. Sem sorteio, o primeiro finda esta derradeira jornada defrontará o oitavo, o segundo terá pela frente o sétimo, e por aí fora…

O Breganze (quatro vezes vencedor), Lodi (três), Valdagno (duas), Viareggio, Forte e Trissino – este último no distante ano de 1974 – já venceram a Coppa. Scandiano e Sarzana procurarão um título inédito no seu palmarés.

Raffaelli reforça Lodi em Janeiro

Entretanto, o Lodi aguarda pela possibilidade de utilizar Alex Raffaelli, um dos reforços do último defeso. O jogador ex-Amatori Vercelli alinhou na primeira jornada, mas um problema na inscrição levou à derrota administrativa do Lodi (em pista, vencera 1-5 em Sandrigo), ao adiamento da possível inscrição para o final da primeira volta e à sanção por um jogo do jogador.

Alex Raffaelli

Com a primeira volta a terminar a 18 de Dezembro para o Lodi, o jogador deverá cumprir castigo a 21 na ronda que encerra o ano civil, e pode jogar… depois da pausa para Natal e Ano Novo. A Série A1 é retomada a 5 de Janeiro para a equipa de Nuno Resende, com a deslocação a Correggio.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade