Notícia

Braga faz Porto ver título 'por um canudo'

Mar 01, 2020

“Ver Braga por um canudo” remete para tarefas hercúleas, difíceis ou impossíveis de superar. E o triunfo do Braga sobre o Porto, campeão nacional, por 6-2 deixa os azuis-e-brancos a sete pontos da liderança e a poder cair para quinto lugar caso o Óquei de Barcelos vença o Sporting, este domingo, no fecho da jornada.

Os bracarenses já tinham vencido o Porto na pré-temporada e, com a excepção de uma inesperada derrota (frente a’Os Tigres), ninguém “passara” nas Goladas, com, por exemplo, Benfica e Óquei de Barcelos a empatarem ali a quatro.

Pedro Delgado (“Bekas”) marcou muito cedo para a equipa de Rui Neto e, apesar de António Trabulo ter voltado a colocar o Braga na frente depois de Daniel Oliveira (“Poka”) ter restabelecido a igualdade, ficava tudo em aberto para a segunda parte.

O guarda-redes Constatino Acevedo (“Conti”) erguia-se como uma muralha para o habitualmente profícuo ataque do Porto e o capitão Ângelo Fernandes fez os terceiro e quarto golos dos bracarenses sem que, pelo meio, Poka conseguisse marcar de livre directo. Com um argentino a brilhar na baliza, outro argentino – no ataque – sentenciava o “debacle” dos dragões. Danilo Rampulla bisou e elevou para um 6-1 pesado e impossível de anular. Nem Gonçalo Alves, “abono de família” da sua equipa em várias ocasiões esta temporada, conseguiria melhor do que reduzir de grande penalidade bem perto do apito final.

“Conti” Acevedo foi uma barreira quase intransponível para o ataque dos dragões

A derrota azul-e-branca “pesa” ainda mais porque o Benfica passou no teste de Valongo, vencendo por 2-3. Os valonguenses até se adiantaram com um golo de Diogo Fernandes, mas Carlos Nicolia não tardou a restabelecer a igualdade.

Já na segunda parte, Gonçalo Pinto, de regresso à casa que foi sua na temporada passada, colocou os encarnados na frente, mas Nuno Araújo respondeu e o jogo seguiu com desfecho incerto até aos minutos finais. A três minutos do fim, Nuno Araújo não conseguiu transformar uma oportunidade de grande penalidade e caberia a Lucas Ordoñez desequilibrar definitivamente o marcador, garantindo três pontos importantíssimos na corrida ao título que escapa ao Benfica desde 2016.

Gonçalo Pinto marcou na casa que foi sua na temporada passada

Na perseguição mais directa ao Benfica está agora a Oliveirense, que, com uma vitoria em Torres Vedras por 0-4, passou Porto e Sporting, sendo que os leões jogam apenas este domingo e podem voltar a ficar a três pontos das águias. A equipa de Renato Garrido marcou dois golos em cada parte, com Marc Torra a fechar as contas depois de Jorge Silva ter assinado um hat-trick.

Jorge Silva assinou hat-trick em Torres Vedras

Noutras “guerras”, a meio da tabela, Sanjoanense e Riba d’Ave somaram importantes três pontos rumo à permanência.

A Sanjoanense recebeu e venceu o Paço de Arcos por 6-2, apesar da equipa da Linha ter marcado primeiro. Rafa Lourenço inaugurou o marcador, mas a equipa de São João da Madeira chegou ao intervalo já a vencer por 4-1, com golos de José Almeida, “Xavi” Cardoso (bisou) e “Facu” Navarro. João Sardo ainda reduziu logo após o reatamento, mas, na recta final da partida, Alex Mount e Tiago Almeida fecharam a contagem.

Em Almeirim, não faltou emoção entre duas equipas recheadas de jovens valores. João Maló (nascido em 2000) marcou primeiro e Dinis Abreu (1997) – que viria a ser a grande figura do encontro – igualou antes do intervalo.

Na etapa complementar houve mais golos. Diogo David (2000) voltou a colocar Os Tigres na frente, mas Tomás Pereira (1999) anulou a vantagem dos anfitriões. Dinis Abreu adiantou duas vezes o Riba d’Ave, mas – nas duas vezes – António Estrela (1999) repôs a igualdade. Diogo Casanova (de 1996) desequilibrou o marcador, mas caberia a Dinis Abreu, com o seu quarto golo no jogo, ter o papel mais preponderante.

Dinis Abreu marcou por quatro vezes em Almeirim

Com poucos minutos para jogar, a primeira vantagem de dois golos no encontro foi fatal para as aspirações da equipa de André Luís. Filipe Bernardino, do “longínquo” ano de 1989, ainda reduziu, mas não sobrava tempo para evitar a derrota dos almeirinenses e que Hugo Azevedo levasse os três pontos para o Minho.

Na luta pela manutenção, a Juventude de Viana somou a terceira vitória na prova e subiu acima da linha de água, passando Os Tigres e Paço de Arcos. Os vianenses venceram o Turquel por 4-0 com Gustavo Lima a abrir e a fechar as contas de livre directo. Pelo meio marcaram Francisco Silva e Luís Viana.

Este domingo completa-se a 18ª jornada com um Clássico em Barcelos a partir das 16h entre Óquei de Barcelos e Sporting, com ambos obrigados a vencer nas suas corridas, assumidas ou não, ao título. Uma derrota dos leões deixa os de Paulo Freitas em quarto, a seis pontos do Benfica e atrás de Oliveirense e Óquei de Barcelos. Uma derrota dos barcelenses deixa os de Paulo Pereira a nove pontos do topo.

I Divisão – 18ª jornada

Sábado, 29 de Fevereiro

• Sanjoanense 6-2 Paço de Arcos

• Os Tigres 5-6 Riba d’Ave

• Física 0-4 Oliveirense

• Valongo 2-3 Benfica

• Braga 6-2 Porto

• Juventude de Viana 4-0 Turquel

Domingo, 1 de Março

• Óquei de Barcelos vs. Sporting 16h

Classificação

1º Benfica (46 pontos), 2º Oliveirense (41), 3º Sporting* (40), 4º Porto (39), 5º Óquei de Barcelos* (37), 6º Braga (28), 7ºs Turquel e Sanjoanense (22), 9º Riba d’Ave (20), 10º Valongo (19), 13º Juventude de Viana (14), 11ºs Paço de Arcos e Os Tigres (13), 14º Física (5)

*com menos um jogo

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade