Notícia

Primeira Taça 1947 é do Benfica

Dec 13, 2020

O Benfica conquistou a primeira edição da Taça 1947, ao vencer o Sporting nas grandes penalidades. As águias põem fim a um “jejum” de títulos com praticamente três anos. #Taça1947

Benfica e Sporting decidiram este domingo quem levava para casa o primeiro troféu relativo à primeira edição da Taça 1947, baptizada em homenagem aos primeiros campeões da Europa e do Mundo por Portugal. Com o objectivo de premiar a primeira volta das oito equipas mais bem classificadas da I Divisão, esta primeira edição decorreu com dupla ferida: com 11 partidas em falta, não foi no fim da primeira volta, e, com a ausência do Porto, não estiveram as oito equipas mais bem classificadas…

Em pista, Gonzalo Romero adiantou os leões aos seis minutos, permitindo ao Sporting pôr em prática o seu jogo de expectativa, com muito rigor defensivo. Sem que o Benfica lograsse encontrar brechas na estratégia leonina, Ferran Font ampliou a vantagem verde-e-branca, já na segunda parte.

Diogo Rafael, contando com um desvio em Matías Platero a trair Ângelo Girão, não tardou a reduzir, mas os encarnados continuavam em desvantagem e a terem de correr atrás do resultado.

Na pressão encarnada, em crescendo com o passar dos minutos, a 10ª falta levou Ferran Font para a marca de livre directo, de onde, com uma excelente execução, elevava para 1-3. Sobravam “apenas” nove minutos e o Benfica não encontrava forma de bater Girão. O empate chegaria de bola parada.

À entrada dos derradeiros cinco minutos (pelo menos dos 50 regulamentares…), Carlos Nicolia reduziu na sequência de uma grande penalidade para a diferença mínima. Quase de seguida, a 10ª falta leonina permitiu a Lucas Ordoñez, de livre directo, fazer o 3-3 que levou o jogo para prolongamento.

Com muitas cautelas, os 10 minutos de tempo extra foram praticamente o cumprir de uma formalidade antes das grandes penalidades. Na chamada “lotaria”, Pedro Gil adiantou os leões. Diogo Rafael e Edu Lamas viraram. Gonzalo Romero ainda adiou a festa encarnada, mas, tal como frente à Oliveirense, Carlos Nicolía transformou a grande penalidade decisiva. E foi eleito MVP (“Jogador Mais Valioso”) desta partida que vale um título.

Num momento que também era de homenagem, sublinhado para o palmarés de alguns dos protagonistas encarnados, no paralelo com os campeões de 1947. Tal como o treinador José Prazeres, Alejandro Dominguez é campeão da Europa (2018) e do Mundo (2017). Edu Lamas é campeão da Europa e do Mundo, Diogo Rafael é campeão da Europa e Carlos Nicolia, Lucas Ordoñez e Miguel Vieira são campeões do Mundo.

“Jejum” desde 2017

O triunfo na Taça 1947 foi muito celebrado pelos encarnados. Para lá do valor da conquista, a euforia justifica-se com o ponto final num jejum das águias que durava desde 2017, a três dias de se completar três anos sobre a conquista da Taça Intercontinental em Reus.

Nessa final, na primeira Taça Intercontinental decidida em Final Four, o Benfica venceu o Reus por 5-3, com quatro golos de Jordi Adroher e um do capitão Valter Neves. Para além de Valter, também Diogo Rafael, Pedro Henriques, Carlos Nicolía e Miguel Vieira continuam ainda de águia ao peito.

Em termos nacionais, o Benfica conquistara a oficiosa Elite Cup também em 2017, no início de Outubro (vencendo o Sporting na final), mas o último troféu oficial datava de 2016, com a conquista do Campeonato Nacional.

Críticas à arbitragem

Depois de uma meia-final entre Benfica e Oliveirense que levou a muitas críticas por parte da equipa de Oliveira de Azeméis, a arbitragem de Joaquim Pinto e Luís Peixoto nesta final também não deixou de ser visada nas redes sociais.

"Quem nos derrotou não foram as grandes penalidades. Dois ajuizamentos inteligentes deram grande penalidade e livre directo a menos de cinco minutos do final quando o jogo estava controlado, que fizeram aproximar o adversário. Uma equidade que depois não aconteceu em lances similares", escreveu Gilberto Dias Borges, decano dirigente do Hóquei em Patins leonino, na sua página de facebook.

Virada a página sobre esta Taça 1947, as duas equipas voltam a entrar em pista no próximo dia 19, para a Taça de Portugal, com dois embates com muita História. O Benfica desloca-se a Oeiras e o Sporting ao Barreiro, para defrontar o Fabril.

Quartos-de-final

• #1 • Benfica 3-2 Óquei de Barcelos

• #2 • Sanjoanense 3-5 Sporting (3-3, 0-2 prol.)

• #3 • Oliveirense 3-5 Valongo

• #4 • Juventude de Viana 1-3 Tomar

Meias-finais

• #5 • Benfica 7-5 Oliveirense (3-3, 4-2 gp)

• #6 • Sporting 5-3 Tomar

Final

• Benfica 6-5 Sporting (3-3, 3-2 gp)

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade