Notícia

Porto vence Benfica no primeiro 'jogo grande' de 2021

Jan 09, 2021

O Porto venceu o primeiro Clássico de 2021, batendo o Benfica no Dragão Arena por 4-2. #PrimeiraDivisão

No arranque da segunda volta, o Porto levou a melhor no Clássico com o Benfica que marcou o regresso da I Divisão após a quadra festiva.

No primeiro jogo da principal competição portuguesa no novo ano, o Clássico começou com oportunidades de parte a parte, mas, com o passar dos minutos, Pedro Henriques foi-se destacando cada vez mais, negando o golo ao Porto em vários duelos com os atacantes azuis-e-brancos.

Na rotação das duas equipas, o guarda-redes internacional português do Benfica ficou mesmo como o único luso em pista, num momento em que Carlo Di Benedetto, ausente no jogo da primeira volta com uma lesão grave, serviu Ezequiel Mena que, solto de marcação, fez o primeiro do jogo, a sete minutos e meio do intervalo.

O Porto estava claramente melhor e ameaçava o segundo tento, mas o Benfica lograria o empate a poucos instantes do intervalo. Nicolía descobriu Lucas Ordoñez no coração da área azul-e-branca e o melhor marcador do campeonato não perdoou, batendo Malián.

Na etapa complementar, com tudo em aberto, as equipas entraram com algumas cautelas e mesmo alguma apatia. Aos seis minutos e meio, Gonçalo Alves, num momento de inspiração, tirou o jogo de algum marasmo com um golo extraordinário, a fazer a bola ressaltar no solo entre os adversários para bater Pedro Henriques num remate em raquete.

À terceira no Dragão Arena, não foi de vez para Alejandro Dominguez. O técnico encarnado somou a terceira derrota perante Guillem Cabestany em Clássicos para o Campeonato como visitante.

Os dragões regressavam à vantagem e obrigavam o Benfica a correr atrás do resultado, impondo mais velocidade ao jogo. Mas também a cair na 10ª falta. Gonçalo Alves, tocado no banco, regressou à pista para, num remate rasteiro, bisar para o 3-1 e, apenas um minuto volvido, Carlo Di Benedetto ampliava para 4-1. Uma almofada de três golos quando os azuis-e-brancos contavam nove faltas.

Com poucas ideias no ataque, o Benfica - por Lucas Ordoñez - desperdiçou o livre directo da 10ª falta portista. Logo de seguida, Giulio Cocco viu o azul e Gonçalo Pinto também não conseguiu desfeitear Malián, que agora reclamava o protagonismo que já fora de Pedro Henriques.

Sem conseguir reduzir no powerplay, o recente vencedor da Taça 1947, precipitava-se no ataque, sem sucesso perante a boa gestão do encontro pelo Porto. A cinco minutos e meio do final, Carlos Nicolía voltou a assistir para golo – num passe entre as pernas -, desta feita de Diogo Rafael e o Benfica acreditava. Mas já não evitaria a derrota.

Com este resultado, o Porto iguala o Óquei de Barcelos no segundo lugar, com 29 pontos, mas os barcelenses têm menos um jogo – com o Famalicense – que cumprirão ainda este sábado. Também este sábado, o líder Sporting recebe Os Tigres e, este domingo, a Oliveirense desloca-se a Viana do Castelo.

14ª Jornada

• Porto 4-2 Benfica

• Óquei de Barcelos vs. Famalicense • 9. Jan • 18h • Manuel Fernandes e André Portal

• Riba d’Ave vs. Sanjoanense • 9. Jan • 18h30 • Florindo Cardoso e Carlos Correia

• Sporting vs. Os Tigres • 9. Jan • 20h30 • Jaime Vieira e João Catrapona

• Juventude de Viana vs. Oliveirense • 10. Jan • 15h • Pedro Silva e Porfírio Fernandes

• Tomar vs. Valongo • 10. Jan • 18h • Luís Peixoto e Miguel Guilherme

• Braga vs. Turquel • adiado

Classificação

1º Sporting* (30 pontos), 2º Óquei de Barcelos* (29), 3º Porto (29), 3º Oliveirense* (24), 4º Benfica* (23), 6º Valongo* (20), 7º Tomar (18), 8º Juventude de Viana* (15), 9º Famalicense* (15), 10º Sanjoanense* (10), 11º Braga* (9), 12º Riba d’Ave (9), 13º Turquel (8), 14º Os Tigres* (7)

* menos um jogo, ** menos dois jogos

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade