Notícia

O campeão e a busca de uma conquista inédita

Apr 07, 2021

No grupo B da fase preliminar da Liga Europeia estão o campeão em título e a única das nove equipas inscritas que não logrou o título na história da competição. #LigaEuropeia

A presente edição da Liga Europeia ficou reduzida a nove equipas, mas que somam nas suas vitrines 44 dos 54 troféus disputados. Entre os 11 campeões da história da competição, só não estarão no Luso as equipas do Igualada (seis títulos), Voltregà (três) e Follonica (um). E, entre os nove que estão no Luso, apenas a Oliveirense não conquistou o título.

Sporting

Campeão europeu em 2019, o Sporting já estava afastado da defesa do título na pretérita temporada quando a pandemia interrompeu as competições. E garantiu que os leões chegassem agora ao Luso como defensores de um troféu conquistado 42 anos depois do primeiro. Aquele que seria também o primeiro de uma equipa de fora da Catalunha, depois de 11 triunfos catalães.

Esta época, o Sporting foi a última equipa a provar o travo amargo da derrota. E, depois de perder com a Oliveirense (3-1) a 17 de Janeiro, voltaria a perder na recepção ao Benfica (4-5) apenas uma semana volvida.

Seriam as duas únicas derrotas na prova. A "pausa" que se seguiu de praticamente um mês por um surto de CoViD-19 permitiu um "reset" e os leões regressaram para 10 jogos sem perder, incluindo um empate no Dragão Arena (a única perda de pontos dos dragões no seu reduto) e cinco vitórias consecutivas nas últimas cinco partidas, que permitem à equipa de Paulo Freitas ainda aspirar ao segundo lugar na fase regular.

Melhor defesa "ex aequo" com o Benfica, com 58 golos sofridos, discutiu com as águias - no Luso a que agora regressa - a conquista da primeira Taça 1947. "Caiu" apenas na decisão por grandes penalidades (6-5).

Reus

A temporada não começou mal para o Reus, mas algumas perdas de pontos e os percursos praticamente imaculados de Liceo e Barcelona foram deixando a equipa de Jordi Garcia cada vez mais longe do topo da classificação.

Em Janeiro, a contas com um surto de CoViD-19, o Reus só realizou uma partida para a OK Liga, perdendo na recepção ao Liceo depois de, nas "meias" da Supercopa, ter protagonizado a primeira desfeita a "los verdes" na temporada.

O regresso à competição seria duro, com mais duas derrotas, mas a equipa voltaria a vencer ainda em Fevereiro. Perderia em Lleida no fim do complicado mês de Fevereiro, mas, com três vitórias consecutivas no mês de Março, chegou ao quarto lugar.

Empatou depois frente ao Barcelona (1-1), repetindo a repartição de pontos da primeira volta (3-3), e terminará a OK Liga como a única equipa que não perdeu com os blaugrana.

O Reus é quarto, em perseguição ao Caldes, mas tem o segundo melhor ataque da OK Liga. Mesmo sem Raul Marin, operado ao ombro direito, e que falhará a Liga Europeia. Apesar do sucesso da intervenção, o tempo estimado de recuperação de quase três meses poderá mesmo custar o resto da temporada (Liga Europeia, recta final da OK Liga e Taça do Rei) ao capitão da conquista de 2017, em Lleida, a oitava dos "roginegros" na competição. Então, o Reus era visto como "outsider". Tal como agora...

À equipa de Jordi Garcia faltarão os golos de Marin, que foi "afastado" com 26 golos apontados, ficando o Reus mais dependente de Alex Rodriguez que, diz-se, estará a caminho do Liceo. Àlex soma 37 golos e é o melhor marcador da OK Liga.

Oliveirense

Finalista em 2016 e 2017, a Oliveirense continua em busca do seu primeiro título na Liga Europeia. Será, de resto, a única que não poderá aplicar a expressão "puxar dos galões de campeão" ao lado de oito equipas que já levantaram o troféu.

Na I Divisão, a equipa orientada por Paulo Pereira está na luta pelo quarto lugar e a respectiva "vantagem casa" frente ao Benfica nos quartos-de-final do play-off. Nesta primeira ronda, cairá logo um dos candidatos ao título português, no que não deixará de ser decepcionante para a equipa de Oliveira de Azeméis ou para as águias.

Tirando a derrota em Tomar (5-3), pouco havia a apontar ao percurso da Oliveirense até à pausa natalícia. No entanto, as derrotas frente a Sporting, Benfica e Óquei de Barcelos (em jogos de tripla) deixavam a equipa longe do topo.

Os meses de Janeiro e Fevereiro, com um surto de CoViD-19 pelo meio, viram cinco vitórias consecutivas da Oliveirense, a sua melhor série, incluindo um triunfo sobre o Sporting (3-1). Fevereiro fechou com um empate na Luz (2-2), no garante que era preciso contar com a experiente equipa nas decisões.

No entanto, dois empates consecutivos em São João da Madeira e Turquel deixaram marcas, e uma copiosa derrota no Dragão Arena (8-2) afastou definitivamente a Oliveirense da luta por uma melhor posição para o play-off.

No Luso, numa fase de tudo ou nada, não faltam argumentos à Oliveirense. Vítor Hugo e Henrique Magalhães são campeões em título, Jordi Bargalló ergueu o troféu pelo Liceo e Marc Torra já o conquistou com três camisolas diferentes, ao serviço de Barcelona, Benfica e Reus em temporadas consecutivas.

Jogos

• Sporting vs. Reus • 9.Abr • 17h

• Reus vs. Oliveirense  • 10.Abr  • 15h

• Oliveirense vs. Sporting • 11.Abr  • 17h

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade