Notícia

Dragões e leões em sequela de decisão europeia

May 16, 2021

Dragões e leões vão reeditar a final de 2019. Nas meias, o Porto virou uma desvantagem de 0-4 com a Oliveirense e o Sporting bateu o Benfica nos penáltis. A partida decisiva joga-se a partir das 17h30, com transmissão na RTP1. #LigaEuropeia

Pela terceira vez na história da mais importante prova de clubes, duas equipas repetem a final anterior. Porto e Sporting voltam a encontrar-se - com uma pandemia pelo meio... - depois do triunfo dos leões em 2019 por 5-2 quando, nas duas ocasiões anteriores em que houve reedição consecutiva, o campeão em título levou a melhor. Em 1972, o Reus voltou a bater o Hockey Novara, e, em 1976, o Voltregà derrotou novamente o Barcelona.

Para o Porto é mais uma oportunidade de pôr cobro a uma "maldição" que vem desde 1990, altura em que conquistou a sua segunda Liga Europeia (então Taça dos Campeões Europeus). Regressou 10 vezes à final, sem sucesso, incluindo nas duas últimas edições, às ordens de Guillem Cabestany. Frente ao Sporting de Paulo Freitas, também em 2019, o Porto de Cabestany perderia a Taça Continental, tendo antes no confronto directo as equipas, com os mesmos timoneiros, protagonizado uma outra decisão, na Supertaça António Livramento. Então o Porto venceu por 4-1.

Tal como o Porto, o Sporting procura o terceiro triunfo na prova, o que colocará o vencedor como a equipa portuguesa mais titulada na Liga Europeia. Os leões chegam a esta final com a história recente do seu lado. Se em 2019 venceram as duas finais internacionais em jogo aos dragões, esta temporada somam, no confronto directo, uma vitória no João Rocha e um empate no Dragão Caixa, desconhecendo o amargo sabor da derrota com os azuis-e-brancos.

Curiosidades que pouco interessam quando, a partir das 17h30, as duas equipas entrarem em pista no Luso depois de carimbarem o bilhete em duas meias-finais emocionantes.

Reviravolta

O Porto foi o primeiro a selar o apuramento, mas tudo parecia negro a meio da primeira parte. Tal como uma semana antes no play-off do campeonato nacional (frente ao Benfica), os dragões viram o adversário disparar na frente.

Jordi Bargalló inaugurou no primeiro minuto, Marc Torra ampliou de grande penalidade aos sete e, um minuto depois, Henrique Magalhães ampliou para 0-3. A meio da primeira parte, Lucas Martinez colocou a Oliveirense a vencer por inesperados 0-4.

Mas, ao contrário do Benfica, a Oliveirense não conseguiu suster a reacção do Porto.

Ezequiel Mena deu início à reviravolta. Carlo Di Benedetto fez o segundo e, a dois minutos do intervalo, Daniel Oliveira ("Poka"), num remate fortíssimo de meia distância, reduziu para a diferença mínima. O jogo estava completamente relançado.

A Oliveirense entrou na segunda parte com nove faltas, mas afoita e com as melhores oportunidades. Aos seis minutos, a 10ª falta oliveirense não seria transformada em golo por Gonçalo Alves, mas o susto fez a equipa de Paulo Pereira retrair-se.

A 12 minutos do final, a Oliveirense chegava à 14ª falta e, dois minutos depois, o Porto à nona. A Oliveirense ainda dispôs de um livre directo (desperdiçado por Martinez), mas, com gestão de parte a parte, só a cinco minutos e meio do final houve nova falta, a valer livre directo. Carlo Di Benedetto igualou e destroçou animicamente o rival. Um minuto depois, Gonçalo Alves assistiu para o golo da reviravolta, de Xavi Barroso, voltando o goleador a brilhar na arte de dar golos pouco depois, quando descobriu Mena no coração da área para o 6-4 final.

Lotaria

No reencontro em "mata-mata" depois da final da Taça 1947, Benfica e Sporting voltaram a levar a decisão às grandes penalidades. Desta vez, sorriu o Sporting.

No tempo regulamentar, foi o Benfica que se adiantou sucessivamente. Mas, nenhuma das três vantagens perdurou.

Logo no primeiro minuto, um azul a Telmo Pinto fez Alejandro Dominguez tirar Nicolia da "cartola" (do banco) para, na recarga, num remate já em queda, bater Ângelo Girão. O Sporting respondeu com a entrada de Pedro Gil para agitar... e para isolar Matias Platero - que passara disciplinarmente incólume numa infeliz cotovelada a Gonçalo Pinto - para o 1-1.

O Benfica voltaria a adiantar-se ainda na primeira parte, em lance de insistência, com Gonçalo Pinto a assistir magistralmente de costas Lucas Ordoñez para o 2-1. Mas Ferran Font, num trabalho individual não menos espectacular, ganhou espaço e rematou na zona frontal para nova igualdade antes do descanso.

A segunda parte só viu golos no primeiro minuto. Irmãmente distribuídos, como tem sido apanágio nos confrontos entre águias e leões. Lucas Ordoñez fez o 3-2, mas Toni Pérez respondeu logo no lance seguinte, com o 3-3 que perduraria até final do tempo regulamentar. O Benfica chegou à 10ª falta, mas Font não conseguiu transformar e o Sporting continha-se nas oito faltas a que chegou com 10 minutos para jogar.

No prolongamento, inverteram-se os papeis.

Matias Platero deu a primeira vantagem no jogo ao Sporting com o 3-4 e era altura de ir o Benfica à procura do prejuízo. Ferran Font precipitou-se numa reposição de bola e entregou a Aragonès que, com muita tranquilidade na área leonina, tabelou com Nicolia para o 4-4. Mas, logo a seguir, Font redimiu-se na conclusão de um ataque rápido para nova vantagem leonina ainda antes do intervalo do prolongamento. Nos derradeiros cinco minutos de jogo jogado, a igualdade que parecia estar escrita chegou num remate forte de Nicolia, a festejar efusivamente.

Era hora de grandes penalidades. Romero falhou e Nicolia marcou. Verona igualou logo de seguida para uma igualdades que Lamas, Telmo, Aragonés, Font, Valter, Pérez e Diogo não conseguiram desfazer. Na derradeira grande penalidade da série de cinco, Diogo Rafael até levou a bola a beijar as redes de Ângelo Girão, mas o árbitro ainda não tinha dado ordem para marcação. Na repetição, a bola foi ao ferro.

Depois, Romero e Diogo voltaram a não marcar e apostavam os técnicos em quem tinha marcado antes. O italiano Alessandro Verona voltou a marcar. Carlos Nicolia não, sendo ainda atingido pela bola negligentemente rematada por Girão na sua direcção no momento de celebração. Estava consumado o apuramento dos leões ao fim de 14 grandes penalidades.

Meias-finais

Porto 6-4 Oliveirense

• Benfica 6-7 Sporting (3-3, 2-2 prol, 1-2 gp)

Final

• Porto vs. Sporting • 16.Mai • 17h30

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade