Notícia

Porto 'vinga' Elite em Clássico com polémica

Sep 19, 2021

Numa primeira ronda ainda incompleta, o Tomar foi a excepção à regra das vitórias caseiras. O Porto, num Clássico com polémica dentro e fora do pavilhão, venceu o Óquei de Barcelos. #PrimeiraDivisão

A primeira jornada da nova edição do Campeonato Nacional da I Divisão só termina na quarta-feira, quando o Sporting - "ocupado" este sábado a conquistar uma Taça Continental - se deslocar a Valongo, mas para já vai vingando o "factor casa". Mesmo que emprestada, como no caso da Juventude de Viana.

A excepção à regra foi o Tomar, que não foi além de um empate, a três, na recepção ao Turquel, numa ronda inaugural que tinha como principal ponto de interesse a reedição da final da Elite Cup entre Porto e Óquei de Barcelos.

O Clássico teve todos os condimentos, desejados e indesejados. Ainda antes do apito inicial, adeptos do Óquei de Barcelos seriam impedidos de entrar no Dragão Arena, alegadamente pelos bilhetes terem sido emitidos num erro de bilheteira. Os barcelenses estavam privados do apoio na conquista da Elite Cup, mas ainda assim voltaram a mostrar eficácia nos primeiros 25 minutos. E um Conti em grande momento.

O Porto foi "mandão", mas não conseguiu desfeitear o guardião argentino, nem de bola parada (três livres directos), nem na superioridade numérica (dois períodos de dois minutos). E Álvaro Morais ("Alvarinho"), logo aos três minutos, e André Centeno, aos 11, assinariam os tentos que na primeira parte valiam uma vantagem da equipa de Rui Neto assente numa exibição sólida.

Na etapa complementar, à terceira (ou, melhor, ao terceiro azul) foi de vez. Aos três minutos, Carlo Di Benedetto desfeiteou Conti para o início da reviravolta portista. O Porto mantinha a sua toada ofensiva e o Óquei de Barcelos ia somando faltas. Aos sete minutos, chegavam às 15 e o internacional francês azul-e-branco voltava a marcar, para a igualdade.

Foi um jogo de muito trabalho para a dupla lisboeta constituída por Miguel Guilherme e João Duarte, terminando com 22 faltas para os barcelenses, 13 para os portistas e cinco azuis - quatro deles a jogadores do Óquei de Barcelos - mostrados. Houve dois livres directos para a equipa de Rui Neto e sete para a equipa de Ricardo Ares. E uma grande penalidade, a nove minutos do final, em que Gonçalo Alves consumou a reviravolta.

Finalmente na frente, o Porto soube segurar a vantagem. Gonçalo Alves ampliou já nos derradeiros cinco minutos e o segundo golo de Alvarinho, no regresso a um palco onde não vingou, no último minuto já chegou tarde para evitar a derrota.

Oliveirense e Benfica goleadores

Oliveirense e Benfica, os outros candidatos que foram a jogo este sábado, entraram a golear. A Oliveirense recebeu e venceu o Marinhense no resultado mais dilatado (até agora) da primeira jornada.

Perante a recém-promovida equipa da Marinha Grande, a equipa de Paulo Pereira chegou ao intervalo a vencer já por dilatados 4-0, com Lucas Martínez a contribuir com o hat-trick. Nuno Domingues não contou com o capitão Gonçalo Domingues, a cumprir castigo de dois jogos, e a equipa ressentiu-se em particular no último terço do terreno.

O chileno Nico Carmona assinou o tento de honra aos seis minutos da etapa complementar, já a Oliveirense chegara aos cinco golos. E ainda faria um sexto, já nos últimos cinco minutos, para um expressivo 6-1.

Ainda mais expressivo foi o triunfo do Benfica, mas a diferença de "apenas" quatro golos no 9-5 final não chega para arrancar à frente da Oliveirense.

Com inversão de jornada, o Benfica recebeu na Luz a Sanjoanense, começando cedo a construir a vitória. Aos cinco minutos, Lucas Ordoñez e Gonçalo Pinto já tinham marcado e, ao intervalo, o 6-1 era esclarecedor. Na etapa complementar, as águias chegaram mesmo a estar a vencer por 9-1, mas a Sanjoanense libertou-se e, com o descomprimir da equipa de Nuno Resende (natural de São João da Madeira), o jovem guarda-redes Rodrigo Vieira acabou penalizado.

Substituindo Pedro Henriques, castigado, e com um bloco defensivo displicente, Rodrigo não evitou que a Sanjoanense somasse mais quatro golos, três deles de Rafa Lourenço. Mas os três pontos já não escapavam da Luz.

Vitórias minhotas

No Minho, Braga e Juventude de Viana somaram três pontos frente a Paço de Arcos e Parede, recém-regressados à I Divisão. Mas sem facilidades.

Nas Goladas, o Paço de Arcos entrou melhor e adiantou-se por duas vezes, mas já chegaria ao intervalo em desvantagem. A equipa de Tó Neves geriu na etapa complementar e chegou a um tranquilizador 5-2 a quatro minutos do final, não fazendo mossa o tento de João Sardo sobre o apito final para o definitivo 5-3.

Forçada pelas obras de melhoramento do Municipal Zé Natário a jogar em Ponte de Lima, a Juventude de Viana teve a primeira amostra de um combativo Parede. Com um 2-0 ao intervalo "patrocinado" por um bis de Pedro Delgado ("Bekas"), os vianenses chegaram ao terceiro logo no arranque da etapa complementar, mas o Parede reagiu.

A equipa de Pedro Caeiro Gonçalves chegou a tangenciais 3-2, 4-3 e deixava tudo em aberto com o 5-4 a sete minutos do fim. Mas venceu a experiência vianense.

1ª jornada

Braga 5-3 Paço de Arcos

Porto 4-3 Óquei de Barcelos

• Tomar 3-3 Turquel

Oliveirense 6-1 Marinhense

Juventude de Viana 5-4 Parede

Benfica 9-5 Sanjoanense

• Valongo vs. Sporting • 22.Set • 20:00 • Paulo Almeida e André Portal

Classificação

1º Oliveirense (3 pontos)

2º Benfica (3)

3º Braga (3)

4º Porto (3)

5º Juventude de Viana (3)

6º Tomar (1)

7º Turquel (1)

8º Sporting* (0)

9º Valongo* (0)

10º Parede (0)

11º Óquei de Barcelos (0)

12º Paço de Arcos (0)

13º Sanjoanense (0)

14º Marinhense (0)

* menos um jogo

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade