Notícia

França canta de galo perante Portugal e tem um patim na final

Nov 17, 2021

A França venceu Portugal por 5-3 com golos de Roberto e Carlo Di Benedetto e, a não quebrar fisicamente, tem um patim na final. Itália e Espanha dividiram pontos e a Alemanha venceu Andorra. #Euro

Os tangenciais triunfos lusos de 2017 (6-5) e 2018 (5-4) indiciavam o crescimento e consolidação da selecção gaulesa no panorama do Hóquei em Patins. E a equipa de Fabien Savreux concretizou esta terça-feira as "ameaças", vencendo em solo português por 5-3, num desfecho favorável a "les bleu" que não acontecia desde a desastrosa participação da selecção das quinas no Mundial de 2007, em que Portugal foi 6º. Aí a França vencera por 4-3.

Em Paredes, no fecho da segunda jornada, o triunfo gaulês começou a desenhar-se aos dois minutos, com Roberto Di Benedetto a contar com um desvio num contrário para inaugurar o marcador. Portugal, nervoso, não conseguia ligar jogadas e as oportunidades eram quase todas dos franceses. Aos 10 minutos, Carlo Di Benedetto ia de costa a costa para, num remate colocado à entrada da área, fazer o 2-0.

Renato Garrido reagiu com um pedido de desconto de tempo e o completar da rotação da equipa. Algo que nos gauleses foi limitado à entrada de Le Berre e, por instantes, a Erwan Debrouver, carregando fisicamente os três Di Benedettos e Remi Herman. Mas, bem preparada, era a França que continuava a ter as melhores oportunidades e ia valendo Girão...

Roberto Di Benedetto, com três golos, e o irmão Carlo, com dois, foram os "carrascos" da selecção lusa.

A cinco minutos do intervalo, Portugal conseguia enfim criar real perigo, num contra-ataque de Gonçalo Alves (sempre o mais inconformado) e João Rodrigues, com o capitão a rematar para a defesa segura de Baptiste Bonneau. O guardião francês, que joga no Españyol, da OK Liga Plata, segunda divisão espanhola, sem ser obrigado a muito trabalho, seria ainda assim uma das figuras do encontro.

Os nervos apoderavam-se dos portugueses e o azul a Gonçalo, numa discussão com Roberto Di Benedetto (viram ambos azul) após um lance duro do português, era reflexo disso.

No entanto, a entrada na etapa complementar seria promissora. Aos 35 segundos, um azul a Carlo Di Benedetto - num lance a deixar HN queixoso - permitiu a João Rodrigues reduzir de livre directo e Portugal empolgou-se, distanciando-se do registo tristonho da primeira parte.

A França não vencia Portugal desde 2007, então por 4-3. Nesse Mundial, Portugal terminou em 6º...

A selecção das quinas era mais rápida sobre a bola e, com os gauleses a acusarem o golo sofrido, crescia. Mas as oportunidades de golo escasseavam. A França fechava bem e conseguiu recuperar o controlo de jogo, unida como mostrara assim que entoou a Marselhesa antes do início da partida e apostando em ataques longos. Mantinha-se focada, mesmo com notório crescente cansaço nas suas pedras basilares.

Com o jogo a entrar na fase decisiva, a cinco minutos e meio do final, Roberto Di Benedetto encontrou forças não se sabe bem onde para, tal como o irmão Carlo fizera, ir de costa a costa e marcar num remate cruzado para o 3-1. E, dois minutos volvidos, na 10ª falta de Portugal, Carlo batia Girão com mestria para um 4-1 que sentenciava o jogo.

Gonçalo Alves ainda reduziu para 4-2, mas à entrada do derradeiro minuto, Roberto isolou-se e fez o 5-2, num lance que silenciou o pavilhão. Não pelo golo em si, mas pelo choque com a cabeça na tabela de fundo que, felizmente, não teria consequências de maior. Gonçalo - sempre ele - ainda fez o 5-3, mas já era tarde para evitar o desaire.

Itália e Espanha "empatam-se"

Depois de uma primeira fase de muitas cautelas de parte a parte, a Espanha marcou primeiro, aos 12 minutos, numa bonita picadinha de Ferran Font, mas provavelmente com a bola a subir demasiado, apesar do entendimento dos árbitros Rui Torres e João Duarte. No entanto, a Itália não tardou a responder e, entre a eficácia extrema de Giulio Cocco, com três livres directos de belo efeito ao ex-colega Xavi Malián (jogaram juntos no Porto de Cabestany), e a extrema ineficácia espanhola, com Ferran Font e César Carballeira a desperdiçarem bolas paradas, os transalpinos venciam por 3-1 ao intervalo.

A Espanha tinha de ir atrás do resultado. Voltaria a falhar de livre directo, por Bargalló, mas Alabart reduziria aos seis minutos. E, com Cocco agora a falhar dois livres directos, a equipa de Guillem Cabestany continuava a aspirar à reviravolta.

Já nos cinco minutos finais, a Espanha deu mesmo a volta, com golos dos galegos Alabart e Carballeira (a ir a jogo em vez de Marc Grau), num pesado castigo para a boa exibição italiana. O 4-4, por Federico Ambrosio, deu alguma justiça ao marcador.

Alemanha vence

No seu campeonato muito próprio, a Alemanha impôs-se claramente a Andorra por 1-5, com Mats Zilken a assinar um hat-trick. Os germânicos já venciam por 0-3 ao intervalo e ainda marcaram um quarto tento antes de Nil Dilmè rubricar o primeiro golo andorrenho - e o único até ao momento - na prova. Zilken fechou as contas.

França de olhos na final

Ao cabo do segundo dia, a França é a única equipa só com vitórias e defrontará agora, com favoritismo, Andorra e Alemanha, podendo chegar a 12 pontos que serão suficientes para garantir um lugar na final ainda antes de fechar a fase de grupos com a Espanha. Tal garantiria desde logo um segundo lugar na competição, a melhor classificação alguma vez conseguida pelos gauleses. Mas sempre antes da II Grande Guerra, por cinco vezes nas seis primeiras edições.

Esta quarta-feira, joga-se o terceiro dia deste Europeu, com natural destaque para o duelo entre Portugal e Itália. As duas selecções encontraram-se pela última vez no Campeonato do Mundo, nos quartos-de-final, com os portugueses a levarem a melhor apenas no desempate por grandes penalidades depois de uma igualdade a quatro no fim dos regulamentares 50 minutos e a cinco no final do prolongamento. Até à lotaria das grandes penalidades, Portugal nunca esteve na frente do marcador e teve de recuperar de desvantagens de 2-0 e 4-2.

Antes, a Espanha defronta a Alemanha e a França tem encontro marcado com Andorra.

Fase de qualificação

• Itália 5-8 França • 15.Nov

Espanha 11-0 Andorra • 15.Nov

Portugal 10-0 Alemanha • 15.Nov

• Itália 4-4 Espanha • 16.Nov

• Andorra 1-5 Alemanha • 16.Nov

França 5-3 Portugal • 16.Nov

• Alemanha vs. Espanha • 17.Nov • 15h30

• Andorra vs. França • 17.Nov • 18h30

• Portugal vs. Itália • 17.Nov • 21h45

• França vs. Alemanha • 18.Nov • 15h30

• Itália vs. Andorra • 18.Nov • 18h30

• Espanha vs. Portugal • 18.Nov • 21h45

• Itália vs. Alemanha • 19.Nov • 15h30

• França vs. Espanha • 19.Nov • 18h30

• Portugal vs. Andorra • 19.Nov • 21h45

Classificação

1º França (6 pontos, 13-8)

2º Espanha (4, 15-4)

3º Portugal (3, 13-5)

4º Alemanha (3, 5-11)

5º Itália (1, 9-12)

6º Andorra (0, 1-16)

5º e 6º lugares

5º Qualificação vs. 6º Qualificação • 20.Nov • 14h30

3º e 4º lugares

3º Qualificação vs. 4º Qualificação • 20.Nov • 17h

Final

1º Qualificação vs. 2º Qualificação • 20.Nov • 20h

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade