Notícia

A hora do Zé

Dec 07, 2021

Na pausa do campeonato e a contas com um mau arranque, Nuno Resende encontrou no plantel do Benfica um 'reforço' importante e logrou dois triunfos consecutivos fora. Despontando entre nomes maiores da modalidade, eis Zé Miranda. #PrimeiraDivisão

Anunciado como atleta do plantel da equipa principal em Agosto, o jovem Zé Miranda, então com 17 anos, falharia parte da preparação por estar na selecção de Sub-19, mas terá convencido no estágio no Luso, numa segunda pré-época, na interrupção para o Europeu absoluto, e mostra-se agora como uma verdadeira opção para Nuno Resende.

Completando 18 anos em pleno estágio, numa "casa das selecções" que não lhe é de maneira nenhuma estranha, receberia a "prenda" 15 dias depois, no regresso do campeonato, com a convocatória para o jogo da 9ª jornada, em Turquel.

Preteridos os espanhóis Sergi Aragonès (nada menos que recém-consagrado campeão da Europa) e Pol Manrubia, poderia julgar-se que a presença de Zé Miranda no banco seria apenas para "bater palmas". Ou, quiçá, entrar se a partida estivesse decidida. Mas Nuno Resende mostrou confiança no jovem talento na hora de equilibrar uma equipa de propensão atacante.

O Benfica, vindo de quatro derrotas nos oito primeiros jogos, tremeu quando o Turquel reduziu para 1-2, aos sete minutos da segunda parte. Na bifurcação de dilemas, Resende poderia optar por carregar no ataque em busca de mais golos, e tinha "artistas" para isso, mas o estado de espírito não seria propenso a tal. Ou poderia defender a vantagem, procurando, pela primeira vez, pontuar fora de casa.

Na cautela, Resende foi audaz. Zé Miranda entrou para o lugar de Poka aos oito minutos e meio, com o tal perigoso 1-2 no marcador, e só sairia a cinco minutos e 23 segundos do derradeiro apito, com os encarnados a terem de atacar depois de sofrerem o 2-2, por infelicidade com Zé Miranda a "ajudar" a tapar a visão de Pedro Henriques quando, como devia, acompanhava Tiago Silva.

Nos mais de 11 minutos em pista em Turquel, o estudante de 1º ano de Desporto na Faculdade de Motricidade Humana mostrou tranquilidade e rigor táctico. E terá conquistado um lugar bem "acima" do 12º que lhe era apontado.

Este sábado, em Paço de Arcos, teve ainda mais minutos. Entrou aos 11 minutos com o resultado 0-1, saiu por instantes no livre directo que deu o 0-2 (não seria parte da estratégia para um "powerplay" caso Lucas não marcasse) e regressou rapidamente. Iniciou a segunda parte - período de um Paço de Arcos mais agressivo - e jogou até que Nicolia fez o 1-3, aos sete da segunda parte, para cerca de 21 minutos em pista.

Ascensão

Começou com apenas dois anos na Física, e os primeiros anos foram "patrocinados" pelo avô materno, que o acompanhava aos treinos e aos jogos. Em 2017, com apenas 13 anos, deu o "salto" para o Benfica, onde não tardou a afirmar-se num grupo de enorme potencial.

Essas águias conquistariam o Nacional de Sub-15 em 2018 e o Nacional e a Eurockey Cup de Sub-17 (eleito para o Cinco Ideal e escolhido como MVP da final) em 2019, sendo a base da selecção nacional vice-campeã europeia de Sub-17 em 2019 - no pavilhão da Física que outrora fora de Zé Miranda - e agora campeã europeia em Sub-19 em Paredes, com Zé Miranda como capitão.

No Campeonato da Europa de Sub-17 de 2019, no "seu" pavilhão da Física.

Hóquei em Patins nos genes

Torres Vedras é uma terra que respira Hóquei em Patins, com a sempre vibrante rivalidade entre Sporting de Torres e Física, e a modalidade corre no sangue de Zé Miranda.

O pai, Afonso Miranda, foi internacional português em todos os escalões, de juvenil a júnior (disputou dois Europeus, mas não venceu nenhum), sub-21, sub-23 e sénior, mas "apenas" representou a selecção absoluta no Torneio Internacional do Porto em 1993.

Zé Miranda estreou-se pelas águias em Turquel, num palco em que o pai, Afonso Miranda, também brilhara.

Júnior no Benfica, representaria mais tarde o Sporting, na temporada de 1990/91, vencendo a Taça das Taças. Regressou a Turquel (de onde saíra para os leões) para ser orientado por "Mestre" António Livramento, logrando uns históricos 5º e 4º lugar na I Divisão. Voltou ao Sporting em 1994, mas, mais uma vez, apenas por uma temporada. Desta feita, pela extinção da secção leonina às mãos de Santana Lopes.

Também o irmão seguiu a paixão do pai pela modalidade. Aos 21 anos, Luís - no 4º ano da Universidade - representa a Académica de Coimbra desde 2019, somando, na Zona Sul da II Divisão, oito golos apontados em 10 jornadas. O próximo compromisso da Briosa é frente à equipa "B" do Benfica, mas, com a aposta de Resende em Zé na equipa principal, será - infelizmente para Luís Duarte, treinador dos "B" - pouco provável que os irmãos se defrontem.

"Prata da casa"

A formação nos clubes de topo é cada vez mais um trabalho de prospecção do que de propriamente de formação, e os que se destacam muito jovens não tardam a ser recrutados pelos "gigantes" da modalidade.

Depois é um árduo caminho até à equipa principal, onde poucos têm espaço. Mas, nas águias desta temporada, para além de Zé Miranda, há alguns exemplos de sucesso para acalentar esperança a quem um dia rumou à Luz com essa ilusão.

Pedro Henriques e Diogo Rafael chegaram em 2004, respectivamente para os iniciados (sub-15) e juvenis (sub-17) quando o Benfica relançou estes escalões, depois de anos apenas com equipa júnior. O universal natural de Turquel não mais deixaria a Luz, mas o guarda-redes, que começou no Paço de Arcos (e ainda representou o Sporting numa temporada), não hesitou em ganhar tarimba com dois empréstimos, ao Parede (sub-20) e ao Reus, sagrando-se inclusivamente campeão europeu.

Diogo Rafael chegou com 15 anos ao Benfica e está na sua 18ª temporada consecutiva nas águias.

Quem também "rodou" antes de se fixar na Luz foi Gonçalo Pinto, que chegou do Cascais, em 2008, para os sub-13, saindo para os italianos do Lodi, treinados por Nuno Resende, e no ano seguinte para o Valongo.

Esta temporada, é também aposta na equipa principal o guarda-redes Rodrigo Vieira, que começou no Sintra, mas chegou do rival Sporting em 2019. Por castigo de Pedro Henriques, Rodrigo Vieira foi chamado nos dois primeiros jogos do campeonato, nos triunfos sobre Sanjoanense e Juventude de Viana por 9-5 e 7-3. Voltaria a estar entre os postes para colmatar um azul ao habitual titular (e, indiscutivelmente, dono da baliza) frente ao Tomar, sofrendo o derradeiro golo da derrota por 3-5.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade