Notícia

Valongo dá, Valongo tira

Apr 03, 2022

Uma semana depois de ter vencido os dragões e ter permitido ao Óquei de Barcelos 'colar-se' ao topo, o Valongo fez o que ainda ninguém conseguira, vencendo na 'Catedral' de Barcelos. E o Porto, que goleou o Braga, está de novo isolado. #PrimeiraDivisão

Um triunfo do Valongo por 4-0 sobre o Porto permitira ao Óquei de Barcelos igualar pontualmente os dragões. Curiosamente, o "amigo" Valongo, logo no jogo seguinte, visitava Barcelos. E tirou o que tinha dado...

Miguel Vieira, com grande parte da sua formação e afirmação feita no Óquei de Barcelos, adiantou a equipa de Edo Bosch com dois golos, mas os barcelenses lograram reagir. Álvaro Morais e Dario Giménez, este de livre directo, anulavam a vantagem dos visitantes antes do descanso. Soava a reviravolta. Só que não.

No seu registo de rigor defensivo e acutilância na saída para o ataque, o Valongo voltava a ganhar uma vantagem de dois golos, com tentos de Facundo Navarro e Diogo Barata nos primeiros cinco minutos. Dario voltava a ser eficaz de livre directo, mas Rafa Bessa repunha quase de imediato a dupla vantagem a mais de 17 minutos do fim para um 3-5 que perduraria até final. Brilharam no tempo que restava Conti Acevedo e Bernardo Mendes, defendendo ambos uma grande penalidade e dois livres directos numa partida com vários momentos de tensão.

O triunfo do Valongo permite-lhes consolidar o 6º lugar, agora seis pontos à frente do Tomar, e "empurra" o Óquei de Barcelos para 3º, passado na classificação pelo Sporting e com o Porto a destacar-se.

Porto volta a destacar-se

No Dragão Caixa, o Braga pagou duas facturas. Ousara ser o primeiro a vencer o Porto na primeira volta e apanhou um Porto ferido de uma derrota sem golos em Valongo.

Rafa desbloqueou o marcador aos 11 minutos e Reinaldo Garcia, ampliou antes do intervalo, numa semana em que também foi anunciado que ampliava a sua ligação aos azuis-e-brancos por mais uma temporada.

No arranque da segunda parte, dois golos (Xavi Barroso e Rafa) em três minutos praticamente sentenciaram a partida. Gonçalo Meira ainda reduziu, mas a resposta do gaulês Carlo Di Benedetto acabou com qualquer dúvida, bisando para o 6-1. Tudo nos primeiros cinco minutos da etapa complementar. A partida perdeu algum interesse, e o resto foi formalidade. Ezequiel Mena fez o 7-1 a meio e Carlo selou o hat-trick já perto do fim para o 8-1 final.

Sporting sobe a 2º

Ainda antes do Barcelos jogar, o Sporting fazia o que lhe competia. Ao intervalo, os leões já venciam por 4-2, com João Souto a inaugurar e Gonzalo Romero a fazer um hat-trick depois de João Lima, que também assinaria o segundo, igualar para a Sanjoanense.

Tal como no Dragão Arena, o arranque dos segundos 25 minutos foi determinante. Sem Tiago Freitas, o habitual guarda-redes titular, Vítor Pereira viu o Sporting ampliar por Ferran Font e Romero em apenas três minutos. O jogo ficava definido e os leões geriram. Tiago Almeida, já no último minuto fechou as contas numa derrota por 6-3 que deixava a Sanjoanense na expectativa do que Parede e Turquel, abaixo da linha de água, podiam fazer. Mas nenhum venceu.

Parede e Turquel com contas complicadas

Num dérbi da Linha de Cascais mais importante para o Parede, a equipa de Pedro Caeiro Gonçalves chegou a uma vantagem de dois golos, com um de Ricardo Lopes, ainda na primeira parte, e outro de André Gaspar aos quatro minutos da etapa complementar.

Depois, veio a reviravolta. Primeiro, após vermelho ao adjunto Bernardo Santos, João Sardo reduziu. Mais tarde, já em 10 minutos finais de loucos, Bruno Frade marcou no seguimento de livres directos por três vezes no espaço de pouco mais de dois minutos. Joka reduziu, de grande penalidade, e, em acto contínuo, Tiago Gouveia repôs a vantagem de dois golos e viu-a reduzida por Ricardo Lopes, ainda faltavam jogar cinco minutos.

Em busca de pontos, o Parede "sacou" um azul a Tiago Gouveia. Joka não conseguiu transformar a grande penalidade, mas, em superioridade numérica, os rubro-negros lograriam mesmo a igualdade que vale um singelo ponto que é insuficiente para o Parede sair da zona de descida, com as contas de manutenção a ficarem complicadas. Já o Paço de Arcos, garante desde já a manutenção matemática, mas falha uma aproximação mais determinada ao Braga. Está agora a sete pontos de um 8º lugar que vale a disputa do play-off.

Na Aldeia do Hóquei, o lanterna-vermelha recebeu uma Juventude de Viana ainda na luta pela manutenção e as coisas não começaram bem para os de Guillem Pérez. Nelson Pereira inaugurou na primeira jogada e condicionou desde logo a estratégia da equipa da casa. Desperdiçando uma grande penalidade aos seis minutos, o Turquel veria a Juventude de Viana ampliar um minuto volvido por Pedro Delgado ("Bekas"). E, mais um minuto volvido, por Remi Herman.

A desvantagem de três golos quebrou de alguma forma o espírito dos turquelenses, mas o sempre presente capitão Vasco Luís deu o exemplo. Marcou numa bela jogada individual e alimentou a esperança de livre directo.

Na etapa complementar, o Turquel foi em busca da igualdade, e conseguiu-a aos 11 minutos, por Xavi Lourenço. Mas Nelson Pereira estava em noite de ser anti-herói para os alvinegros. Depois de ter inaugurado o marcador, voltou a desequilibrar o marcador, e Andrés Castaño ampliou de grande penalidade.

Voltava a correr o Turquel contra a desvantagem e contra o tempo. Tiago Rafael e Federico Balmaceda garantiram nova igualdade, levando o pavilhão ao rubro, mas Nelson Pereira voltou a ser desmancha-prazeres. A menos de três minutos do final, o capitão vianense desequilibrava o resultado pela terceira vez e, à terceira, foi de vez. Num remake da vantagem anterior, Castaño fez o 5-7 final de grande penalidade.

A Juventude de Viana soma preciosos três pontos, passando a contar 20, cinco acima da linha de água. Já o Turquel mantém os 12 pontos, a quatro da Sanjoanense, primeira equipa fora da zona de descida. Mas agora há menos pontos em disputa...

Oliveirense vence em Tomar

Tomar e Oliveirense, alheados da luta pelo topo da classificação (ainda que a equipa de Oliveira de Azeméis mantenha hipóteses matemáticas de lá chegar) e da luta pela manutenção, ofereceram um bom espectáculo, vingando a candeia que foi sempre na frente.

A Oliveirense marcou logo no primeiro lance do encontro, por Marc Torra, dando o mote para um jogo vivo, com os tomarenses a darem boa réplica e anularem sucessivas desvantagens. Até à desvantagem final...

Rúben Sousa igualou aos nove minutos. Torra bisou de grande penalidade e respondeu Caio. Na segunda parte, Xavi Cardoso marcou primeiro e Ivo Silva igualou, então a três.

À quarta foi de vez. Nuno Araújo, em jogada de insistência, fez o 3-4 a dois minutos do final. O Tomar ainda dispôs de um livre directo, que Tomás Moreira desperdiçou, e arriscou o ataque a cinco, mas sem sucesso.

Tal como para a Taça de Portugal, a Oliveirense venceu pela diferença mínima, mas garante três pontos que permitem igualar o Benfica nos 47 pontos. As águias só jogam este domingo, na Marinha Grande, no fecho da ronda.

23ª jornada

Porto 8-1 Braga • 2.Abr

Sporting 6-3 Sanjoanense • 2.Abr

• Paço de Arcos 5-5 Parede • 2.Abr

• Tomar 3-4 Oliveirense • 2.Abr

• Turquel 5-7 Juventude de Viana • 2.Abr

• Óquei de Barcelos 3-5 Valongo • 2.Abr

• Marinhense vs. Benfica • 3.Abr • 15h • Silvia Coelho e Rui Leitão

Classificação

1º Porto (55 pontos), 2º Sporting (53), 3º Óquei de Barcelos (52), 4º Benfica* (47), 5º Oliveirense (47), 6º Valongo* (39), 7º Tomar** (33), 8º Braga* (32), 9º Paço de Arcos (25), 10º Juventude de Viana (20), 11º Sanjoanense (16), 12º Parede (15), 13º Marinhense* (13), 14º Turquel (12)

*menos um jogo, **menos dois jogos

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade