Notícia

Decisão começa com reviravolta encarnada

May 08, 2014

A 26ª jornada marcou o início dos encontros entre os quatro primeiros do Nacional da I Divisão da última – e desta – temporada, decisivos para a atribuição do título.

À entrada para os cinco derradeiros encontros, Valongo, Porto e Benfica somavam 62 pontos, seguidos de perto pela Oliveirense com 58. No fim-de-semana, o Valongo cumpriu na recepção frente ao Sporting com uma vitória por 5-2, adiantando-se e ficando à espera, em virtude da presença na Final Four da Liga Europeia de Porto e Benfica, dos jogos desta quarta-feira.

No Dragão Caixa, o FC Porto recebeu o Mealhada e cedo – muito cedo, aos 23 segundos, com um golo de Hélder Nunes - se percebeu que a desilusão da final no Palau Blaugrana estava posta de parte. Aos 15 minutos os azuis-e-brancos já venciam por 5-0 e ao intervalo por 6-1. Vítor Hugo, com cinco golos, foi determinante na construção do 11-2 final, numa partida em que Edo Bosch e Ricardo Barreiros foram poupados para o que resta do Nacional.

Na Luz, a Oliveirense entrou letal e aos 10 minutos vencia por surpreendentes 0-3, com golos de Gonçalo Alves, Diogo Silva e André Azevedo. Mas, perante um pavilhão despido para a importância da partida, a equipa de Oliveira de Azeméis “estoirou” demasiado cedo. Gonçalo Alves ainda bisou a dar mais expressão ao marcador mas depois veio uma autêntica escalada dos encarnados no marcador.

Diogo Silva assina o 0-2 no que parecia ser uma noite de sonho da Oliveirense

Pressionantes e a impor muita velocidade na partida, muitas vezes com mais coração do que razão, o Benfica chegou ao intervalo com uma desvantagem de “apenas” dois golos, fruto dos tentos de Marc Coy e Carlos López. A segunda parte começou praticamente com o terceiro por João Rodrigues e a reviravolta foi consumada com dois golos de Valter Neves. Diogo Rafael fechou as contas da partida a menos de quatro minutos do final com um 6-4, numa vitória muito suada e que mantém os encarnados na luta do título. Já a Oliveirense, que no final contestou a arbitragem de Miguel Guilherme e Luís Peixoto, poderá ter hipotecado as suas hipóteses de chegar aos três primeiros lugares.

Valter Neves fez o 4-4 e corre para recomeçar a partida

Foi um bom jogo. Conseguimos surpreender o Benfica a ganhar 4-0 e penso que, se o jogo tivesse corrido normalmente, talvez tivéssemos conseguido surpreender o Benfica. Assim não conseguimos... É sempre muito difícil jogar em alguns pavilhões. A força social e desportiva de alguns clubes é enormíssima e essa normalidade não é tão normal como devia ser e portanto, sem assacar responsabilidades a ninguém - os meus jogadores também têm algumas culpas – gostaria que o jogo tivesse decorrido dentro da normalidade. Não decorreu e o Benfica ganhou 6-4. Queria felicitar o Benfica que conseguiu virar o resultado.

O Benfica tem mais valores, tem mais jogadores e, para além disso, como costumo dizer “houveram algumas anormalidades dentro da normalidade”.

No futebol 4-0 dá para tudo, no hóquei em patins não.

Prof. João Araújo

Foi bastante complicado. Não estivemos a jogar contra uma equipa qualquer, é uma boa equipa. O Benfica entrou mal no jogo e, ao contrário do que se possa pensar, não foi só no aspecto defensivo. Foi também no aspecto ofensivo. Nos primeiros quatro ataques, o Benfica não fez mais de três passes. E a Oliveirense, em 8 remates que faz à baliza na primeira parte, faz 4 golos. A partir daí tivemos de subir as nossas linhas, fomos mais pressionantes. Se calhar os erros defensivos continuaram mas fomos mais intensos na reacção à perda da bola, na reorganização defensiva, na marcação que fizemos junto às tabelas…

Eu sei que na primeira parte só marcámos dois golos e, se calhar, podíamos ter feito mais. Mas conversámos na cabine e eu disse que, com o desgaste que provocámos com a subida das nossas linhas e a nossa pressão, poderíamos retirar os dividendos de estarmos melhor fisicamente que o adversário. Penso que foi um factor determinante. O Benfica nunca deixou de acreditar mas foi uma equipa que teve de ter disponibilidade física para a “remontada”.

Fica a boa atitude que a equipa teve, frente a uma excelente equipa, o que ainda reforça mais o nosso capital de confiança.

Estão 12 pontos em disputa. As três equipas da frente só dependem de si próprias para serem campeãs. Agora o que interessa é o próximo jogo, que é na Candelária. Esse é que é a nossa próxima final e é nesse que temos de estar concentrados.

Pedro Nunes, treinador do SL Benfica

Na próxima jornada, o Valongo desloca-se à Mealhada e o Benfica viaja até ao Pico para uma partida sempre complicada frente ao Candelária, estando para domingo guardado o “prato principal”, com a Oliveirense a receber o Porto.

Jogos relacionados

SL Benfica
6 : 4
7 Mai 19h30
UD Oliveirense

Provas relacionadas

Campeonato Nacional da I Divisão - Campeonato
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade