Raros dias de pólvora seca

A derrota do Porto terá tanto de merecido pelo Valongo como de inusitado nos (largos) anos recentes dos dragões. Não perdiam com os valonguenses desde 2014 e é raro no Campeonato não marcarem ou perderem por mais de três golos.

Raros dias de pólvora seca

O Porto fechou a 22ª jornada na liderança do Campeonato Nacional da I Divisão, com o melhor ataque (seis golos marcados por jogo) e a melhor defesa (2.6 golos sofridos por jogo). Mas o Valongo não se intimidou com esse currículo.

Os valonguenses não venciam os dragões desde 2014, num jogo que os coroou campeões.

Desse jogo de há oito anos, estiveram agora em pista apenas dois jogadores, Rafa e Telmo Pinto, sendo que ambos contribuíram com golos (três de Rafa e um de Telmo) para o triunfo e coroação do Valongo. Por outro lado, Edo Bosch, agora estratego da vitória desta quarta-feira, fora incapaz, nessa tarde de 2014, como guarda-redes azul-e-branco, de impedir cinco golos do adversário.

Impedir golos dos dragões foi algo que o Valongo - merecendo sublinhado a exibição do guarda-redes Bernardo Mendes - agora logrou e algo que não foi conseguido por muitos nos últimos anos.

Depois do primeiro título nacional conquistado, em 1983, o Porto só ficou em branco para o Campeonato Nacional em sete ocasiões. Em três delas houve empate a zero, sempre contra o Benfica. Nas outras quatro, os dragões não evitaram a derrota. A última vez foi em Novembro de 2019, numa derrota por 3-0 em casa do Sporting, sendo necessário recuar até Novembro de 2004 para encontrar outra, 1-0 em Oliveira de Azeméis. Antes disso perdera 3-0 com o Óquei de Barcelos em Janeiro de 1999 e 0-7, na única derrota como visitado sem golos, com o Benfica em 1996.

Esta derrota com as águias num aziago dia 13 [de Janeiro] fica, com os seus sete golos de diferença, como uma das duas derrotas para o Campeonato mais dilatadas dos últimos 40 anos. A outra foi um 11-4, em Fevereiro de 1987... em Valongo.

Neste milénio, o Porto perdeu por quatro ou mais golos em 11 ocasiões. Sete delas na visita ao Benfica, duas em Braga e uma em Espinho. A outra, foi no Dragão Arena, em Dezembro de 2014, num 3-7 frente ao "nêmesis" da Luz.

Com quatro jogos por disputar, o Porto continua na liderança da primeira fase do Campeonato Nacional. Receberá o Braga a 2 de Abril, antes da Final Four da Taça de Portugal e da participação na oficiosa Golden Cup. Depois, antes do play-off, desloca-se a Oliveira de Azeméis (24 de Abril), recebe o Tomar (30 de Abril) e fecha a fase regular em São João da Madeira (7 de Maio).

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
Cerdanyola vence em Manlleu e (re)aviva esperança de apuramento

Cerdanyola vence em Manlleu e (re)aviva esperança de apuramento

O Cerdanyola venceu na pista do Manlleu por 0-2 e e sobe a lugar de apuramento, numa luta a que se junta o Palau. O embate da última jornada entre Palau e Manlleu decidirá quem se junta a Gijón e Benfica na Final Four.

«Mais respeito pelo adepto e pela modalidade»

«Mais respeito pelo adepto e pela modalidade»

A Kaos Barcelense emitiu um comunicado de 'descontentamento' sobre o horário da meia-final que opõe o Óquei de Barcelos ao Porto. As meias-finais jogam-se numa sexta-feira, algo que, desde que há Final Four, nunca acontecera.