Óquei de Barcelos e Oliveirense dividem pontos

No jogo maior deste sábado, Óquei de Barcelos e Oliveirense empataram. Benfica e Porto (e Famalicense) venceram na Linha de Cascais e o Valongo, com o sétimo triunfo seguido, subiu ao 4º lugar. O Riba d'Ave virou uma desvantagem de três golos.

Óquei de Barcelos e Oliveirense dividem pontos

Os jogos entre Óquei de Barcelos e Oliveirense têm sido tensos e de desfecho imprevisível e, desta feita, os dois "candidatos que correm por fora" dividiram pontos com um empate a duas bolas.

Miguel Rocha, que já representou a Oliveirense, fez aos três minutos e meio aquele que, num jogo de muitas cautelas de parte a parte, se afigurava como o único tento da primeira parte. Mas, nos segundos antes do descanso, Tomás Pereira igualou de grande penalidade e Alvarinho respondeu com o 2-1.

Apesar da vantagem, os barcelenses não deixaram de procurar o golo na etapa complementar, frente a uma equipa de Oliveira de Azeméis pragmática, e Paulo Freitas pode lamentar alguma ineficácia no ataque, extensível às bolas paradas, com Alvarinho e Dario Gimenez a desperdiçarem livres directos.

Não aproveitando também uma superioridade numérica por azul a Franco Platero e chegando à 9ª falta, o Óquei de Barcelos punha-se a jeito... e Paulo Freitas tentou refrear o impeto dos seus jogadores. No entanto, os barcelenses não evitariam a 10ª falta. Num duelo de campeões do Mundo, Conti até ganhou um primeiro "round" a Lucas Martinez, mas, na repetição, ganhou - na recarga - Martinez.

O Óquei de Barcelos foi em busca de nova vantagem e um azul a Xavi Cardoso até proporcionou um minuto final de superioridade numérica, mas o desejado golo não surgiria.

Os barcelenses atrasam-se em relação a Benfica e Porto (o Sporting só joga este domingo) e perdem o 4º lugar para o Valongo.

Sete seguidas do Valongo

Bem perto de Barcelos, em Viana do Castelo, o Valongo deu mais um passo firme na sua marcha vencedora que ascende agora a sete triunfos consecutivos para o campeonato, num registo que passa a ser o segundo melhor de sempre, só superado pelos 13 triunfos seguidos da época do título, 2013/14.

Rafael Bessa, que estará perto de ser reforço do Sporting para a próxima época, desfez o nulo ainda não estavam cumpridos três minutos, com aquele que seria o único tento de uns primeiros 25 minutos que terminaram com muitos protestos dos vianenses e ainda um vermelho a José Braga (preparador-físico) e um azul a Remi Herman.

Em vantagem numérica, o Valongo ampliou no início da segunda parte, por Facundo Navarro e, de bola parada, com um livre directo e uma grande penalidade de Diogo Abreu, elevou para 0-4. A Juventude de Viana não conseguiria melhor que reduzir perto do apito final, por Ruben Sousa.

Vitórias na Linha

Benfica, Porto e Famalicense venceram na Linha de Cascais.

O Benfica triunfou em Murches por 3-8, no resultado mais dilatado da ronda até ao momento. Com dois minutos e meio decorridos, Pablo Alvarez já tinha bisado e o Benfica chegaria a uma vantagem de quatro golos - com Lucas Ordoñez e Gonçalo Pinto a marcarem - sem resposta a oito minutos do intervalo.

António Estrela ainda reduziu na primeira metade, mas Pablito voltou a ser letal no arranque da segunda, ampliando Edu Lamas aos quatro minutos. Tomás Cardoso faria o 2-6, mas o jogo estava sentenciado.

Em gestão, Ordoñez e Pablito (este a selar um "poker") para o Benfica e Diogo David para o Murches definiram os números finais.

Mais complicada (e bem mais longa) foi a deslocação do Porto à Parede. A começar com quatro estrangeiros, contrariando a tendência das 10 primeiras partidas, Gonçalo Alves serviu Ezequiel Mena para o tento inaugural logo no primeiro minuto. No entanto, o Parede não se deixou intimidar.

A equipa de Pedro Caeiro Gonçalves jogou aberto, atacou e seria premiada a sete minutos e meio do intervalo, com "Joka" a endossar ao capitão Ricardo Rocha para a igualdade.

O jogo estava dividido, com oportunidades junto das duas balizas, mas uma desconcentração do Parede valeria dois golos ao Porto, com Carlo Di Benedetto e Roc Pujadas a fixarem o 1-3 com que se chegaria ao intervalo.

Aos dois minutos da segunda parte, Rafa Lourenço reduziu para 2-3, numa diferença mínima comprometida por um azul a Zé Costa. Mas Gonçalo Alves não aproveitou o livre directo.

O Parede mantinha-se no jogo e a meio desta etapa complementar tinha uma soberana oportunidade para igualar. Após azul a Di Benedetto, Rafa Lourenço levou mesmo a bola a beijar as redes da baliza de Xavi Málian, mas o golo não foi validado por bola alta.

Tal como os dragões, as "osgas" não aproveitaram o powerplay, contudo chegariam mesmo à igualdade. A cinco minutos do final, Zé Costa isolou-se e, com alguma felicidade, assinou o terceiro dos rubro-negros, recordando as dificuldades que os azuis-e-brancos já tinham sentido na pretérita temporada. Porém, também os terá lembrado do 3-5 que valera então o triunfo.

O Porto carregou e, numa bela jogada de entendimento, Gonçalo Alves descobriu Di Benedetto solto no coração da área para o 3-4. E, quando o Parede abdicou do guarda-redes, Gonçalo foi rápido a recuperar e, com mestria, fez igualou o tal 3-5 a um minuto do fim.

Em Paço de Arcos, o Famalicense somou importantes três pontos. Hugo Costa inaugurou o marcador no único tento da primeira parte e ampliou já nos nove minutos finais. João Sardo reduziu, mas, na busca da equipa da Linha pela igualdade, a equipa de Jorge Ferreira seria letal, ampliando para um irrecuperável 1-4 com golos de Nuno Silva e "Juanjo" López. A selar uma exibição segura, o estreante Tiago Freitas negou o golo de livre directo a Bruno Frade.

Reviravolta no Parque das Tílias

Em dérbi minhoto, o Braga vencia no Parque das Tílias a três minutos do intervalo por 0-3, com Pedro Mendes a bisar e Vítor Hugo a marcar a passe do estreante Tiago Sanches. Mas a reviravolta seria completa e contundente.

António Trabulo veria o primeiro de seis azuis para os bracarenses - que veriam também um vermelho - e Pedro Silva fez o primeiro para os anfitriões. O internacional angolano Nery reduziria para a diferença mínima antes do intervalo.

Na etapa complementar, só deu Riba d'Ave. E muitos cartões à equipa da cidade dos arcebispos. Daniel Pinheiro igualou e Carlos Loureiro colocou pela primeira vez a equipa de Raul Meca na frente. Pedro Silva fez o 5-3 a 10 minutos do fim e Hugo Barata selaria o resultado em 6-3.

Este domingo, a 11ª jornada fecha com a deslocação do Sporting a Tomar.

11ª Jornada

• Murches 3-8 Benfica • 7.jan

• Paço de Arcos 1-4 Famalicense • 7.jan

Riba d'Ave 6-3 Braga • 7.jan

• Parede 3-5 Porto • 7.jan

• Juventude de Viana 1-4 Valongo • 7.jan

• Óquei de Barcelos 2-2 Oliveirense • 7.jan

• Tomar vs. Sporting • 8.jan, 15h • João Duarte e Miguel Guilherme

Classificação

= 1º Benfica (30), 2º Porto (28), 3º Sporting* (27), 4º Valongo (24), 5º Óquei de Barcelos (23), 6º Oliveirense (15), 7º Parede (13), 8º Tomar* (13), 9º Riba d'Ave (12), 10º Braga (10), 11º Famalicense (10), 12º Juventude de Viana (7), 13º Paço de Arcos (6), 14º Murches (4)

*menos um jogo

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
A supremacia espanhola, com o luxo de ter campeãs do Mundo

A supremacia espanhola, com o luxo de ter campeãs do Mundo

A Liga dos Campeões Feminina arrancou com esperado domínio espanhol, com equipas da OK Liga a vencerem as quatro partidas. Entre estreantes na prova, o Académico da Feira foi derrotado por um Vila-Sana que contou com quatro campeãs do Mundo.