Oliveirense e Tomar afastam vencedores de 2021 e 2022

Oliveirense e Tomar foram os protagonistas maiores dos quartos-de-final da Elite Cup, ao vencerem, respectivamente, Óquei de Barcelos e Porto, os vencedores das duas edições oficiais da prova. Benfica e Sporting serão os adversários nas 'meias'.

Oliveirense e Tomar afastam vencedores de 2021 e 2022

Benfica, Sporting, Oliveirense e Tomar estão nas meias-finais da Elite Cup 2023, depois de uns quartos-de-final em crescendo de emoção. As águias defrontam, a partir das 14h30 deste sábado a equipa de Oliveira de Azeméis, ao passo que, para as 18h, está agendado duelo de leões pelo outro lugar na final.

Destaque para as vitórias de Oliveirense e Tomar, que deixam fora da corrida ao troféu os vencedores das edições oficiais de 2021 e 2022, Óquei de Barcelos e Porto.

Apontar um "crescendo de emoção" nesta sexta-feira de quartos-de-final, será seguramente injusto para a réplica que o Braga deu ao Benfica, mas a necessidade de disputar o jogo às 10h fez faltar público a um bom jogo de Hóquei em Patins, em que o Sistema de Revisão Vídeo (SRV) teve a sua cota de intervenção no desenrolar do jogo, mas com resoluções céleres. Noutras partidas, mais consultas e mais demora - ainda que levando a decisões acertadas - acabariam por prejudicar o ritmo das partidas.

Roberto Di Benedetto inaugurou o marcador do jogo entre Benfica e Braga, naquele que seria o único tento dos primeiros 25 minutos. Na etapa complementar, Vítor Hugo igualou aos nove minutos, na superioridade numérica após azul a Ordoñez, e a partida seguiu igualada até aos sete minutos finais.

Carlos Nicolia desequilibrou as contas de grande penalidade e, no culminar de dois minutos contados mais confusos que se seguiram, Roberto fez o seu segundo golo para um 3-1 que não se alteraria.

SRV foi protagonista no primeiro dia de jogos da Elite Cup 2023. Foram vários os azuis mostrados após consulta às imagens.
SRV foi protagonista no primeiro dia de jogos da Elite Cup 2023. Foram vários os azuis mostrados após consulta às imagens.

Entre Sporting e Valongo, houve mais golos, mas ainda pouca gente na bancada para os celebrar. Toni Pérez e João Souto marcaram nos primeiros 10 minutos para uma dupla vantagem que o reconstruído Valongo não parecia ter argumentos para contrariar.

Na segunda parte, os valonguenses entraram melhor e o ex-leão João Almeida, que "trocou camisolas" com Facundo Bridge e Rafael Bessa neste defeso e se assume talvez como a referência da sua nova equipa, reduziu de livre directo.

O Valongo cresceu, mas seria muito perdulário, não capitalizando, por exemplo, as desequilibradoras acelerações de Tiago Sanches. Alessandro Verona e Rafael Bessa ampliaram para um 4-1 que dava conforto para uma vitória que o definitivo 4-2, pelo capitão Francisco Silva, não beliscaria.

Lucas Martínez bisou na vitória da Oliveirense. Para além dos golos, foi o principal agitador e desequilibrador do jogo.
Lucas Martínez bisou na vitória da Oliveirense. Para além dos golos, foi o principal agitador e desequilibrador do jogo.

Confirmado o apuramento dos velhos rivais de Lisboa, campeão e vice-campeão nacional, veio a "revolta" dos mais mal classificados, com Oliveirense e Tomar a baterem o pé aos cabeças-de-série Óquei de Barcelos e Porto.

O jogo entre oliveirenses e barcelenses já se antevia de equilíbrio e o ascendente dividiu-se pelas duas partes do jogo.

Houve mais Óquei de Barcelos na primeira parte, ainda que Edo Bosch apostasse nas rotinas que levou de Valongo, com Xano Edo, Nuno Santos, Diogo Abreu e Facundo Navarro no cinco inicial. A equipa só se soltaria, a espaços, com a velocidade e técnica de Lucas Martínez, e o nulo que se registava ao intervalo era penalizador para a equipa de Paulo Freitas.

Na segunda parte, a Oliveirense surgiu transfigurada, mais rápida e pressionante, mas até seria o Óquei de Barcelos a marcar primeiro.

Sem Dario Giménez, afastado do jogo com dois minutos jogados nesta etapa complementar (numa possível ruptura muscular com o mágico argentino a gritar bem alto as suas dores), Alvarinho transformou um livre directo após azul a Diogo Abreu. Mas, logo na reposição, Lucas Martinez fez o 1-1 num remate da sua meia pista a surpreender o compatriota - e colega campeão do Mundo - Conti Acevedo.

Entre lances de SRV, Martinez bisaria para o 1-2, respondendo Alvarinho, novamente de livre directo, para nova igualdade. No seu acerto na segunda parte (em semelhante ocasião, acertara na barra na primeira parte), o atacante que já representou Valongo, Porto e Sporting era uma ameaça com o aproximar da 10ª falta. Mas, chegando a Oliveirense à nona a mais de 10 minutos do fim, não haveria nova oportunidade.

O jogo seria definitivamente desequilibrado já nos cinco minutos finais, com um excelente golo de Diogo Abreu, de nada valendo todos os esforços barcelenses para evitar a derrota por 2-3.

Filipe Almeida remata para o 1-2, menos de meio minuto depois do Porto ter reposto a igualdade. O Tomar esteve quase sempre na frente do marcador.
Filipe Almeida remata para o 1-2, menos de meio minuto depois do Porto ter reposto a igualdade. O Tomar esteve quase sempre na frente do marcador.

A fechar o dia de quartos-de-final, os tomarenses encheram o seu Municipal para mais um feito da equipa de Nuno Lopes, chegando pela primeira vez às meias-finais desta prova. E repetindo uma vitória sobre o Porto que já conseguira nas "meias" da Taça de Portugal.

Sem reforços, o Tomar entrou determinado, afirmativo, mandão. Marcou logo no primeiro minuto de jogo, por Tato Ferruccio e criou mais um punhado de oportunidades para ampliar.

A meio da primeira parte, Ezequiel Mena igualou, mas a resposta de Filipe Almeida, num remate forte a colocar de novo o Tomar na liderança, posição em que só não esteve em minuto e meio dos 50 da partida.

O Porto procurou reagir, mas à segura exibição de Marante somava-se muita precipitação dos dragões no ataque, com muitos passes perdidos, muita dependência de Gonçalo Alves no desequilíbrio. Típico de pré-época, ainda que Ricardo Ares tivesse muito tempo em pista um quarteto - com Telmo Pinto, Gonçalo Alves, Rafa e o reforço Hélder Nunes - que disputou junto o Europeu na "off-season".

Nenhuma equipa nos quatro jogos chegou às 10 faltas. Reflexo talvez de uma abordagem ainda de pré-época, apesar da competitividade e equilíbrio nas partidas...

O Porto entrava mais determinado na segunda parte, mas rapidamente se notou um Hélder Nunes a acusar muito cansaço, mas a não deixar de ser aposta de Ares. O Tomar, com uma invejável disponibilidade física, mesmo a rodar a seis sem que Gonçalo Neto ou Diogo Cortez entrassem, continuava mais perigoso.

Aos seis minutos, Guilherme Silva transformava de grande penalidade, para um 1-3 que pedia gestão. Mas os tomarenses, numa partida aberta, não deixaram de procurar o quarto golo. Poderia ter saído pela culatra...

A meio desta segunda parte, Tato teve um livre directo em que não conseguiu bater Maliàn. Desperdiçou-se o powerplay e, já com a igualdade numérica reposta, André Centeno, isolado por Filipe Almeida, foi perdulário. Logo a seguir, Mena bisava para o 2-3 ainda com largos 12 minutos para jogar. E, um minuto volvido, o Tomar chegava à nona falta.

Inesperadamente, Nuno Lopes lançava Gonçalo Neto e o vianense esteve várias vezes perto de retribuir com um golo que não surgiria. Mas a sua frescura física iam criando dores de cabeça aos dragões, que procuravam a igualdade, esbarrando sempre num Marante que se vai afirmando.

Já nos últimos cinco minutos, Hélder Nunes, abnegado mas sem mais forças, travou Guilherme Silva (juntos, com Xanoca, conquistaram a Taça Latina em 2016) para azul e livre directo. O próprio Gui encarregou-se da marcação. Bem, das três. Xavi Malián viu azul na primeira, na segunda os jogadores do Porto saíram antes e, na terceira, Leonardo Pais colocou a máscara à frente do forte remate do tomarense.

Entre os postes, era novamente hora de Marante brilhar. O SRV valia uma grande penalidade e um livre directo aos azuis-e-brancos (de amarelo neste jogo), mas nem Gonçalo Alves, nem Hélder Nunes conseguiram desfeitear o guardião tomarense, que segurava a vitória e o apuramento para as meias-finais.

Quartos-de-final

• QF1 • Benfica 3-1 Braga • 15.Set

• QF2 • Sporting 4-2 Valongo • 15.Set

• QF3 • Óquei de Barcelos 2-3 Oliveirense • 15.Set

• QF4 • Porto 2-3 Tomar • 15.Set

Meias-finais

• MF1 • Benfica vs. Oliveirense • 16.Set, 14h30

• MF2 • Sporting vs. Tomar • 16.Set, 18h

Final

• Vencedor MF1 vs. Vencedor MF2 • 17.Set, 15h

AMGRoller Compozito

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
A decisão ibérica que faltava, agora nos Sub-19

A decisão ibérica que faltava, agora nos Sub-19

Sub-23, Seniores e Sub-17. E agora Sub-19. Portugal e Espanha decidem mais um título europeu masculino depois de vitórias sobre Itália e França nas meias-finais do Europeu que este sábado termina na Suíça.