O desafio de ganhar depois de tudo ganho

Tiago Sousa está na sua primeira temporada em Itália, com a responsabilidade de dar continuidade a um Trissino que ganhou tudo. O campeonato italiano, onde segue sem derrotas, tem surpreendido.

O desafio de ganhar depois de tudo ganho

Olhando para um currículo como treinador de Marinhense, Termas, Académico de Cambra e Sanjoanense, tendo apenas estado na I Divisão em 2018/19 (com a equipa da cidade vidreira depois de garantida a subida), poucos auspiciariam o salto que Tiago Sousa deu. De São João da Madeira, a lutar pelo regresso à categoria máxima, voou até Itália, como aposta de um Trissino que nas últimas duas temporadas ganhara quase tudo - Serie A1, Coppa, Supercoppa, Liga Europeia e Taça Intercontinental - o que havia para ganhar.

"Não é fácil entrar num clube depois de ganhar tudo, substituir um treinador [Alessandro Bertolucci] que ganhou tudo, e - em poucos meses - conseguir aprender, entre aspas, um pouco daquilo que era a mentalidade e as dinâmicas da equipa. Felizmente, os resultados foram acompanhando também. Tivemos alguma infelicidade com alguns jogadores que não puderam dar o contributo por lesão, como é o caso do João Pinto. Mas estamos a trabalhar também para aparecerem jovens valores. Foi esse o nosso objetivo com a minha chegada. Temos dois miúdos que estão estão a crescer, o Gioele e o Giulio [os irmãos Piccoli], e que acredito que no futuro nos vão dar muita alegrias", referiu Tiago após um empate em Tomar para a Champions League em que Gioele, de 18 anos, até apontou o primeiro tento.

Na mais importante prova europeia, que o Trissino venceu em 2022, a equipa de Tiago Sousa está em 2º no Grupo C, com sete pontos, deslocando-se a Lleida na próxima ronda. Caso vença e o Tomar não reclame os três pontos no Dragão Arena, o Trissino estará nos quartos-de-final.

De resto, foi no Dragão Arena que o Trissino somou a única derrota na temporada, num tangencial 5-4 que não deslustra, na ronda inaugural desta Champions League. Já venceu a Supercoppa, com triunfos sobre o Lodi por 3-4 e 5-2, e tem lugar nos quartos-de-final da Coppa Italia, onde defrontará o Grosseto, depois de terminar a primeira volta da Serie A1 em 2º, atrás do Forte.

Para a Serie A1, são 16 jogos sem perder, tendo mesmo imposto ao líder Forte a sua única derrota. Mas vão pesando na classificação os cinco empates averbados, dois deles a quatro, em Valdagno e na recepção ao Follonica, antes da visita a Tomar.

"É uma experiência totalmente diferente em termos de treino, em termos de campeonato. Eu conhecia o campeonato espanhol. O italiano não conhecia, e estou muito surpreendido pela positiva com a qualidade das equipas e dos jogadores. É um campeonato muito forte", vincou. "Por exemplo, nós em casa, no último jogo, a ganhar 4-0, fomos empatar 4-4 contra o Follonica. E jogar fora é muito complicado, como jogar na nossa pista também é complicado para as equipas que lá vão", destacou o técnico de 46 anos.

"Ao contrário, se calhar, do português, que é um campeonato mais táctico, a Serie A1 é um campeonato onde prevalecem muitas acções técnicas e a qualidade individual dos jogadores dentro da dinâmica táctica, e que é bastante difícil. Tem dinâmicas muito complicadas de aprender, mas que - pouco a pouco - vou entrando no ritmo para também crescer como treinador. Era esse um dos desafios que eu tinha, e dentro dos possíveis, acho que a nota é positiva. Continuamos em todas as provas e espero chegar ao fim e conseguirmos conquistar mais algum título além daquele que já conquistámos", apontou.

AMGRoller

Partilhe

Facebook Twitter AddToAny
Outros artigos do dia
São Bento da Porta Fechada trava Benfica

São Bento da Porta Fechada trava Benfica

Gonçalo Bento, guarda-redes do Valongo, foi o principal responsável da surpresa da ronda, com os valonguenses a vencerem o Benfica. A Oliveirense venceu em Barcelos e mantém a liderança, agora apenas pelo coeficiente entre marcados e sofridos.