Notícia

Um português entre catalães

Feb 25, 2016

Foto Marc Coy: Reus Deportiu de hoquei patins (Facebook)

Fotos SHUM: GiroStick (Facebook)

Em jogo a contar para a 18ª jornada da OK Liga, Diogo Neves, o português do SHUM, encontrou um velho conhecido em Reus: Marc Coy. Os dois - Diogo era Sub-20 e Marc sénior - coincidiram no Benfica nas épocas de 2012/13 e 2013/14.

No fim dos 50 minutos em Reus, Diogo teve mais razões para sorrir. Apesar de Marc Coy ter marcado os quatro golos do Reus, os quatro golos do SHUM levaram a uma inesperada divisão de pontos. O ponto acaba por ser precioso para a equipa de Maçanet, que é agora 13ª com 18 pontos, tantos como o Cerceda, e a apenas dois de Lleida e Lloret. Já o Reus atrasa-se na renhida luta pelo quarto lugar que dá acesso à Liga Europeia, caindo no 8º lugar, a três pontos do Vendrell – agora na desejada quarta posição.

Marc Coy festejou quatro vezes frente ao SHUM... mas não chegou

Diogo Neves é o único português da OK Liga e uma valorosa ajuda na luta do SHUM pela manutenção. Marc Coy elogia o jogo do internacional jovem luso. “Fez um bom jogo, garantindo solidez defensiva e tentando no ataque desequilibrar no um-contra-um”, refere. O catalão que representou o Benfica analisa um pouco do jogo “O Maçanet defendeu fechado atrás e a aproveitar o contra-golpe. No ataque não se precipitaram. Aproveitaram as duas bolas paradas que tiveram, um contra-ataque e um erro defensivo quando perdemos uma bola junto da nossa baliza”, lamenta.

O português não marcou neste jogo mas conta 14 tentos na OK Liga, mais um do que Marc Coy. Marcou em 12 dos 18 jogos, bisando com os galegos de Liceo e Cerceda. Entre as 5ª e 12ª jornada, fez a festa do golo oito partidas consecutivas.

Diogo Neves

Entre os estrangeiros da OK Liga, só os argentinos Ordoñez e Alvarez do Barcelona têm mais golos. No SHUM, só Ferran Garcia que tem 19 – marcou três neste último jogo com o Réus - e Lluis Ferrer, com 18, somam mais tentos que o português.

Lluis Ferrer é, tal como Diogo Neves, um dos reforços do SHUM para esta temporada. O ex-Vendrell conta-nos como tem sido a adaptação do jovem português. “Adaptou-se muito bem à cidade e à equipa. É um rapaz muito tranquilo e humilde, muito trabalhador e com muita vontade de melhorar e aprender”, enaltece. “O seu dia-a-dia é tranquilo. Como o de um profissional deve ser. Para além dos treinos, dois dias por semana vai ao pavilhão fazer trabalho físico e com patins e num outro ajuda um professor de Educação Física com os estudos que tem”, descreve Lluis Ferrer. Mas os dias de Diogo não ficam por aqui. “À tarde, em dois dias, treina crianças. E depois vai aprender catalão. Não fala conosco em catalão porque tem vergonha mas já me disseram que fala muito bem. Aprendeu muito em pouco tempo”, exalta.

Lluis Ferrer

Em pista, Ferrer também não regateia elogios ao seu colega. “A sua evolução foi enorme”, analisa. “O hóquei português é diferente do espanhol e isso notava-se, porque aqui há muitas jogadas estudadas e muita disciplina”, detalha. “Agora cresceu e tem muita confiança. Além disso, tornou-se num especialista em grandes penalidades”, realça. E, de facto, nessa especialidade vão seis golos em sete tentativas. Só Sergi Miras marcou mais (sete) da marca de castigo máximo, mas em 15 oportunidades contra sete das de Diogo. De livre directo, as estatísticas da OK Liga apontam uma eficácia a toda a prova: quatro golos em quatro oportunidades.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade