Notícia

Sporting garante liderança antes de prova de fogo

Jan 03, 2018

O Sporting venceu em Paço de Arcos por 0-3 e garantiu uma passagem de ano na frente da classificação.

Ultrapassado à condição pelo Benfica, que vencera momentos antes o Porto, o Sporting precisava de somar três pontos em Paço de Arcos para entrar em 2018 isolado no topo da tabela. E tal terá criado alguma ansiedade inicial.

Os leões entraram rápidos e pressionantes quando perdiam a bola, com Pedro Gil muito activo, mas precipitados na hora de atacar, optando pela meia distância na falta de paciência para desequilibrar a organizada defensiva contrária.

Pedro Gil em evidência nos momentos iniciais

No urdir da teia defensiva por Luís Duarte faltaram os seus dois jogadores mais importantes neste primeiro terço da época, Gonçalo Nunes e André Centeno. Os dois melhores marcadores da equipa estão cedidos por "empréstimo" pelo Sporting e ficaram de fora por acordo entre os dois emblemas. Mas o Paço de Arcos acalentou um resultado que não fosse a derrota...

Aos 10 minutos, Tiago Losna dispôs da primeira oportunidade soberana, mas desperdiçou de grande penalidade. E seriam as bolas paradas a fazer a diferença fundamental no desfecho final. O Paço de Arcos desperdiçou três e o Sporting apenas uma, logrando dois golos de grande penalidade. No entanto, só se festejariam golos na etapa complementar...

Rui Pereira protagonizou uma excelente exibição, pecando nas bolas paradas

Ainda na primeira parte, sem conseguir marcar na primeira vaga atacante, Paulo Freitas mexeu no cinco, e aos 15 minutos, entraram Platero, Caio e Font praticamente de uma assentada, já depois de Vítor Hugo ter entrado. Os leões completavam a rotação quatro minutos antes de Luís Duarte proceder à primeira alteração, a seis minutos do intervalo, lançando Tiago Gouveia para o lugar de Nelson Ribeiro, ambos agora de regresso de lesões.

Nelson Ribeiro, a regressar de lesão, promete ser mais-valia no (muito) que resta da época

O Paço de Arcos resistiu e o nulo persistiu até ao intervalo. No reatamento, voltaram a ser os da Linha a terem soberana oportunidade, com desta feita o capitão Rui Pereira a não lograr bater Ângelo Girão de livre directo. Pouco depois, aos três minutos, o mesmo Rui Pereira cometeu falta entendida para grande penalidade sobre Matías Platero e Caio não desperdiçou, desfeiteando Diogo Almeida pela primeira vez na partida.

Os anfitriões acusaram o golo e veriam o Sporting ampliar aos oito minutos. Vítor Hugo desviou um remate de Platero e traiu o guarda-redes adversário, seu companheiro na conquista da Taça de Portugal pela Oliveirense em 2012.

Caio bisou de grande penalidade

Não baixaram os braços os pupilos de Luís Duarte que expuseram o Sporting pragmático do que já decorreu da pré-temporada, fechando bem defensivamente e com Ângelo Girão intransponível, mesmo quando enfrentou nova grande penalidades, aos 12 minutos.

Jogando de forma segura e com Matías Platero a pautar o jogo, assumindo-se como maestro desta orquestra bem afinada apesar de ter apenas chegado no último defeso, o Sporting desfez qualquer questão sobre o vencedor a seis minutos do final, com nova grande penalidade transformada por Caio a redundar no 0-3. Os leões ainda dispuseram de mais uma grande penalidade, mas Toni Perez não teve o mesmo sucesso do seu colega.

Matías Platero é o "maestro" da equipa leonina

O Paço de Arcos alinhou de início com Diogo Almeida, Diogo Silva, Rui Pereira, Nelson Ribeiro e Tiago Losna, tendo entrado ainda Tiago Gouveia, Daniel Homem e Bruno Frade.

Paulo Freitas apostou num cinco inicial com Ângelo Girão, Henrique Magalhães, Pedro Gil, Toni Perez e João Pinto, lançando depois Vítor Hugo, Matías Platero, Caio e Ferran Font. Font viu o único azul da partida.

No final do jogo, Luís Duarte escusou-se a apontar o dedo às ausências, lamentando apenas a ineficácia nas bolas paradas. Os objectivos do clube da Linha mantêm-se .... tal como a confiança do técnico em como os resultados aparecerão. O HóqueiPT tentou também, sem sucesso, obter a reacção de Paulo Freitas.

O Paço de Arcos tem agora duas partidas - frente aos recém-promovidos Infante Sagres e Grândola - em que tentará vencer para fugir aos lugares de despromoção, terminando depois a primeira volta com uma deslocação a Tomar.

Já o Sporting enfrentará os testes maiores da temporada.

Mudar o ano em primeiro

Sendo a única equipa com um percurso imaculado no Nacional da I Divisão, com 10 vitórias em outros tantos jogos, o Sporting "vira" o ano em primeiro, com 30 pontos, mais dois que Benfica e mais seis que Porto e Oliveirense.

Os leões detém o segundo melhor ataque, curiosamente com os mesmos 48 golos de Benfica e Oliveirense, e apenas aquém dos 69 do Porto. Mas a liderança será justificada no processo defensivo, tendo consentido apenas 10 tentos, de longe a melhor defesa da prova. O Benfica, segundo melhor neste registo, tem mais do dobro dos golos sofridos (21).

Solidez defensiva, chave deste leão, começa em Ângelo Girão

A liderança do leão tem agora no arranque de 2018 uma prova de fogo. Em 15 dias, o Sporting realiza quatro jogos de exigência máxima, recebendo o Benfica já no próximo sábado (dia 6). Viaja depois até Lodi para a Liga Europeia (dia 13), onde pode selar a passagem aos quartos-de-final da prova, e de regresso a Portugal tem o Porto à sua espera no Dragão Caixa (dia 17). Nessa mesma semana, a 21, recebe a Oliveirense no fechar deste terrível ciclo e da primeira volta do Campeonato Nacional.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade