Notícia

Reis de Cop(p)as

Mar 03, 2018

Fotos Copa del Rey: Luís Velasco

Fotos Coppa Italia: Marzia Cattini

Barcelona e Follonica venceram no passado fim-de-semana, respectivamente, a Copa (del Rey) e a Coppa (Italia).

Se para o Barcelona este foi o terceiro título consecutivo, o Follonica estava sem triunfar desde 2010. Mas ambos têm um imponente palmarés na segunda mais importante prova do respectivo calendário nacional, sendo que quer em Espanha, quer em Itália, a "Taça" está reservada para os primeiros oito do campeonato no fim da primeira volta.

A 22ª do Barcelona

A Copa del Rey (Taça do Rei) de Espanha conta já 75 edições desde 1944, ano em que o Español se sagrou o primeiro vencedor da prova.

Na altura - e ainda por mais duas época - os "pericos" eram uma referência no Hóquei em Patins. Quando, em 1953, o Barcelona venceu pela primeira vez a Copa del Rey, já o rival Español levava cinco conquistadas, chegando às 11 - não voltando a conquistar outra - em 1962. A essa data o Barcelona detinha a humilde soma de... dois títulos.

Em 1963, o Barcelona conquistava a sua terceira Copa. A quarta chegaria apenas na década de '70, com a afirmação definitiva de uma potência. Nessa década, o Barcelona conquistou por mais quatro vezes a prova e, na década seguinte, em 1987, igualava o pecúlio do Español. Em 1994, os blaugrana batiam o recorde de triunfos na prova, passando a somar 12 e paulatinamente foram enriquecendo o seu currículo.

Egurrola somou a 10ª Copa a nível pessoal, mas o herói foi Sergi Fernandez

A Copa conquistada na semana passada em Lloret é a 22ª da história do Barcelona, terceira consecutiva. Um "tri" na Copa del Rey não acontecia desde 1997, então para o Liceo. O Barcelona só uma vez o conseguira na sua história, entre 1985 e 1987, mas agora persegue um feito apenas conseguido pelo Español - ainda o segundo emblema com mais triunfos - que, entre 1954 e 1957, logrou quatro conquistas consecutivas.

Na edição deste ano, o Barcelona, sob o comando técnico de Edu Castro, começou por derrotar o Girona por 5-1, com Aitor Egurrola na baliza. O mítico guarda-redes somaria a sua 10ª conquista, contando com a preciosa ajuda de Sergi Fernandez. O paciente delfim de "Pulpo" foi determinante nas meias-finais (vitória por 3-1 sobre o Reus) e na final (vitória por 2-1 sobre o Liceo) e arrecadou o prémio de MVP.

A 9ª do Follonica

Em Itália, a 49ª edição da Coppa Italia marcou o regresso do Follonica - única equipa italiana a vencer uma Liga Europeia - aos títulos, oito anos depois. Um regresso, com um toque de inesperado.

Este foi o nono triunfo das "águias" (mas azuis) na prova que se realiza desde 1966. O primeiro triunfo do Follonica surgiu à 12ª edição, em 1977, tornando-se o emblema da província de Grosseto o quinto vencedor, depois de Novara (que já vencera seis vezes), Breganze (duas), Monza e Trissino. A segunda vitória aconteceria em 1982, seguindo-se um largo interregno até ao período áureo do Follonica.

Entre 2005 e 2010, também com o contributo dos portugueses Guilherme Silva e Sérgio Silva, o Follonica ganhou tudo. Uma Liga Europeia, quatro campeonatos e seis Coppas, consecutivas.

A série de seis triunfos seguidos só são superadas pela impressionante série do Novara entre 1993 e 2002, com 10 consecutivas entre um recorde de 20 conquistadas. Mas, quando os triunfos na Coppa terminaram, o Follonica desapareceu da luta pelos títulos.

Na última temporada, com Marinho (agora no Barcelos) como melhor marcador, o outrora conquistar clube voltou a dar um ar da sua graça, logrando o apuramento para a Liga Europeia, onde, esta época, já garantiu a passagem aos quartos-de-final.

Entre os dois feitos, o Follonica passou por uma mudança de treinador. Saiu Federico Paghi e Enrico Mariotti ocupou o lugar. Vencedor da Liga Europeia à frente do Reus, o italiano tem "estrelinha". Chegou à Coppa Italia como o último (oitavo) a apurar-se. Mas uma bagagem de 10 triunfos na prova como jogador, quatro deles pelo Follonica (outros quatro pelo Novara, um pelo Monza e outro pelo Prato), alimentavam a esperança de vitória de uma equipa que partia como "underdog", apesar de jogar perante o seu público.

Na final, o Follonica bateu o anterior detentor do troféu, Forte dei Marmi

E o sonho tornou-se realidade. O Follonica venceu nos "quartos" o Lodi, campeão italiano, por 5-7, depois afastou o Valdagno com um triunfo por 6-2 e, finalmente, destronou o Forte dei Marmi, vencedor do troféu em 2017, pela margem mínima, mas suficiente, de 3-2.

A vitória final do Follonica na edição deste ano da Coppa Italia vem também reforçar um carácter pluralista no palmarés da prova, com cinco vencedores distintos nos últimos cinco anos, depois das vitórias de Valdagno (2014), Breganze (2015), Lodi (2016) e Forte (2017), sendo que nesta década também o Viareggio (2011) já ganhou.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade