Notícia

Não há argumentos para tanta 'fúria'

Apr 01, 2018

Foto de capa: Federação de Patinagem de Portugal

Portugal entrou em rinque no segundo dia da Taça Latina a ter de vencer para manter aspirações a uma 14ª conquista, terceira consecutiva. Mas deparou-se com uma Espanha fortíssima, a fazer jus ao epíteto de "fúria" que é muitas vezes associado às selecções do país vizinho.

Tal como na véspera, Portugal entrou praticamente a perder. Ainda não estava jogado um minuto, já Carballeira inaugurara o marcador, num remate de muito longe. E o jogador do Liceo ampliou, de grande penalidade (cometida por Alvarinho sobre Font), logo aos três minutos para 2-0. Na mesma moeda de castigo máximo, Gonçalo Nunes reduziu ainda não estavam cumpridos cinco minutos, mas a Espanha seria sempre mais forte.

Alejandro Edo cumpriu os seus primeiros 25 minutos na guarda da baliza da selecção portuguesa sénior

Pressionando alto, sem receio de somar faltas na tentativa de recuperar quanto antes a posse de bola, os golos surgiriam naturalmente. Acsensi ainda desperdiçou uma grande penalidade aos nove minutos, mas, nos dois que se seguiram, Carballeira e Alabart, fizeram o resultado disparar para 4-1.

O seleccionado espanhol respirava confiança que nem um azul a Llorca - num lance com o jogo parado -, a nove minutos do intervalo, abalou. Garantindo que Portugal não voltava a marcar, a Espanha conseguiria ainda mais dois golos - por Aragones e Alabart - antes do intervalo.

No desacerto português, Pedro Batista até bisou, mas foi insuficiente para evitar uma derrota pesada

A partir para a segunda parte com uma desvantagem de 6-1, Luís Sénica deu a Alejandro Edo a possibilidade de se estrear entre os seniores, mas o jovem de 16 anos não contou com uma equipa solidária. Abatidos pelos números do marcador, os jogadores de Portugal não conseguiam parar as investidas adversárias. Roger Acsensi marcou um (aos dois minutos), dois (aos quatro) e três (aos nove), com pouca oposição. O resultado, com um golo de Miguel Vieira pelo meio, numa triangulação que foi provavelmente o melhor lance de Portugal na partida, chegava a 9-3 com os tais três golos de Acsensi e um de Pedro Batista, logo após o nono espanhol. A Espanha "levantou o pé"...

Pedro Batista bisou, ainda com mais de 12 minutos para jogar, mas o marcador não voltaria a mexer, merecendo apenas registo o duelo entre os "benjamins" das duas equipas. Alejandro Edo (16 anos) e Pol Manrubia (17) já se defrontaram em dois Europeus de Sub-17, com um título para cada lado, e voltaram a defrontar-se, num livre directo a meio minuto do apito final. O português levou a melhor nesse particular, mas o espanhol é que ficou com mais três pontos...

Gavioli lidera italianos

Entre franceses e italianos haveria certamente estados de espírito bem distintos. A França, vinda de uma vitória sobre Portugal, voltou a entrar forte. Com pouco mais de um minuto, ganhou uma grande penalidade, mas Carlo Di Benedetto não conseguiu bater Sgaria. Consegui-lo-ia aos cinco minutos, abrindo o marcador e a candidatar-se novamente a figura do jogo. No entanto, o "show" foi roubado por Davide Gavioli.

Gavioli, que só completa 20 anos no final de Abril, apontou 13 golos na fase regular da Legahockey.

O atacante do Viareggio que na selecção vive um pouco na sombra de Cocco e Compagno, restabeleceu a igualdade dois minutos e meio após o golo de Di Benedetto, virou o resultado aos cinco minutos da segunda parte e fixou o resultado final, a quatro minutos do fim, em 4-1, depois de Giulio Cocco ter assinado o terceiro. A exibição de Gavioli ficaria no entanto manchada por dois azuis em dois "travar de razões", primeiro com Fabien Barengo e depois com Carlo Di Benedetto.

Apesar de dar boa réplica, a França só se pode queixar do seu desacerto nas bolas paradas para o desnível de três golos. Já na véspera desperdiçara quatro de cinco bolas paradas e, desta feita, voltou a desperdiçar quatro... em quatro de que dispôs.

A 12ª de Espanha ou a primeira de França

No derradeiro dia desta edição da Taça Latina, o título será discutido entre Espanha e França.

Apesar de Itália até poder terminar com o mesmo número de pontos de Espanha e França, estará sempre afastada da discussão pela diferença de golos que, considerando os jogos com essas duas equipas, se cifra em um negativo...

A França procura a sua primeira grande conquista internacional.

No entanto, o resultado de Itália - em jogo que começa às 18h30 locais - determinará a abordagem à derradeira partida por Espanha e França. Se os transalpinos não vencerem Portugal, uma vitória da França garante, sem mais contas, a maior conquista da história da modalidade naquele país. Mas, caso a Itália vença, não bastará à França vencer... tem de vencer por quatro golos uma Espanha que venceu a Itália por quatro e Portugal por cinco...

À Espanha de Alejandro Dominguez, o título nunca escapará se não perder no jogo que fecha esta Taça Latina a partir das 20h30 locais. E, se a Itália vencer, nem sequer escapa mesmo que perca por três golos!

Ponto de situação

Resultados

Itália 2-6 Espanha

França 4-3 Portugal

Espanha 9-4 Portugal

Itália 4-1 França

Classificação

1º Espanha, 6 pontos

2º Itália, 3 pontos

3º França, 3 pontos

4º Portugal, 0 pontos

Golos

César Carballeira (ESP) - 5

Carlo Di Benedetto (FRA) - 4

Roger Acsensi (ESP) - 4

Davide Gavioli (ITA) - 3

Giulio Cocco (ITA) - 3

Ignacio Alabart (ESP) - 3

Gonçalo Nunes (POR) - 2

Miguel Vieira (POR) - 2

Pedro Batista (POR) - 2

Alvarinho (POR) - 1

Ferran Font (ESP) - 1

Nil Roca (ESP) - 1

Roberto Di Benedetto (FRA) - 1

Sergi Aragones (ESP) - 1

Provas relacionadas

Taça Latina
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade