Notícia

Benfica vence Barcelos e consolida quarto lugar

Mar 18, 2019

Longe da luta pelo título, o Benfica recebeu e venceu o Óquei de Barcelos por 4-3.

No primeiro jogo do castigo de três imposto, o Benfica recebeu o Óquei de Barcelos em Alverca, num duelo directo pela última vaga nos quatro lugares que dão acesso à Liga Europeia.

No início da temporada, não estaria nas contas das águias estar nesta luta, nem estaria nas contas dos galos acalentar esta esperança. Mas inusitados deslizes do Benfica conduziram a um jogo com muito em causa.

Ricardo Silva negou lance de grande penalidade (e recarga) a Albert Casanovas nos instantes iniciais do jogo

O Benfica entrou melhor e ainda não estavam cumpridos três minutos quando dispôs de uma grande penalidade. Albert Casanovas não transformou e o jogo tornou-se dividido, ainda que com ligeiro ascendente – também consentido pelo cinco de Paulo Pereira – dos encarnados.

Das primeiras trocas, por volta dos 10 minutos, o Óquei de Barcelos – que começaram com dois vigentes campeões do Mundo de Sub-20 (Gonçalo Meira e Gonçalo Nunes) - saiu-se melhor, logrando mais oportunidades no balanceamento ofensivo dos encarnados. Num desses lances, aos 13 minutos, Gonçalo Nunes isolou-se e colocou com classe sobre Pedro Henriques para o tento inaugural da partida.

Gonçalo Nunes inaugurou o marcador e festejou efusivamente junto da bancada onde estava a claque do Barcelos e o seu irmão, que lhe segue as pisadas na formação do Paço de Arcos

O jogador cuja formação passou pelo Benfica, mas que está cedido pelo Sporting ao Óquei de Barcelos, seria uma das figuras do encontro, sendo o jogador que mais minutos mereceu de confiança de Paulo Pereira apesar dos seus “verdes” 20 anos.

Com o Óquei de Barcelos a criar muitos lances de perigo, valendo o guarda-redes encarnado, Alejandro Dominguez foi “obrigado” a pedir um desconto de tempo, com cerca de nove minutos para jogar na primeira parte. Meio minuto depois, Lucas Ordoñez restabelecia a igualdade num lance em que Ricardo Silva assumiu ser mal batido.

O intervalo chegou com a igualdade a um no marcador.

Carlos Nicolía bisou no encontro

Os três pontos que separavam o Benfica e Óquei de Barcelos na tabela classificativa davam margem para todos os cenários. Em caso de vitória encarnada, o Benfica consolidava o quarto lugar. Em caso de vitória barcelense, o Óquei assumia esse quarto lugar, apesar da igualdade pontual.

O regresso à pista após o descanso mostrou um Benfica mais afoito, mas sem soluções para ultrapassar a bem urdida teia defensiva minhota. Aos 10 minutos, Paulo Pereira pediu um desconto de tempo para substituir, de uma assentada, três jogadores de pista, desgastados pelo carrossel encarnado. Ficou apenas Gonçalo Nunes… que meio minuto volvido, num remate cruzado, voltou a colocar os barcelenses na frente.

Miguel Vieira esteve em bom plano frente à sua ex-equipa e seria aplaudido pela claque barcelense após o apito final

Mas o Barcelos teve pouco tempo para saborear a vantagem. Minuto e meio depois do 1-2, Ricardo Silva queixou-se de ser atingido na sua pequena área, mas o lance valeu grande penalidade a favor do Benfica. Nicolía fez o 2-2.

A equipa de Paulo Pereira esmoreceu com a perda de vantagem e o Benfica mostrou que vai ganhando uma condição física mais capaz do que a dos primeiros jogos às ordens de Alejandro Dominguez, sofríveis nas rectas finais. A seis minutos do apito final, Diogo Rafael fez, num remate de pronto após assistência de Adroher, o 3-2.

Diogo Rafael fez o 3-2 da primeira vantagem encarnada no jogo

O Óquei de Barcelos foi atrás do resultado, mas, na segunda vez que surgiu isolado perante Ricardo Silva, Nicolía não perdoou e fez um 4-2. A minuto e meio do apito final, a história parecia escrita. Mas não…

Pouco depois, um azul a Diogo Rafael levou Alvarinho para a marca de livre directo. O avançado que, tal como Gonçalo Nunes, está cedido pelo Sporting, não conseguiu marcar, mas foi dada ordem de repetição. Seria a vez de Ruben Sousa tentar… e também falhar. No entanto, João Guimarães (“Joca”) seria o mais rápido a chegar e reduziu para a margem mínima (4-3).

Joca reduziu para a margem mínima perto do último minuto de jogo, mas o Óquei de Barcelos não conseguiu evitar a vitória encarnada

Assim que o Óquei de Barcelos recuperou a posse de bola, arriscou jogar com cinco de pista, em busca do empate, mas as esperanças terminariam com um azul a Alvarinho. Houve tempo para Nicolía tentar o hat-trick de livre directo, todavia sem o resultado se alterar.

No final do encontro, Paulo Pereira (imperturbável no seu discurso, mesmo com uma falha na iluminação) lamentaria em particular o lance que valeria o 2-2 ao Benfica, apontando não um, mas dois erros de arbitragem, ao passo que Alejandro Dominguez se congratulou por a sua equipa conseguir responder fisicamente ao longo dos 50 minutos, garantindo três pontos para um objectivo importante.

A vitória garante, com 18 pontos em disputa, seis pontos à maior (41 versus 35) ao Benfica na luta pelo quarto lugar e ainda vantagem no confronto directo com o Barcelos.

O Óquei, ainda que contando com alguns deslizes da águia, não terá a tarefa de recuperar pontos – e atacar o quarto lugar - facilitada. Até ao final do campeonato, o Barcelos defrontará Oliveirense, Porto e Sporting…

Entretanto, o Óquei de Barcelos anunciou a continuidade de Paulo Pereira no comando técnico da equipa na próxima temporada. O técnico, à frente dos barcelenses desde Março de 2017, já na flash à partida de Alverca adiantara que a próxima época estava a ser preparada.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade