O meu jogo

«Pagámos caro os erros cometidos»

Nov 10, 2014
Luis Querido

Vindos de uma série de resultados que empolgaram os adeptos, os jogadores do Óquei de Barcelos acusaram algum cansaço e cederam um empate em casa frente a’Os Tigres. O capitão Luís Querido apontou, de livre directo, o derradeiro golo da partida.

Em virtude dos resultados obtidos até este jogo, a obrigação de vencer era toda nossa. Sabíamos desde quinta-feira que este jogo iria ser difícil. O mister já nos tinha alertado das qualidades individuais dos jogadores d’Os Tigres e a nossa equipa vem de uma fase desgastante a nível físico (viagens de madrugada, dormir muito pouco antes e depois do jogo em Noia, o esforço físico e intenso para pontuar em Valongo, a lesão do Zé Pedro, …). Tudo isso eram condicionantes que tínhamos que ultrapassar para conseguir vencer Os Tigres.

A maneira como preparámos o jogo, desde o último treino até ao apito inicial, foi toda ela normal, e todos queríamos seguir no grupo da frente!

O jogo começou lento, diria até que muito atabalhoado, mas foram até os primeiros 15 minutos de jogo aqueles em que melhor jogámos. A equipa d'Os Tigres ia defendendo num bloco baixo, aproveitando o contra-ataque e, quando ele não existia, procurava rasgos individuais através do Janeka. E era só assim que ia criando perigo junto da baliza do Ricardo. Os nossos golos vieram dar um pouco de justiça ao marcador. Foram golos bonitos e bem trabalhados.

Continuámos com o nosso trabalho e até beneficiámos de um livre directo que acabaria com o jogo, mas não fomos felizes, mérito do Veludo que foi capaz de parar o livre. Tivemos nova oportunidade de dilatar enquanto Os Tigres defendiam com três mas não soubemos utilizar a vantagem de mais um homem. Passes mal feitos, pouca intensidade… Penso que alguma ansiedade em marcar nos prejudicou e desde que há a entrada do quarto homem d’Os Tigres, eles foram claramente superiores até ao intervalo. Ganharam confiança e começaram a utilizar a meia distância.

O intervalo chegou e estava longe de nós pensarmos que iriamos perder a vantagem que tínhamos.

Puro engano. Entrámos adormecidos na segunda parte e Os Tigres, no primeiro remate à baliza, fazem o 2-1. O jogo tornou-se novamente lento, sem ideias da nossa parte. Fizemos por marcar, por voltar a deixar Os Tigres mais longe da nossa baliza. Mas o tempo ia passando e nós íamos caindo fisicamente.

Numa jogada individual, fizeram o empate. Justo, diga-se. Pouco depois, no livre directo a castigar a 10ª falta, Os Tigres passam para a frente. A partir daí fomos em busca do jogo, tivemos a atitude que deveríamos ter tido desde o começo. Fomos agressivos defensivamente, fomos intensos no ataque e obrigámos Os Tigres a recorrer a faltas, chegando eles também às 10. E foi através desse livre directo que empatámos o jogo. Faltavam ainda jogar três minutos e é pedido um minuto. O mister disse que íamos vencer, que ainda havia tempo suficiente para mais um golo e nós acreditámos sempre que sim. Voltámos á carga, com mais coração do que cabeça, para conseguir o golo da vitória, mas o tempo acabou por ser escasso e o empate final 3-3 acaba por ser justo.

Pagámos caro os erros cometidos. Sabemos quais foram e sabemos também que não voltarão a existir, pois não se tratam de erros técnicos ou tácticos.

Quero deixar um agradecimento por todo o apoio aos Barcelenses, que bem mereciam que os brindássemos com uma vitória.

Obrigado ao HóqueiPT por tudo o que tem feito em prol desta modalidade. É com felicidade que vejo diariamente que existem pessoas, tal como eu, apaixonadas por esta modalidade. Continuação de um excelente trabalho.

Jogos relacionados

OC Barcelos, SAD
3 : 3
8 Nov 21h30
HC "Os Tigres"
Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade