Notícia

A conquista mais desejada, mais sofrida e mais saborosa

Aug 14, 2019

A 14 de Julho, Portugal pôs fim ao maior período da sua história no Hóquei em Patins sem ganhar um Mundial, erguendo o título pela 16ª vez 16 anos – sete edições sem vencer – após a 15ª conquista, em 2003, em Oliveira de Azeméis.

O triunfo em Barcelona foi apenas o segundo de Portugal em território espanhol, apesar de ali se ter já disputado em nove ocasiões antes destes World Roller Games. Inclusivamente, o outro triunfo português acontecera numa cidade de Madrid – no já distante ano de 1960 – que estava e está longe de ser um bastião da modalidade.

Final com a Argentina marcou regresso ao topo do Mundo

Este ano na Catalunha, em Vilanova i la Geltrù e Barcelona, Portugal fez do pragmatismo a sua bandeira. Permitindo-nos roubar da voz de Bernardo Santos, jogador do Parede e um autêntico sexto jogador a partir da bancada durante a fase final do Mundial, “Pouco importa, pouco importa. Se jogamos bem ou mal. Queremos é levar a taça. Para o nosso Portugal!” foi como um hino, tal como em 2016 no futebol, do foco português em ganhar ao invés de terminar com a conquista moral de um Hóquei mais vistoso.

O momento mais aguardado

Um título conseguido, ignorando os desempates, com dois triunfos e quatro empates. Portugal venceu, na fase de grupos, a Colômbia (8-2) e o Chile (9-4), mas no tempo regulamentar não iria além de empates frente a Argentina (1-1) e, já na fase final, Itália (4-4), Espanha (2-2) e, novamente, mas agora na final, Argentina (0-0).

Mas os jogos não terminam aos 50 minutos. Nem aos 60. E, com a necessária estrelinha, Portugal ergueria o seu sexto título fora de portas, juntando a conquista em Barcelona às de Montreux (1948), Milão (1950), Madrid (1960), Santiago do Chile (1962) e Bassano (1993).

Sucesso português assentou na estratégia de Renato Garrido e nas mãos – e tudo mais – de Ângelo Girão

Após a derradeira defesa de Ângelo Girão, figura maior do triunfo luso e deste Campeonato do Mundo, o HóqueiPT ouviu quatro figuras do Hóquei em Patins nacional, quatro entre muitos portugueses que se deslocaram à Cidade Condal para acompanhar o percurso dos novos heróis de Portugal até ao lugar mais desejado no pódio.

Nuno Lopes, hoje treinador do Tomar, foi o treinador que “recebeu” Girão no Sporting e já vira a estrelinha do guarda-redes brilhar intensamente em Igualada, numa final da Taça CERS também decidida em grandes penalidades. Na hora da vitória destacou o prémio para um campeonato português que ganhou com a incorporação de jogadores e treinadores estrangeiros, mas não deixou de levantar questões sobre a organização, em particular sobre a não utilização do Palau Blaugrana para todo o evento.

Nuno Domingues, treinador do Marinhense, afirmou que este foi um título da “equipa que soube sofrer mais”, apontando mérito a Ângelo Girão como bastião defensivo e ao trabalho do técnico Renato Garrido.

Num Mundial realizado num dos centros nevrálgicos da modalidade, Nuno Domingues questionou o modelo e como é necessário repensar para se atrair mais gente aos pavilhões, mas sem deixar de sublinhar a importância de Portugal vencer naquele palco em particular.

Tiago Sousa, que na próxima temporada assumirá novo desafio no Termas Óquei Clube, esteve presente por Angola em três campeonatos do Mundo e defende uma inovação no modelo, promovendo-se por exemplo um play-off, a eliminar, sem os “ingratos” jogos entre derrotados, e que pudesse ser disputado ao longo de mais tempo.

Abstraindo-se das outras modalidades na envolvência dos World Roller Games, Tiago deu enfâse ao “percurso difícil” da Selecção Nacional e ao “espirito de sacrifício da equipa”, sempre a recuperar resultados e com condições adversas, como o intenso calor que se fez sentir na região.

Pedro Caeiro Gonçalves, treinador do Parede e comunicador nato, voltou ao microfone para sublinhar que, nestas competições, contra tudo o que possa ser dito, “o que interessa é ganhar”. “E Portugal venceu”, frisou, destacando o momento de Ângelo Girão e a confiança de Renato Garrido no processo que idealizara e que acabaria por dar frutos.

Sobre a competição e a modalidade, Pedro recordou que “vitórias não escondem defeitos estruturais”, vincando a necessidade de planos a longo prazo para um Campeonato do Mundo mais competitivo em vez do repetido “choro” sempre que há uma goleada nestes eventos.

Para a posteridade fica o título. O 16º em 44 edições, na modalidade que mais alegrias deu a Portugal. O desafio mundial regressa em 2021, em San Juan, possivelmente o mais emblemático palco de Hóquei em Patins do Mundo.

Antes, há Campeonato da Europa, em Julho de 2020, em La Vendée, França. Portugal procurará o seu 22º título continental, com novo obstáculo histórico para ultrapassar, dado que não vence um Europeu fora de portas há 24 anos, desde 1996, em Salsomaggiore, Itália.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade