Notícia

Benfica perde no Feminino

Nov 21, 2020

Foto de capa: Sporting Clube de Portugal - Modalidades

É um título "seco", mas é a notícia. É o tal “homem que mordeu o cão”, sendo que aqui não há cães. Nem homens. O mérito do titular é do Sporting, que esta sexta-feira venceu na Luz por 2-4, com Ana Catarina Ferreira, a assinar os quatro golos das leoas, e a guarda-redes Cláudia Vicente a merecerem nota de destaque.

Uma derrota encarnada em provas nacionais não acontecia há 2708 dias, desde que Os Lobinhos venceram as águias por 7-2.

Esta sexta-feira, em jogo a contar para a 9ª jornada da Zona Sul da primeira fase do Campeonato Nacional de Seniores Femininos, um dérbi “capital”, o dérbi eterno, ameaçava o registo das águias. As leoas, com duas derrotas tangenciais nos dois últimos embates, acreditavam.

O Benfica, reconhecidamente com outros argumentos individuais, adiantou-se aos 11 minutos, com um golo da internacional argentina Flor Felamini, reforço para esta temporada. Sem conseguir ampliar a vantagem, com a internacional portuguesa Cláudia Vicente a “encher” a baliza, a equipa orientada desde sempre por Paulo Almeida viu o Sporting chegar à igualdade pela também internacional lusa Ana Catarina Ferreira, de livre directo.

Ana Catarina Ferreira, que chegou às leoas vinda da Stuart no arranque do projecto em 2019, afirmar-se-ia como a figura maior do encontro. Com muita raça, uma força física incomum e boa técnica individual, a natural de Arazede (Coimbra) que os estudos trouxeram para Lisboa assinaria todos os quatro tentos das leoas.

Com um empate ao intervalo, o Benfica tentou pressionar na etapa complementar, mas esbarrou na superior exibição de Cláudia Vicente. Ana Catarina Ferreira fez o segundo à entrada do 13º minuto e, de grande penalidade, no mesmo aziago (para as águias) minuto ampliou para 1-3, batendo Maria Celeste Vieira, a única das encarnadas que sabia – mas já dificilmente se recordava – o que era perder nas provas nacionais de águia ao peito.

Esboçava-se uma página de História. O 1-4, logo no minuto seguinte, já enviava essa página para as “rotativas”.

O Benfica ainda logrou reduzir, por Macarena Ramos, com praticamente 10 minutos de jogo ainda pela frente, mas o resultado já não se alteraria.

Consequências “apenas” anímicas

Que impacto terá esta derrota no percurso das heptacampeãs nacionais e das candidatas a derrubar essa hegemonia. Na prática, em termos de números, nenhuns.

Na última jornada da primeira fase, no próximo dia 29, o Benfica desloca-se ao Tojal e o Sporting recebe o CACO. Os velhos rivais deverão vencer as suas partidas e o Sporting vencerá a Zona Sul por vantagem no confronto directo. Depois, começa tudo do zero.

Águias e leoas já estão apuradas para o Grupo 1 da segunda fase, cujo calendário será sorteado no dia 30 e que arranca no dia 6 de Dezembro com todas as equipas (três da Zona Norte, duas da Zona Centro e três da Zona Sul) com zero pontos e a discutirem quatro lugares directos – e vantagens no “factor casa” – no decisivo playoff. Mas, mais importante do que isso, se este Grupo 1 da segunda fase completar as 14 jornadas, a equipa mais bem classificada será a campeã caso o playoff não possa ser terminado.

O impacto da vitória leonina, ver-se-á nos rinques e não nos números. As águias deixam de ser uma equipa com aura de invencibilidade e as adversárias deixarão de se conformar com uma derrota “esperada”.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade