Notícia

«Acredito que estamos no bom caminho»

Dec 14, 2020

Fotos: ASD Montebello Hockey e Pattinaggio

Um insuspeito Nuno Paiva vai brilhando na Serie A1. Com oito golos em apenas seis jogos, é o mais profícuo português em Itália e um dos responsáveis da boa campanha do Montebello, agora à prova com três desafios hercúleos em sete dias. #SerieA1

O Montebello está a realizar uma temporada digna de registo. Chegado à Serie A1, categoria máxima do Hóquei em Patins italiano, em 2019, era lanterna-vermelha quando a pretérita temporada foi interrompida. “Salvou-se” pela decisão de não haver descidas e começou a preparar a nova temporada.

Assumiu a equipa o técnico Luca Chiarello, que estava na "B", e a aposta foi, assumidamente, em golos. Nos de Massimo Tataranni, que era o segundo melhor marcador da Serie A1, e nos de um português desconhecido do grande público.

Nuno Paiva chegou a Itália dos galegos do Compañia de Maria, onde deixou saudades, e como melhor marcador da OK Liga Plata, segunda divisão de Espanha. “A minha adaptação, quer a Itália, quer ao Hóquei italiano, tem sido rápida e isso deve-se muito às pessoas que fazem parte do clube, sejam directores, treinadores ou jogadores. Fazem-me sentir em casa e são pessoas espectaculares, o que facilita imenso a minha integração. Acredito, também, que parte disto é devido ao meu gosto particular pelo país”, reconhece.

Nuno Paiva assinou oito golos em seis jogos, ficando em branco apenas contra o Follonica de Sérgio Silva.

“Tendo em conta os seis jogos realizados, posso dizer que está a correr bem, uma vez que em cinco deles pontuámos. Claro que há coisas que devem ser melhoradas, mas acredito que estamos no bom caminho”, refere. O Montebello soma 11 pontos em seis jogos, e está no sétimo lugar. Perdeu apenas uma vez, logo na ronda inaugural e tangencialmente, frente a um Valdagno que se tem mostrado forte.

Nuno Paiva bisou na estreia, mas ficou em branco na segunda jornada, no empate em Follonica. Depois, o Montebello venceu o Monza, com um golo de Paiva. Antes de uma interrupção de quase um mês.

Nuno Paiva foi um dos vários casos positivos de SARS-CoV-2 do Montebello, mas a recuperação da equipa foi plena.

“Infelizmente, há cerca de um mês estivemos parados devido a casos positivos de SARS-CoV-2 na equipa, tendo eu sido um deles, e isso fez com que perdessemos um pouco o nosso momento físico. No entanto, quando todos demos negativo, no meu caso 23 dias depois, começámos a trabalhar para voltar a estar em forma e acredito que tenhamos conseguido”, conta-nos. Os números confirmam a crença do atacante de 26 anos.

Após a interrupção, o Montebello venceu Sandrigo e Correggio, com o português a marcar um golo em cada uma das partidas. Depois, um empate… contra o líder da prova, Sarzana. E Nuno Paiva marcou três dos golos nesse empate a quatro.

Com apenas seis jogos realizados, e 25 golos marcados e 20 sofridos, o Montebello é quinto em pontos por jogo e tem o quinto melhor ataque - em média de golos por jogo -, à frente de, por exemplo, Bassano e Trissino.

Para esse registo contribuem de sobremaneira os oito golos de Nuno Paiva. Tantos como os do “jovem” Massimo Tataranni. “Lembro-me de um dia, num jogo entre o Porto e o Bassano para a Liga Europeia, ter visto o ‘Tata’ a jogar e fiquei sempre com a ideia de que era um grande jogador. Tinha razão. É um jogador muito bom tecnicamente e um grande nome do Hóquei em Patins, não só de Itália, mas a nível mundial. É um orgulho poder partilhar com ele o balneário e espero que tenha muitos mais anos pela frente e de certeza que os terá´, porque a nível físico cuida-se muito”, observa sobre o atacante de 42 anos.

O Montebello entra agora numa fase delicada, mas sem nada a perder. No espaço de apenas sete dias, defronta os assumidos candidatos Lodi (dia 16), Trissino (20) e Forte (22). Todos fora de casa.

“Como se sabe, são três equipas bastante competitivas, com jogadores com muita qualidade. Sabemos que serão jogos difíceis e que, ao mais pequeno erro de nossa parte, estas equipas tendem a aproveitar ao máximo. Mas, apesar da dificuldade, vamos jogar para discutir o resultado até ao fim, não nos vamos dar por vencidos e tentaremos ganhar pontos nestas deslocações”, garante.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade