Notícia

«Quiseram passar que estávamos a 12 pontos, mas esqueceram-se dos jogos em atraso»

Feb 20, 2021

Ainda com "marcas" da CoViD-19, o treinador do Sporting Paulo Freitas congratulou-se com a vitória sobre o Óquei de Barcelos e, apesar da prolongada pausa, a deixar sequelas no grupo, continua a querer ganhar a fase regular. #Video #PrimeiraDivisão

Ainda com claras sequelas da CoViD-19, que muitos carimbam como "gripezinha", Paulo Freitas surgiu na sala de imprensa ofegante, a recuperar da subida pelas escadas. Mas também de um jogo intenso.

"Foi  um jogo muito intenso, com muitas incidências", resumiu. "Foi um jogo com - acho -  nove bolas paradas. Nós continuamos com esse problema, temos alguma  dificuldade nesse momento do jogo", reconheceu, sublinhando no entanto que mantém a confiança nos jogadores que são chamados às tentativas de conversão e que o trabalho que é feito durante a semana acabará por ser recompensado em termos de eficácia. Frente ao Barcelos, o Sporting desperdiçou duas grandes penalidades e um livre directo. Ferran Font lograria transformar um livre directo em golo, então o 3-2.

Na segunda parte, não haveria golos, com Ângelo Girão a reclamar o protagonismo na baliza verde-e-branca. Mas a eficiência defensiva vai muito para além do guarda-redes campeão do Mundo. "O Girão faz parte do grupo de trabalho. Ajudou-nos, obviamente", analisou. "O Girão fez o trabalho dele. Aquilo que é preciso perceber, também, é a  forma como as bolas chegam à baliza e nós nunca podemos olhar só para o que é a acção do guarda-redes. Porque muitas vezes as bolas chegam à  baliza de sítios que não lhe traz tanta dificuldade. E ele sabe isso.  Ele está cá para nos ajudar, tem uma qualidade imensa, e ajudou-nos  obviamente", reforçou.

O jogo marcou o regresso do Sporting à competição 26 dias depois de um dérbi com o Benfica em que Paulo Freitas já esteve ausente. E a pausa forçada deixa sequelas. "Nós estivemos  praticamente um mês sem competir. E estivemos praticamente 15 dias sem  podermos trabalhar na pista", recordou. "É  evidente que nós prescrevemos trabalho aos atletas, e os atletas  trabalham em casa, mas o 'transfer' que conseguimos fazer disso para a  pista, continuo a ter séries dúvidas sobre isso… Tivemos uma semana, com uma grande preocupação, que era evitar lesões", explicou, revelando cautelas na preparação. "Quando tentámos apertar um bocadinho, houve uma resposta um pouco deficitária da parte deles e voltámos a abrandar", aponta.

Agora, o Sporting recomeça com quatro jogos em atraso em relação ao Barcelos e um calendário necessariamente preenchido. Mas tal não preocupa Paulo Freitas. "Já me ouviram dizer que treinamos muito e competimos pouco. Agora tenho a possibilidade de fazer jus ao que venho dizendo", expôs. "A  minha preocupação tem de ser com o treino. Isto praticamente é recuperar, jogar, acertar pormenores em função do adversário, recuperar,  jogar... e é o que vamos tentar implementar", afirmou.

O objectivo continua a ser o primeiro lugar. "Assumi que queríamos ganhar a fase regular e continua a ser o nosso objectivo", vincou. "Quiseram passar que estávamos a 12 pontos , mas esqueceram-se dos jogos em atraso", apontou.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade