Notícia

Benfica vence 'negra' e avança para as 'meias'

May 06, 2021

Com Pedro Henriques a defender quatro bolas paradas (e Marco Barros mais uma) e eficácia no ataque, o Benfica venceu a Oliveirense por 7-3 na "negra" e apurou-se para a meia-final. O Porto será o adversário. #PrimeiraDivisão

A "negra" é o jogo mais desejado no play-off em termos de emoção. O jogo em que uma vitória vale o apuramento para a fase seguinte, eventualmente um título.

Esta quarta-feira, Benfica e Oliveirense protagonizaram a primeira "negra" deste play-off e a eficácia fez a diferença.

Depois de igualar a eliminatória com uma clara vitória por 1-6 em Oliveira de Azeméis, as águias entraram melhor e chegaram à vantagem ainda não estavam decorridos quatro minutos, pelo capitão Valter Neves.

Valter Neves bisou, marcando em momentos importantes do jogo.

Carlos Nicolia seria o primeiro a saltar do banco e Edu Lamas entrou logo de seguida, antes de Paulo Pereira pedir um desconto de tempo que viraria a primeira parte.

A Oliveirense regressava da pausa técnica com mais intensidade e, com a rotação de todos os jogadores de pista (no Benfica ainda faltava sair um Diogo Rafael cada vez mais preponderante), ganhava ascendente. Aos 11 minutos, Jordi Bargalló igualava e, aos 15, Vítor Hugo respondia da melhor maneira a uma assistência de Lucas Martínez para a reviravolta em powerplay, depois de azul a Danilo Rampulla e livre directo desperdiçado por Marc Torra.

Vítor Hugo fez o 1-2 colocando a Oliveirense na frente da eliminatória.

O Benfica procurava responder, mas ainda timidamente. Chegaria à igualdade de grande penalidade, por Diogo Rafael, e só com nova bola parada - sobre o apito para o final da primeira parte - voltou a ameaçar Nelson Filipe, mas Lucas Ordoñez, obrigado a rematar directo e longe da eficácia de grande parte da fase regular, não conseguiu transformar em golo.

Num critério apertado, foram mostrados seis cartões azuis, quatro ao Benfica e dois à Oliveirense.

O azul a Torra que ditara o livre directo permitiu ao Benfica jogar dois minutos em superioridade numérica no arranque da etapa complementar, mas, apesar de ter rematado muito, não rematou bem, persistindo a igualdade. E, na pressão, os encarnados chegavam às nove faltas.

O Benfica acelerava o jogo e, tal como a Oliveirense na primeira parte, seria premiado com um golo. Aos seis minutos, Edu Lamas surpreendeu num remate de meia distância para o 3-2, e não mais as águias deixariam de estar em vantagem. Muito por "culpa" de Pedro Henriques. O guardião do Benfica defenderia novo livre directo - agora a Lucas Martínez - depois de azul a Edu Lamas e ainda defenderia outros dois, de Torra e Martínez.

Pedro Henriques foi imperial na baliza dos encarnados, defendendo quatro livres directos.

No castigo de Lamas, em "underplay", a equipa de Alejandro Dominguez sorriria. A Oliveirense chegou à 10ª falta (tinha cinco quando o Benfica chegou à 9ª) e Rampulla não conseguiu bater Nelson Filipe, mas Diogo Rafael voltaria a marcar de grande penalidade, ainda que na recarga, para um 4-2 que era a primeira vantagem de dois golos no jogo. Mais tarde, a um terceiro penalti foi chamado Edu Lamas... e não marcou.

Diogo Rafael marcou em duas grandes penalidades. A segunda, na recarga.

A Oliveirense procurava reduzir, mas não se conseguia instalar na meia pista encarnada. Aos 15 minutos, um azul a Pedro Henriques tirou o guarda-redes encarnado do jogo por dois minutos, mas Marco Barros cumpriu, negando o golo a "Tato" Ferruccio e algumas oportunidades com a Oliveirense em superioridade numérica.

Já o Benfica seria mais eficaz. Ainda em inferioridade, um azul a "Tato" permitiu a Nicolia marcar de livre directo. E o argentino bisaria, da mesma forma, para fechar as contas da partida.

Lucas Martínez foi o mais perigoso dos visitantes, mas o golo conseguido não foi suficiente.

Antes, a Oliveirense, atrás de uma pesada desvantagem de três golos, ainda reduziria para 5-3, mas Valter Neves, que deixará certamente saudades aos adeptos encarnados quando abandonar, em lance de insistência, aniquilou praticamente de pronto qualquer réstia de esperança da equipa de Paulo Pereira.

Tal como no segundo jogo, Carlos Nicolia bisou.

Com reviravolta na eliminatória depois de uma primeira derrota na Luz, o Benfica avança para as meias-finais, em que defronta, já a partir de sábado, o Porto. A Oliveirense termina a sua participação na presente edição do campeonato com um 5º lugar final e aponta agora baterias à Final Four da Liga Europeia, que terá lugar nos dias 15 e 16.

Quartos-de-final - Jogo 1

Porto 8-1 Juventude de Viana [1-0]

• Benfica 1-2 Oliveirense [0-1]

Óquei de Barcelos 7-4 Tomar [1-0]

Sporting 4-2 Valongo [1-0]

Quartos-de-final - Jogo 2

• Juventude de Viana 1-3 Porto [0-2]

• Tomar 4-5 Óquei de Barcelos (3-3, 1-2 gp) [0-2]

• Valongo 2-3 Sporting [0-2]

• Oliveirense 1-6 Benfica [1-1]

Quartos-de-final - Jogo 3 (se necessário)

Benfica 7-3 Oliveirense [2-1]

Meias-finais - Jogo 1

• Porto vs. Benfica • 8.Mai • 12h

• Sporting vs. Óquei de Barcelos • 8.Mai • 15h

Meias-finais - Jogo 2

• Porto vs. Benfica • 22.Mai • 14h

• Sporting vs. Óquei de Barcelos • 22.Mai • 15h

Meias-finais - Jogo 3

• Benfica vs. Porto • 26.Mai

• Óquei de Barcelos vs. Sporting • 26.Mai • 18h

Meias-finais - Jogo 4 (se necessário)

• Benfica vs. Porto • 29.Mai

• Óquei de Barcelos vs. Sporting • 29.Mai • 18h

Meias-finais - Jogo 5 (se necessário)

• Porto vs. Benfica • 3.Jun

• Sporting vs. Óquei de Barcelos • 3.Jun

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade