Notícia

Porto e Benfica vão à 'negra'

May 31, 2021

A meia-final entre Porto e Benfica vai à 'negra'. Depois de dois triunfos da águias no Dragão Arena, os dragões venceram os dois na Luz. Um 3-6, com hat-trick de Gonçalo Alves, leva ao quinto jogo. #PrimeiraDivisão

Tudo empatado e decisão adiada para o Dragão Arena. O propalado "factor casa" não tem sido vantagem nem para Porto nem para Benfica, e os dragões voltaram a repetir o triunfo na Luz.

O quarto Clássico desta meia-final do play-off começou mexido, com uma defesa aparatosa de cada lado, e um golo com apenas minuto e meio decorrido. Gonçalo Alves trabalhou bem sobre Valter Neves e fez um remate varrido que surpreendeu Pedro Henriques.

Ao longo do jogo, o Porto - por estratégia ou oportunidade - tentaria várias vezes o remate varrido, rasteiro, e voltaria a ter resultados. Já de Valter Neves ver-se-ia pouco mais. Num lance infeliz, aos quatro minutos, o capitão do Benfica foi atingido na face por uma bola - ficando com o nariz muito maltratado - e teve de sair. Alejandro Dominguez revelaria que o capitão pediria para voltar a entrar, mas o técnico encarnado recusou-se a colocar a sua saúde em risco. Por mais que quisesse ganhar.

Depois de longa paragem para assistência, Sergi Aragonés entrou para o lugar de Valter e não tardou a marcar, também com Xavi Malián surpreendido, desta feita num remate de longe que parecia não oferecer perigo. O Benfica igualava, mas, como nos dois primeiros jogos, não haveria reviravoltas. Adiantando-se primeiro, o Porto não estaria em desvantagem.

O ritmo mantinha-se alto e, entre muitas mexidas de parte a parte (estando Cabestany condicionado pela ausência de Poka), Rafa fazia o 1-2, num contra-ataque culminado com o tal remate varrido venenoso. O Benfica desguarnecia a sua defensiva e dois contra-ataques de Ezequiel Mena obrigaram Pedro Henriques a aplicar-se para segurar o resultado até que Dominguez pediu um desconto de tempo para reorganizar o seu xadrez.

O jogo regressou um pouco mais calmo, mais pensado. Aos 14 minutos, Aragonés viu um azul que levantou muitos protestos - o cruzamento de patins, em rasteira, podia ter valido azul ao jogador do Benfica ou do Porto - e Gonçalo Alves foi para a marca de livre directo. Não marcou e o Porto também não aproveitou o "power play". E, já perto do descanso, o Benfica igualaria novamente.

Os dragões chegaram à 10ª falta a dois minutos e meio do intervalo (tinham as águias quatro faltas) numa falta sobre Carlos Nicolia e o próprio argentino transformou em golo, na recarga, depois de um primeiro remate à tabela de fundo. Mas o empate durou pouco. Um minuto volvido, Carlo Di Benedetto fez o 2-3.

A segunda parte começou com um golo anulado a Lucas Ordoñez e pressão a pista inteira de parte a parte, com marcação individual, tornando o jogo incaracterístico, mas emocionante nos espaços criados. No entanto, os próximos golos seriam de bola parada.

Aos 10 minutos, o Porto chegou à 15ª falta (com sete para o Benfica) e Lucas Ordoñez não desaproveitou, fazendo o 3-3. Carlo Di Benedetto, de livre directo depois de azul a Nicolia, e Lucas Ordoñez, de grande penalidade, não desequilibraram, mas Gonçalo Alves, na 10ª falta encarnada, fê-lo. E seria determinante.

O atacante do Porto realizou uma partida extraordinária, assumindo o jogo dos dragões em vários momentos, e, da marca de livre directo, fez o 3-4 num remate rasteiro e colocado a oito minutos e meio do fim. E o Benfica tinha de ir, novamente, atrás do prejuízo.

Sem conseguir ultrapassar a bem urdida teia defensiva dos dragões, que celebrava cada intercepção como se de um golo se tratasse, Alejandro Dominguez arriscou. Talvez demasiado e demasiado cedo, dado que o Porto se aproximava da 20ª falta.

Com cinco jogadores de pista, o Benfica voltou a não lograr o que o Tomar conseguiu a 22 de Novembro, antes de nove vitórias dos dragões, empatando a quatro nos derradeiros instantes. Pelo contrário. Uma perda de bola permitiu a Di Benedetto patinar sozinho para a baliza deserta e o 3-5 a 51 segundos do fim e um remate certeiro de muito longe de Gonçalo Alves, sem ninguém para defender, selou o resultado com 36 segundos para jogar.

As duas mais tituladas equipas do Hóquei em Patins nacional voltam a encontrar-se no dia 3 de Junho, quinta-feira (feriado), pela última vez esta temporada. Quem ganhar vai à final com o Sporting, quem perder entra de férias.

Porto 2-2 Benfica

• #1 • Porto 5-7 Benfica

• #2 • Porto 5-6 Benfica

• #3 • Benfica 3-5 Porto

• #4 • Benfica 3-6 Porto

• #5 • Porto vs. Benfica • 3.Jun • 15h

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade