Notícia

Pedro Silva é o 'Árbitro do Ano'

Aug 08, 2021

O portuense Pedro Silva conquistou o galardão de "Árbitro do Ano" entre os árbitros do quadro principal, sucedendo a Joaquim Pinto. Florindo Cardoso, José Pinto, Jaime Vieira e Luís Peixoto deixam a arbitragem. #Arbitragem

Pedro Silva foi distinguido com o galardão de "Árbitro do Ano" do Quadro Nacional "A", o principal quadro de árbitros em Portugal.

O árbitro do Conselho Regional de Arbitragem (CRAHP) do Porto arbitrou, entre outros, quatro jogos da Liguilha de apuramento para a I Divisão, 21 jogos da fase regular do escalão maior e quatro do decisivo play-off, incluindo um da final.

O Óquei de Barcelos foi a equipa primodivisionária que mais vezes arbitrou, em sete ocasiões, seguindo-se o Famalicense, em seis, cinco delas em Vila Nova de Famalicão, o palco da I Divisão que mais vezes pisou. Pedro Silva sucede a Joaquim Pinto, com quem fez dupla em 12 jogos dos 29 jogos referidos desta temporada.

De resto, com dois galardões consecutivos, o CRAHP do Porto reafirma-se. A "vitória" de Joaquim Pinto em 2020 pôs termo a um hiato de 11 anos sem o "melhor" árbitro nacional portuense depois de José Pinto, irmão de Joaquim, ter vencido em 2009. Após isso, os galardões tinham sido para Lisboa (cinco), Minho (quatro) e Alentejo (um).

Paulo Carvalho (Leiria), em segundo, e Pedro Figueiredo (Minho), em terceiro, completam o pódio de uma classificação que ditou a "despromoção" ao Quadro Nacional "B" de Vítor Roxo (Leiria), José Manuel Pereira (Porto), Joaquim Sequeira (Lisboa), João Martins (Alentejo) e André Portal (Aveiro).

Promovidos

No Quadro Nacional "B", o galardão foi atribuído a Rui Silva, do Minho, que assim ascende ao Quadro Nacional "A".

Com Rui Silva sobem igualmente os também minhotos Fernando Vasconcelos e Miguel Azevedo, José Martins (Zé do Ó) de Lisboa e Jerónimo Moura (Porto).

Adeus a quatro referências

Entretanto, o Quadro Nacional "A" perde três nomes reconhecidos do grande público. Florindo Cardoso (Minho), José Pinto (Porto), Jaime Vieira (Alentejo) e Luís Peixoto (Lisboa) deixam a arbitragem.

Os quatro árbitros não escaparam aos apupos e insultos que, infelizmente, parece que fazem parte da função, mas - aqui e ali - seriam reconhecidos em surdina como alguns dos melhores árbitros do passado recente (e da actualidade) do Hóquei em Patins nacional e internacional.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade