Notícia

«Somos todos obrigados a dar o nosso melhor»

Oct 12, 2021

Raul Alves é o rosto da Oliveirense que venceu a Eurockey Cup de Sub-17 e mentor de um grupo de talentosos jogadores que almejam ser o futuro da modalidade. Não há obrigação de vencer, mas todos têm de dar o máximo. #Video #EurockeyCup #EurockeyU17

Raul Alves tornou-se este domingo o primeiro treinador a vencer a Eurockey Cup por dois emblemas diferentes. E o primeiro a consegui-lo em dois escalões distintos, ainda que o grupo de jogadores que conquistou esta competição de Sub-17 pela Oliveirense tivesse muito daquele que, em 2019, impressionou pelo Valongo.

O jovem técnico, agora com 34 anos, foi aposta da Oliveirense em 2020, depois de ter garantido a conquista da Eurockey Cup de Sub-15 pelo Valongo e certamente com "dedo" de Paulo Pereira, treinador da principal equipa do clube de Oliveira de Azeméis e que conhecia bem o trabalho desenvolvido em Valongo.

Raul levou consigo (ou, "atrás de Raul foram"), entre outros, Paulo Pereira (o filho), Luís Moutinho, Gonçalo Machado, Guilherme Moreira e o guarda-redes Rafael Nogueira, todos vencedores dessa Eurockey Cup em 2019 e agora novamente triunfantes na edição de Sub-17, já com as cores da Oliveirense. Num "atestado" de qualidade, destes, apenas Luís Moutinho não esteve no recente Campeonato da Europa de Sub-17. Mas esteve José Azevedo, que estivera na Eurockey Cup de Sub-15 em 2019, então pelo Porto. Tal como Diogo Lemos, que este defeso também trocou os dragões pelo projecto oliveirense.

Crescer

A Oliveirense conquistou a Eurockey Cup de Sub-17 com um pleno de vitórias. Venceu Igualada (3-2), Peterborough (1-11) e Giovinazzo (5-1) na fase de grupos, depois o Sintra (9-0) e Porto (8-) e, na decisiva final, novamente o Igualada (2-4). Os arlequins revelar-se-iam um grande adversário, a merecer elogios do técnico luso. "Criaram-nos bastantes dificuldades. Foi muito bom, porque mais uma vez fez-nos crescer", afirmaria. E "crescer" e "aprender" seriam palavras de ordem da Oliveirense na prova.

"Queríamos dar um significado ao troféu, não queríamos ganhar por ganhar", explica-nos o treinador. Foram sendo definidos objectivos ao longo do torneio e, jogo a jogo, a equipa e os jogadores foram crescendo.

A juntar ao prémio colectivo, Raul Alves foi agraciado pela organização com o prémio "Respect".

O triunfo internacional não acarreta maior responsabilidade do grupo intramuros. "Ninguém é obrigado a vencer, somos todos obrigados a dar o nosso melhor", aponta. Ganhar será - como foi em Blanes - uma (agradável) consequência do trabalho realizado.

A responsabilidade está do lado da equipa técnica. "Temos em mãos jovens de um enorme talento, de um grande carácter", sublinha Raul Alves, assumindo a missão de criar condições para que estes continuem a crescer. E, quem sabe, chegar à equipa sénior da Oliveirense.

Acreditando que, pela primeira vez na história do emblema de Oliveira de Azeméis há um grupo de trabalho que dedica tanta atenção à formação como à equipa sénior, Raul constituiu uma equipa multidisciplinar. "Cada um tem de ser muito bom na sua área", refere. E os resultados aparecem.

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade