Notícia

Confrontos e falta de segurança ditam final de partida antecipado

Dec 09, 2021

Em Oliveira de Azeméis, confrontos na bancada e a falta de condições de segurança ditaram o final da partida com 6'48 para jogar quando o Óquei de Barcelos vencia a Oliveirense por 4-6. #PrimeiraDivisão

Faltavam jogar menos de sete minutos quando o "inferno" se abateu sobre o Pavilhão Dr. Salvador Machado.

O Óquei de Barcelos adiantou-se logo no primeiro minuto com um golo de Dario Giménez e, depois de Nuno Araújo igualar para a Oliveirense, André Centeno voltou a colocar os visitantes na frente a meio da primeira parte. E não mais os de Rui Neto deixaram a liderança do marcador.

Dario Giménez ampliou e Danilo Rampulla fixou o 2-4 com que se chegou ao intervalo depois de Jorge Silva ter reduzido.

Vinda de uma primeira derrota para o Campeonato, no Dragão Arena, a Oliveirense veria Miguel Rocha ampliar para 2-5 e foi atrás do "prejuízo". Nuno Araújo e Lucas Martinez reduziram para a diferença mínima, mas Miguel Rocha, que já vestiu a camisola oliveirense, voltaria a marcar para uma vantagem de 4-6 a nove minutos do final.

A equipa da casa - neste caso, a Oliveirense - é sempre a responsável pela garantia de condições de segurança. Um processo disciplinar deverá determinar o desfecho da partida.

A sete minutos do fim, confrontos na bancada junto ao túnel de acesso aos balneários levaram à interrupção da partida. Num jogo que não era considerado de "risco elevado", a Oliveirense não requereu policiamento - sendo a segurança assegurada por uma força privada - e os árbitros lisboetas José Martins e Miguel Guilherme cumpriram com o regulamento.

"11.2. Caso não existam condições para o início ou continuação de um jogo, a equipa de arbitragem poderá não iniciar ou interromper o jogo, e solicitar a presença das forças de segurança (PSP ou GNR), sendo respeitado o tempo de espera regulamentado;"

As forças de segurança foram chamadas, mas, face à ausência de requisição prévia, não mobilizariam efectivos para o efeito, ficando apenas registada a ocorrência.

"11.3. Persistindo a ausência de condições para o início ou reatamento do jogo, será cumprido o estabelecido no Regulamento Geral de Hóquei em Patins e em conformidade com o estabelecido no Artigo 70º do Regulamento de Justiça e Disciplina;"

E os árbitros deram a partida por finalizada, aguardando-se agora o desfecho de um processo disciplinar que será necessariamente aberto, sendo que, independentemente da responsabilidade dos desacatos, a responsabilidade de assegurar a segurança é sempre da equipa visitada. Neste caso, a Oliveirense.

Risco Elevado

A determinação do grau de risco dos jogos é da responsabilidade da Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto, depois de auscultada a Federação de Patinagem de Portugal e as Forças de Segurança territorialmente competentes.

Para a I Divisão de Hóquei em Patins, há 19 jogos considerados de risco elevado (obrigando à requisição de policiamento) na primeira fase desta temporada, mas nenhum deles em Oliveira de Azeméis. A saber:

• Valongo vs. Benfica

• Porto vs. Sporting

• Porto vs. Benfica

• Braga vs. Porto

• Valongo vs. Óquei de Barcelos

• Óquei de Barcelos vs. Braga

• Benfica vs. Sporting

• Óquei de Barcelos vs. Tomar

• Óquei de Barcelos vs. Porto

• Braga vs. Sporting

• Braga vs. Benfica

• Sporting vs. Porto

• Óquei de Barcelos vs. Sporting

• Benfica vs. Porto

• Óquei de Barcelos vs. Benfica

• Valongo vs. Porto

• Braga vs. Tomar

• Braga vs. Óquei de Barcelos

• Sporting vs. Benfica

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade