Notícia

Vitória e revolta em Barcelos ao cair do pano

Jan 09, 2022

Um livre directo no derradeiro instante da partida valeu o triunfo ao Óquei de Barcelos e a revolta do Porto contra a arbitragem. Os barcelenses mantêm um registo perfeito em casa e ficam a um ponto do líder. #PrimeiraDivisão

Da visita do líder à casa de uma equipa 100% vitoriosa em casa, não se podia esperar menos do que emoção até final. E a emoção não poderia mesmo ter ido mais além...

O Porto, coroado vencedor da Taça Intercontinental na última partida que realizara, entrou melhor numa Catedral a "sofrer" com a restrição de público em virtude das medidas de combate à pandemia. Aos três minutos, o ex-barcelense Ezequiel Mena "roubou" uma bola na divisória e teve cabeça fria para esperar por Rafa, outro ex-barcelense, para o tento inaugural do jogo.

O Óquei de Barcelos foi "atrás do prejuízo", mas tardava em criar reais oportunidades. Luís Querido ainda dispôs de uma grande penalidade, mas Maliàn ganhou o duelo, e seria o Porto a voltar a marcar. Xavi Barroso, aos 13 minutos e meio, ampliou de meia distância.

No entanto, um Óquei de Barcelos que não quebra, reagiria. Álvaro Morais ("Alvarinho") reduziu dois minutos volvidos e a equipa de Rui Neto empolgou-se, empurrada pelo crescente apoio do seu público. A quatro minutos do intervalo, em nova grande penalidade, Luís Querido não voltou a desperdiçar e igualou a dois.

O jogo estava vivo e não chegaria ao descanso sem novo golo, de Gonçalo Alves, a desequilibrar o marcador. Dario Giménez teve hipótese de voltar a igualar, mas o seu "tango" não iludiu Maliàn.

Na segunda parte, durante largos minutos brilharam os guarda-redes. Maliàn seria traído aos seis minutos num remate que até pareceu falhado de Miguel Rocha, e o empate manteve-se por mais de 11 minutos. Nos desequilíbrios que iam surgindo de um e outro lado, Carlo Di Benedetto foi eficaz perante "Conti" Acevedo, marcando com recurso à inusitada amplitude do seu controlo de bola.

O Porto tinha os três pontos na mão, curiosamente com o mesmo 4-3 que vencera na primeira volta, mas desta feita, o "pressing" final do Óquei de Barcelos deu frutos. Lançando um quinto jogador de pista, Rui Neto veria Alvarinho bisar para o 4-4 à entrada do derradeiro minuto. E, no derradeiro segundo, Alvarinho "cavaria" um azul a Gonçalo Alves que valia uma última oportunidade de livre directo.

Não faltou contestação ao lance. Porque o tempo no relógio tinha chegado ao fim, porque Gonçalo não terá atingido Álvaro.

De facto, uma hipotética - e aparente - simulação até seria a 10ª falta dos barcelenses e um último livre directo para os dragões. Mas a decisão deixou foi a baliza azul-e-branca em mira. A aposta foi no remate forte de Miguel Rocha e o atacante não enjeitou a oportunidade, garantindo a vitória, os três pontos e o delírio nas bancadas.

Após o apito final, a dupla de arbitragem - em particular, Sílvia Coelho - foi visada pela ira dos jogadores azuis-e-brancos, obrigando mesmo à entrada da polícia em pista. Num fim-de-semana de Taça 1947 para que estava previsto o ensaio do vídeo-árbitro, o popular VAR, talvez o recurso à tecnologia pudesse ter evitado polémica, da mesma forma que poderia ter evitado a polémica no jogo da primeira volta, alvo de forte contestação de Rui Neto e dos barcelenses.

Esta foi a segunda derrota do Porto na prova, no regresso dos dragões ao Campeonato Nacional quase um mês depois. Pelo meio, conquistariam a Taça Intercontinental. O Óquei de Barcelos somou a oitava vitória em outros tantos jogos no seu reduto e vencem pela segunda vez o Porto esta época. O primeiro triunfo valeria a conquista da Elite Cup.

14ª jornada

Parede 7-1 Juventude de Viana • 8.Jan

Sporting 5-2 Valongo • 8.Jan

Óquei de Barcelos 5-4 Porto • 9.Jan

• Paço de Arcos vs. Braga • 19.Jan • 21h

• Sanjoanense vs. Benfica • 20.Jan • 21h

• Turquel vs. Tomar • 15.Mar • 21h

• Marinhense vs. Oliveirense • data a definir

Classificação

1º Porto (34 pontos), 2º Óquei de Barcelos (33), 3º Sporting* (31), 4º Oliveirense* (29), 5º Benfica* (27), 6º Tomar** (21), 7º Valongo* (18), 8º Braga* (18), 9º Paço de Arcos* (17), 10º Parede* (12), 11º Marinhense** (10), 12º Juventude de Viana* (10), 13º Turquel* (4), 14º Sanjoanense* (3)

*menos um jogo, **menos dois jogos

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade