Notícia

16-avos da Taça com reedição de uma final 'diferente'

Jan 22, 2022

Este fim-de-semana, há Taça de Portugal. Ainda sem embates entre primodivisionários, o jogo mais 'curioso' é a reedição da final de 2011, entre Candelária e Oliveirense, a última decisão da prova-rainha disputada sem Porto ou Benfica. #TaçaDePortugal

Os 16-avos-de-final da Taça de Portugal arrancaram esta sexta-feira com o Oeiras a vencer Os Corujas por 2-5 e, pese a maioria dos jogos se disputar este fim-de-semana, alguns adiamentos levam a que todos os apurados para os "oitavos" ainda demorem a ser conhecidos.

Desde logo, Carvalhos e Criar-T ainda esperam adversário, disputando-se este sábado os atrasados jogos dos 32-avos entre Marítimo e Porto e entre CART e Parede em mais um atropelo regulamentar, desta feita ao ponto 4.3.1 do Artigo 96º onde se lê que "atento o disposto no Artigo 65º [sobre o calendário de provas] deste Regulamento, a data e/ou a hora dos jogos, pode ser alterada, desde que respeitado - quanto à eliminatória seguinte [os 16-avos, calendarizados para 22 de Janeiro] - um espaço temporal de cinco dias, pelo menos". Vicissitudes.

A final de 2011

Ainda sem embates entre primodivisionários, o ponto de maior interesse ou curiosidade, será aquele que coloca frente-a-frente Candelária e Oliveirense. O Candelária é 1º da Zona Sul da II Divisão, ainda que há condição por ter dois jogos a mais que o 2º, Oeiras, a três pontos, e a Oliveirense é 4º da I Divisão, a cinco pontos do líder Porto, mas com menos um jogo.

Mas não é só pela boa época das equipas que o duelo suscita curiosidade.

Candelária e Oliveirense protagonizaram em 2011 a última final da Taça de Portugal sem a presença de Porto ou Benfica, as duas equipas portuguesas mais tituladas na modalidade e na prova, com 17 títulos dos dragões e 14 das águias.

A equipa de Oliveira de Azeméis reclamaria o troféu, com o vitória por 5-2, na única presença do Candelária numa final. O troféu oliveirense foi o segundo a ir para as suas vitrines, repetindo o feito no ano seguinte e vencendo o quarto em 2019, na última edição da "prova rainha" concluída.

Tó Silva foi figura maior da final de 2011, com um hat-trick.

Nessa edição de 2011, a Oliveirense passou Tomar (2-4), Sporting (4-7), Paço de Arcos (0-2) e Porto (4-5) já nas meias-finais de uma Final Four jogada em Coimbra, erguendo o troféu sem nunca jogar na sua pista. O Candelária passou Póvoa (2-5), Braga (6-2), Benfica (3-3, 4-5 após grandes penalidades) e Valongo (0-2) na antecâmara da final.

Na derradeira e decisiva partida, a 19 de Junho de 2011, o desgaste de um Candelária orientado por Carlos Dantas e com pouca profundidade de banco foi fatal perante uma Oliveirense em que o jogador-treinador Tó Neves se despediu dos patins (aos 45 anos!) antes de rumar ao banco do "seu" Porto.

Tó Neves despediu-se das pistas com a conquista de mais uma Taça de Portugal.

A Oliveirense alinhou com Domingos Pinho, Diogo Silva, Nuno Resende, Tó Neves e Tó Silva (assinou um hat-trick), tendo jogado ainda Nélson Pereira, Tiago Losna (bisou), Nuno Araújo, Francisco Silva e o guarda redes Diogo Almeida. Destes, apenas Nuno Araújo, que representaria o Candelária na temporada seguinte, voltará esta noite a vestir a camisola da Oliveirense, mas não será o única dessa final a fazê-lo.

Jorge Silva marcou então um golo pelo Candelária (o outro foi apontado por Sérgio Silva) e está desde 2018 na Oliveirense, sendo peça importante no esquema de Paulo Pereira. Esse Candelária de outros tempos e investimentos, que nunca esteve nem voltaria a estar tão perto de vencer um título nacional, alinharia com João Miguel, Tiago Resende, Sérgio Silva, Jorge Silva e Martin Montivero, entrando apenas Mauro Fernandez.

Jorge Silva, então pelo Candelária, regressa este sábado ao Pico, mas como adversário.

Esta temporada, os picarotos são uma das três equipas que - até ao momento - lograram afastar primodivisionários, tendo vencido o Turquel. As outras, que tentam repetir o feito, são Alenquer, que afastou Marinhense e recebe agora o Braga, e o BIR, que venceu a Sanjoanense e tenta dar novo "golpe", agora frente ao Óquei de Barcelos.

Também candidatos a "tomba-gigantes" são o Riba d'Ave, líder da Zona Norte da II Divisão, que recebe o Sporting, e o Académico da Feira, que recebe o Paço de Arcos.

Entre as equipas da III Divisão ainda em prova, o Gulpilhares recebe o Benfica e o Tojal a Juventude de Viana este sábado, ao passo que este domingo, o Pessegueiro do Vouga tem a visita do Valongo e o CENAP do Tomar. Em fim-de-semana de duplo desafio, Valongo e Tomar jogam este sábado o jogo em atraso da 8ª jornada do Campeonato Nacional da I Divisão.

32-AVOS-DE-FINAL

Jogos em atraso

• Marítimo SC vs. Porto • 22.Jan • 12h

• CART vs. Parede • 22.Jan • 18h

16-AVOS-DE-FINAL

Por definir

• Carvalhos vs. Marítimo SC ou Porto

• Criar-T vs. CART ou Parede

II Divisão vs. I Divisão

• Alenquer vs. Braga • 22.Jan • 17h

• BIR vs. Óquei de Barcelos • 22.Jan • 18h

• Académico da Feira vs. Paço de Arcos • 22.Jan • 19h30

• Candelária vs. Oliveirense • 22.Jan • 21h

• Riba d'Ave vs. Sporting • 22.Jan • 21h30

III Divisão vs. I Divisão

• Gulpilhares vs. Benfica • 22.Jan • 17h

• Tojal vs. Juventude de Viana • 22.Jan • 18h

• CENAP vs. Tomar • 23.Jan • 17h

• Pessegueiro do Vouga vs. Valongo • 23.Jan • 17h

II Divisão vs. II Divisão

• Juventude Pacense vs. Académico de Cambra • 22.Jan • 18h30

• Famalicense vs. Juventude Salesiana • 19.Fev • 18h

• Infante Sagres vs. Valença • data a definir

III Divisão vs. II Divisão

• Os Corujas 2-5 Oeiras • 21.Jan

• Escola Livre vs. Póvoa • 9.Fev • 21h15

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade