Notícia

Orgulho, Raça, Tradição e muito Crer

May 14, 2022

O Valongo está na final da Liga Europeia. A perder por 1-4 já na segunda parte, nunca deixou de acreditar, levou o jogo para prolongamento e foi totalmente eficaz no desempate por grandes penalidades frente ao Tomar. #LigaEuropeia

Esqueçamos por um instante que estava em causa um lugar numa final. Esqueçamos que este é um embate desportivo em que tinha de haver um vencedor e, necessariamente, um derrotado. Que grande ambiente se viveu no Palácio dos Desportos em Torres Novas! Os adeptos de Valongo e Tomar não encheram as bancadas (pouco faltou...), mas foram incansáveis no apoio às suas equipas, sempre numa sã rivalidade que devia ser exemplo para todos. Foi um extraordinário espectáculo - o melhor de que há memória na prova - fora da pista. Mas também dentro da pista.

Rafa Bessa inaugurou o marcador.

O Valongo garantiu, pela primeira vez na sua História, a presença na mais importante prova europeia de clubes ao derrotar o Tomar nas grandes penalidades.

A equipa de Edo Bosch entrou melhor, e marcou ainda não estava cumprido minuto e meio, com Rafa a bater Francisco Veludo de castigo máximo. O Tomar não entrara bem e o Valongo, sempre confortável quando está a vencer, até tinha melhores oportunidades. O critério dos conceituados árbitros Iván Gonzalez e Sergi Mayor levava a muitas reclamações e focos de picardias, naturais no espírito competitivo do momento.

Houve picardias e momentos de tensão, como a ocasião justificava. No momento mais quente, os árbitros foram salomónicos, com azul a Diogo Abreu e Filipe Almeida.

O passar dos minutos ia mostrando uma formação tomarense em crescendo, mas sem soluções para o golo. Caio e Guilherme Silva fizeram tremer os postes da baliza à guarda de Bernardo Mendes e valeu Veludo na outra baliza a evitar golo de livre directo de Facundo Navarro.

Nuno Lopes apostaria então na irreverência de Lucas Honório. E o talentoso jovem que há poucos dias completou 19 anos respondeu à altura. A seis minutos e meio do intervalo, em jogada individual, igualou e empolgou a sua equipa para a reviravolta, por Guilherme Silva (que o ano passado representava os valonguenses) a marcar num forte remate cruzado. A minuto e meio do intervalo, em novo momento a solo, Lucas fazia o 1-3.

Lucas Honório faz o 1-1. O jovem do Tomar foi a figura do final da primeira parte.

O jogo tinha virado e os adeptos tomarenses, não tão reconhecidos pelo seu entusiasmo como os valonguenses, abrilhantavam a festa. Por cima, o Tomar entrou melhor na segunda parte, possivelmente sem o compassar de jogo que a vantagem exigia. Caio desperdiçou uma grande penalidade e Tomás Moreira não faria melhor de livre directo. Mas, a passe de Lucas Honório, Tomás faria mesmo um 1-4 que o Tomar já justificava.

Faltava jogar meia parte e o primeiro finalista desta Liga Europeia parecia encontrado. Parecia.

Quando Facundo Bridge reduziu para 2-4, o jogo virou.

Logo após o quarto tento tomarense, Facundo Bridge encheu o peito e, de meia distância reduziu. Foi o momento do jogo, o tónico que fazia falta à crença do Valongo, que não podia contar com Miguel Vieira, lesionado depois de um toque de Caio muito cedo no jogo. O Tomar tremeu, não soube segurar o jogo, e ia valendo Veludo na baliza, defendendo até uma grande penalidade de Rafa Bessa. Mas, a nove minutos do fim dos regulamentares 50, Diogo Barata reduzia para a margem mínima.

Francisco Veludo conteve o assomo do Valongo enquanto pôde.

Pedia-se calma ao Tomar, raça ao Valongo.

As coisas pareciam complicar-se para a equipa nortenha quando Rafa Bessa viu o azul a cinco minutos do fim, mas Lucas Honório não conseguiu bater Bernardo Mendes e o Tomar também não conseguiu desequilibrar o bloco em underplay contrário. E, assim que foi reposta a igualdade numérica em pista, Facundo Navarro arrancou e repôs a igualdade também no marcador.

Explosão! Nafarro fez o 4-4 a três minutos do fim.

Era o delírio na pista, no banco e na bancada. O Valongo passava de uma desvantagem de três golos para uma igualdade no resultado, mas uma imensa vantagem anímica e quase resolvia a partida no tempo regulamentar, num remate de Bridge que acabou no poste.

O jogo seguiu para prolongamento, com uma primeira parte em que o Tomar, quebrado física e animicamente, deu a iniciativa de jogo. Na segunda parte, houve mais Tomar com a irreverência de Lucas Honório, mas as equipas temeram sempre mais perder do que ambicionaram ganhar.

Bernardo Mendes defendeu quase todas as bolas paradas do Tomar. Três durante o jogo (todas na segunda parte), outras três no desempate por grandes penalidades (em que foi batido apenas por Filipe Almeida).

No necessário desempate, por grandes penalidades, o Valongo foi exímio. Depois de Tomás Moreira falhar, Diogo Abreu marcou. Lucas acertou no ferro e Rafa fez o 2-0. Filipe ainda reduziu, mas Navarro, desta feita perante António Marante, também não desperdiçou. Quando Caio falhou, acabava-se o sonho do Tomar, reforçava-se o do Valongo.

À espera de adversário, a decidir no duelo italiano entre Trissino e Sarzana, o Valongo disputará a final este domingo, a partir das 15h.

Meias-Finais

• MF2 • Valongo 7-5 Tomar • 14.Mai (4-4, 3-1 pen.)

• MF1 • Trissino vs. Sarzana • 14.Mai • 15h

Final

• Valongo vs. Vencedor MF1 • 15.Mai • 15h

Inline content
Ficha Técnica
Estatuto Editorial
Contacte-nos
BackOffice
Política de Privacidade